Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Futebol

Como o imperialismo usa a Argentina para sabotar o Brasil

Exaltação do título conquistado pelos argentinos tem sido usada em grande escala para rebaixar a importância e a qualidade do futebol brasileiro e do próprio Brasil.


A vitória da Argentina sobre a França na final da Copa do Catar vem servindo de mote para uma campanha de desvalorização do futebol brasileiro e da sociedade brasileira como um todo. A eliminação da Seleção Brasileira já havia ajudado a expor que uma parte expressiva dos jornalistas esportivos da burguesia já estava torcendo para nosso maior rival no futebol, mas o resultado do último domingo levou a coisa para um novo patamar.

Estimulada pela imprensa imperialista, os papagaios da imprensa golpista nacional passaram a avacalhar sem qualquer pudor a história do esporte que é uma paixão nacional, além de ser o mais popular do mundo. De repente, a Argentina não apenas superou o Brasil no futebol, mas em todo o resto: melhor torcida, seus jogadores são melhores pessoas, seu povo é mais unido. Enquanto os pobres do mundo inteiro torciam pelo Brasil, jornalistas vendidos atacavam o melhor futebol do mundo para exaltar bovinamente a seleção rival.

Foram repetidas nas redes sociais algumas notícias e fatos farsescos, ou como a burguesia rebatizou, “fake news”. Uma delas mostrava o que seria uma citação do camisa 10 argentino, Lionel Messi, onde ele condenava o consumo da tal “carne de ouro” enquanto o povo passava fome. Gente de esquerda e de direita compartilhou sem o mínimo de preocupação com a verificação factual do que seria uma provocação gratuita do argentino a Neymar, com quem tem uma amizade há anos.

Jornalistas chegaram a associar a derrota brasileira a elementos da cultura popular do país, presentes na juventude das periferias dos grandes centros urbanos, como a pintura no cabelo e as dancinhas dos jogadores da Seleção. Talvez sem se dar conta que estavam criticando os jogadores justamente pelo vínculo cultural que eles mantém com o povo do próprio país, ou talvez justamente por isso.

A burguesia odeia o povo, os jornalistas pequeno-burgueses nem o conhecem. Um exemplo de reação a essa hipocrisia toda foi uma postagem do rapper paulistano Rappin’ Hood, que escreveu “Quem me chama de Macaquito não é meu amigo. Pokas!” acompanhado pela figura de uma mão negra mostrando o dedo do meio. Os jornalistas da Globo, da Folha de São Paulo e etc, não se incomodam com o fato de que a rivalidade no futebol entre Brasil e Argentina é regada a racismo da parte do país menos sul-americano do subcontinente. Mas o povo se incomoda bastante.

A seleção Argentina nunca será a seleção do coração dos oprimidos do mundo, nem se tivessem cinco Copas como nós temos. Talvez nem se tivessem negros no time. A Argentina não tem a importância do Brasil nem na política e muito menos no futebol. Mesmo sendo um país oprimido importante no contexto latino-americano, a Argentina não é um Brasil, por isso mesmo o imperialismo não impôs grandes obstáculos na sua trajetória na Copa. De quebra, ainda ganham uma carta para jogar para baixo a moral da Seleção que mais assusta os gringos.

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.