Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Carta para o Brasil do Amanhã

O Lula de 2022 não é o Lula de 2002

Escrever uma carta conciliadora não faz de Lula o candidato dos banqueiros e do imperialismo como afirma a corrente do PSOL, Esquerda Marxista


A corrente interna do PSOL, Esquerda Marxista, publicou artigo no último dia 28 de outubro, um pouco antes do resultado final das eleições para deixar muito claro que apoiou Lula a contragosto. Apoiaram Lula, dizem seus membros, apenas para colocar um fim no governo Bolsonaro, mas, ainda segundo eles, “é direito e dever dos revolucionários apontar suas críticas à candidatura de Lula, em particular à linha de alianças com a burguesia.”

É fato que os revolucionários têm o dever de criticar uma política errada qualquer que seja. Não há problemas, pelo contrário, em criticar a aliança com Alckmin, as coligações com partidos burgueses e um programa direitista.

Mas para a Esquerda Marxista não se trata de uma simples crítica. Para eles, Lula seria um candidato do imperialismo, “do mercado”. Falam isso usando como gancho a “Carta para o Brasil do Amanhã”, divulgada pela campanha de Lula pouco antes do fim da eleição. Para fundamentar sua acusação, comparam tal carta à “Carta ao povo brasileiro”, divulgada por Lula em 2002 e que representava uma declaração de boas intenções ao mercado financeiro e ao imperialismo.

Mas será mesmo, como diz a Esquerda Marxista, que estamos diante de fenômenos iguais?

A própria Esquerda Marxista começa explicando essa questão: “Na carta de 20 anos atrás, Lula se comprometia com ‘reformas estruturais’, incluindo a ‘reforma tributária’, ‘reforma previdenciária’ e ‘reforma trabalhista’ que, como sabemos, são as contrarreformas de interesse dos capitalistas, além do compromisso com o superávit fiscal primário, ou seja, um claro sinal ao ‘mercado’ de que priorizaria o pagamento da fraudulenta dívida pública”.

É um fato incontestável que a Carta de 2002 era o sinal ao imperialismo de que poderia não apenas confiar no futuro governo do PT, como que esse governo se comprometia a colocar em prática a política exigida pelo imperialismo. Como bem diz a Esquerda Marxista, as reformas, como a da Previdência e Trabalhista, que de fato foram feitas pelo governo Lula.

A Carta de 2002 ainda afirma que:

“Premissa dessa transição será naturalmente o respeito aos contratos e obrigações do país. As recentes turbulências do mercado financeiro devem ser compreendidas nesse contexto de fragilidade do atual modelo e de clamor popular pela sua superação.”

Mais à frente, na tentativa de provar que a carta atual tem o mesmo teor, o artigo da Esquerda Marxista acaba provando o oposto:

“Na nova carta existem belas palavras, ‘democracia’, ‘liberdade’, ‘desenvolvimento sustentável’, ‘esperança’ etc. Mas, no fundo, seu cerne, é mais uma vez o compromisso de que um novo governo Lula respeitará os interesses fundamentais do capital. Curioso é que uma carta dessas ainda seja necessária para acalmar o mercado após 13 anos de governo do PT servindo aos interesses da burguesia, além de ter Geraldo Alckmin como vice. Mas Lula quis dar um sinal a mais.”

Segundo a Esquerda Marxista, enquanto aponta na primeira carta as intenções bem concretas – fazer as reformas, respeitar os contratos internacionais etc -, na carta deste ano o artigo limita-se à acusação de que “no fundo” há um compromisso de que um novo governo Lula respeitará os interesses do capital.

No fim das contas, é uma crítica sobre o que a Esquerda Marxista pensa sobre a carta e as intenções do futuro governo Lula, não uma análise sobre os fatos. Por isso, o artigo descreve espantado que uma carta foi necessária mesmo com Alckmin de vice e com a experiência de 13 anos de governo do PT.

O espanto revela a incapacidade da Esquerda Marxista em analisar a situação política. Deveria ser óbvio que Lula e o PT não são de confiança do Mercado Financeiro e do imperialismo. Independentemente do que foram os anos de governo petista, independentemente da política de conciliação de Lula e do PT e independentemente da presença de Alckmin, a Esquerda Marxista se esquece que em 2016 a burguesia deu um golpe de Estado contra esse mesmo governo do PT. Se esquece que em 2018, essa burguesia prendeu Lula para que ele não voltasse à presidência.

Então, qual o espanto? O espanto está na incompreensão do que acontece no País. Lula não é o candidato do imperialismo nem do Mercado financeiro, mesmo com cartas, com alianças, com Alckmins. E é esse fato inclusive o mais importante a ser levado em conta na hora de comparar as cartas.

A Carta de 2002 era uma exigência do próprio Mercado e do imperialismo que já tinham acordado a aceitar a vitória de Lula. A carta de 2022 é apenas uma tentativa conciliadora em um cenário em que a burguesia aceita, a contragosto, uma vitória de Lula, que naquele momento ainda nem era certa.

A política conciliadora de Lula não o transforma em candidato dos banqueiros. Do mesmo jeito que a presença de Temer como vice de Dilma não impediu o golpe, a presença de Alckmin não transforma Lula em candidato do imperialismo. Da mesma maneira, uma carta de 2022 não é a mesma carta de 2002.

Nesse sentido, a principal tarefa dos revolucionários é levantar as reivindicações dos trabalhadores e do povo. Criticar Lula sem mostrar essa caminho, colocando-o como um elemento da direita, vai lançar a esquerda rapidamente a uma posição golpista.

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.