Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Cuba

Díaz-Canel convoca juventude para defender legado da revolução

"A energia e a ambição natural dos jovens são fundamentais nesta obra"

O texto abaixo é a transcrição da segunda parte do discurso do presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, na abertura dos trabalhos do 10º mandato da Assembleia Nacional do Poder Popular, eleita recentemente. Separamos o discurso em três partes, devido a seu tamanho. Para ler as demais, acesse os links abaixo:

“A política dos EUA é uma só, não importa o partido no poder”

“Cuba é uma força capaz de vencer os piores vendavais”

Discurso proferido nas conclusões da Décima Sessão Ordinária da Assembleia Nacional do Poder Popular em sua IX Legislatura (Parte 3 de 3)

Compatriotas:

Congratulo-me com o quanto o nosso Parlamento rejuvenesceu, quando uma das maiores preocupações dos últimos meses e anos é o envelhecimento da população e o elevado nível de emigração dos segmentos mais jovens da nossa sociedade.

Quero agradecer aos jovens cubanos a inspiração e o incentivo, mas também a consagração e o exemplo, que foram decisivos para tornar possível tudo o que conquistamos, o que avançamos em meio ao vendaval de muitas crises: aquela que eles induzir quando nos bloqueiam; aquela que chega até nós só porque vivemos em um mundo em crise, e aquela que nós mesmos geramos com nossas insuficiências.

Os jovens cubanos estão entre os que fazem este país, os que apoiam esta Revolução e o sonho do que fazemos e faremos no futuro. Como todo o povo cubano, sofre com as carências econômicas e suas terríveis consequências. Mas também são os jovens que saltam o bloqueio, as carências, os que vivem o seu dia a dia, com ideias para o futuro, dispostos a fazer de Cuba um país melhor, por dentro ou por fora.

Nunca se pode abandonar a ideia de que sempre será possível construir um país melhor, menos ainda em tempos difíceis ou sob a influência de mensagens desanimadoras. Nós, cubanos, aprendemos a não desistir, porque não vemos a dificuldade como um obstáculo, mas como um desafio. E nós enfrentamos. Esse templo é uma característica de nossa idiossincrasia.

Como expressei há um ano falando aos jovens, em meus anos como dirigente do Sindicato dos Jovens Comunistas, em uma ocasião Fidel nos advertiu que numa Revolução sitiada e bloqueada como a nossa, alguns camaradas se cansam, se burocratizam, perdem o entusiasmo dos primeiros tempos e que devíamos desempenhar o papel de mola, estimuladores, revolucionando a Revolução.

Foi na década de noventa, anos muito difíceis, com os preços disparando ao infinito pelo pouco que se comprava; com apagões muito mais longos que os atuais, embora com poucas filas nos postos de gasolina porque quase nunca havia combustível para servir.

Então nos preparamos para a Opção Zero, mas nunca desistimos de construir um país melhor. Como o heróico povo vietnamita que, em meio a uma guerra terrível, pensou em construir um Vietnã dez vezes mais bonito.

“São ainda os sonhos, os que puxam as pessoas, / como um ímã que as une todos os dias”, cantava Gerardo Alfonso nesses anos num verso que define lindamente o desejo coletivo de construir um país melhor. Por isso posso afirmar que hoje podemos fazer melhor e que amanhã os jovens o farão ainda melhor, porque quem nasceu desses sonhos não permitirá que seja de outra forma!

Os jovens são os melhores revolucionários porque reconhecem as dificuldades cotidianas e as enfrentam e tentam mudá-las, e muitas vezes conseguem. Porque apesar das adversidades continuam a sorrir, a amar e a acreditar na possibilidade de um país melhor, apesar de alguns os convidarem a não participar, a destruir, a odiar.

Eles entendem que para um mundo melhor ser possível é preciso aceitar as diferenças do outro, ser inclusivo, abolir qualquer tipo de discriminação e entender que a equidade é um valor de conquista que merece ser cultivado em qualquer sociedade.

Elas o demonstraram defendendo o Código da Família como próprio e apoiando todas as lutas justas contra a exclusão e o assédio, porque são feministas, ambientalistas e antirracistas. E renovaram a paixão pelo beisebol nacional quando se formou o Team Asere, do Clássico, sem deixar de acompanhar seus times de futebol e continuar dançando e curtindo a melhor música cubana.

Cada um de nós, por sua vez, tem que estimular esse espírito juvenil a se expressar e mostrar o que pode dar e no que pode contribuir, evitando as manifestações que muitas vezes afetam essas potencialidades e estão relacionadas à desatenção, vaidade, ciúmes, preconceitos e, o que é pior, esquemas mentais caducados com o tempo.

É preciso convencer, mas sobretudo provar aos nossos jovens que é possível que eles se realizem na sua pátria. Que proponham ideias, projetos e comprovem na prática a sua eficácia em prol de um país melhor.

As medidas aprovadas não podem morrer por atrasos injustificados na sua aplicação. A vida de cada pessoa não é eterna e o tempo e as necessidades de todos transpassam o espírito da nação. Cada vez que uma solução aparece, devemos colocar diante dela a dinâmica do urgente.

Por outro lado, não podemos fazer parte da politização da emigração cubana, com a qual trafica o inimigo. Devemos defender uma relação com os emigrantes cubanos que lhes deixe claro que admiramos os seus triunfos e que a sua pátria os respeita, olha para eles com orgulho e espera o seu regresso, esperando simplesmente que respeitem e defendam a terra que os viu nascer e formou-os com amor.

Não estou falando, claro, daqueles que venderam suas almas ao diabo, lucrando com a dor do povo cubano em patéticos espetáculos macarthistas. Estou falando daqueles que, vivendo em qualquer parte do mundo, mantêm o amor pelo seu país de origem e o desejo de que ele progrida, apesar das montanhas de obstáculos que a relação com Cuba representa para eles por vários motivos e não motivos .

Nós que resistimos e construímos aqui contamos com os cubanos que não se envergonham de suas origens para ajudar a sustentar a nação.

O socialismo é o que há de mais próximo da juventude, porque não é uma obra acabada, faz-se todos os dias e a energia e a ambição natural dos jovens são fundamentais nesta obra.

Mas por que a Revolução? Por que socialismo? Às vezes vemos isso como o fim, o objetivo. A Revolução é o meio, é o caminho para alcançar para todos o mais alto grau possível de justiça social e felicidade.

Isto não se consegue noutros sistemas, onde o bem-estar está associado à opulência, onde uns têm muito pouco ou praticamente nada porque outros se apropriam da maior parte da riqueza criada por quem tem menos.

O projeto de país que propusemos visa encontrar uma melhor sinergia, diferente da de outros modelos, que conduza a níveis mais elevados de equidade e realização, tanto individual como coletivamente, que tenha a chancela dos valores que partilhamos como entidade sociedade e que também incorpora sustentabilidade e prosperidade. Num contexto tão adverso como aquele em que temos de viver, tal ideia pode soar muito ambiciosa.

Mas é sempre difícil empreender algo novo, principalmente quando se trata de construir um paradigma diferente de sociedade. Existem poucas referências para comparar, ou aquelas que são úteis em algum sentido, mas em outros carecem de compatibilidade por razões culturais ou axiológicas. O fato de ser difícil não pode nos levar a pensar que se pode renunciar. Nossa história está cheia de impossíveis. É tradição superar desafios; quanto mais e mais velhos eles são, mais ímpeto e ansiedade para superá-los. Temos que saber que podemos e que devemos alcançá-lo! (Aplausos.)

Não foi um milagre que nos trouxe a este momento da história. Foi uma Revolução que começou em 1868, lutando quase sem armas contra o mais poderoso império de seu tempo, para obter a independência, a soberania e o fim da escravidão.

Foi a luta de um homem pequeno, doente e pobre, mas iluminado pelas ideias humanistas universais, para unir todas as gerações que não conseguiram realizar aqueles sonhos.

Foram outros homens e mulheres que sofreram a frustração daqueles desejos e deram continuidade à luta, então contra a nova dependência e outro grande império.

E foi uma geração herdeira de todas as que a precederam que resumiu o legado em um desejo libertário que finalmente conquistou a independência e a soberania com as armas. E na posse definitiva dessas conquistas, propôs e conseguiu erguer uma nação livre, respeitada e admirada no resto do mundo pela sua dignidade, pela sua voz própria, pela sua solidariedade para com todas as causas justas e pela educação e talento dos seus filhos.

É, em suma, um povo heróico que nunca se cansou de lutar e cujo heroísmo deu origem a dirigentes que, quase dois séculos depois, continuam a inspirá-lo. Herdeiros de todos e elo entre todas as gerações, Martí e Fidel surgem como símbolos dessa extraordinária riqueza nacional.

A Raúl, líder da Revolução Cubana, continuador das tradições de luta e guia de nós que assumimos as mais altas responsabilidades do país, obrigado pelo apoio e confiança que nunca iremos desiludir!

A Cuba, ao povo cubano, nosso reconhecimento por sua coragem, por sua dignidade, por sua fidelidade como protagonista principal de mais um abril de vitórias!

Pessoas queridas às quais tenho orgulho de pertencer, recebam o respeito, a admiração e o imenso carinho daqueles que sempre se sentem em dívida. Hoje ratifico que vos servirei com paixão, empenho, sem reticências, até às últimas consequências!

Camaradas e camaradas, vocês o disseram: a unidade e a vitória são a esperança, a unidade e a vitória são o presente e o futuro da pátria e do socialismo!

Pátria ou Morte!

Venceremos!

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.