Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Desde que seja uma luta real

Contra o imperialismo, não importa a cor

Crimes contra a soberania nacional: a impunidade do imperialismo que na terra come a natureza e no céu a camada de ozônio, e usa a demagogia ambiental contra os oprimidos


Ecoa ainda nos dias de hoje o provérbio O vivo vive do bobo e o bobo de seu trabalho. De resto, já ninguém diz, porque ninguém acreditaria, trabalha e prosperarás. (E.Galeano)

Depois da Segunda Guerra Mundial houve uma modificação nas formas que havia de imperialismo, passou-se de uma multiplicidade de polos imperialistas em permanente conflito por um imperialismo coletivo e relativamente unificado, que é o conjunto dos centros do sistema capitalista mundial, ou seja a Tríade Estados Unidos, Europa (ocidental e central), e o Japão, com a dominação destes pelos Estados Unidos, e cada fase dessa dominação é entendida levando em conta as relações entre esse imperialismo coletivo.

Uma parte da burguesia tenta criar uma nuvem de fumaça escondendo o poderio do imperialismo norte-americano na opressão das nações que tentam fazer suas revoluções necessárias ao desenvolvimento, na prática os Estados Unidos adotam várias ações pontuais em diversas regiões atacando as iniciativas dos povos de conseguir iniciar seu desenvolvimento, e usa as oportunidades mais vis para alcançar esse objetivo. O que é avalizado pelos monopólios de imprensa burguesa espalhados pelo mundo e centralizado na burguesia financeira americana.

Shell e Chevron perfuraram grande parte da bacia do Niger e destruíram todo o delta do Rio

Os Estados Unidos e a Inglaterra destruíram o delta do Rio Níger agora querem destruir a Bacia do Rio Amazonas

As recentes ondas progressistas e direcionamento das massas à esquerda que foram possíveis graças à instabilidade e, mesmo, crise terminal, que está em andamento na dominação do imperialismo americano, que a crise que ocorre é porque os que estão em cima não conseguem dominar como antes. A crise atual na Ucrânia, sintoma da derrocada da dominação norte-americana, por exemplo, mostra essa análise como incontestável, embora o legado deixado pelo imperialismo nos seus protetorados e colônias ainda vai consumir algumas vidas até se extinguir. 

O imperialismo estadunidense deixou várias ilhas de ditadores que estão espalhados e agrupando forças para contra-atacar qualquer fagulha de revolução, recentemente o investimento norte-americano se concentra nos Think Tanks formadores de “intelectuais” que são treinados para atacar lideranças políticas progressistas e partidos de esquerda. Os Estados Unidos, que hoje usam o identitarismo para tentar se apropriar “pacificamente” da Amazônia, na década de 1990, através de duas de suas empresas petroleiras, Shell (subsidiária americana da inglesa Royal Dutch Shell e Chevron), destruíram o delta do rio Níger, o que dá uma pista do que seria feito com a Amazônia.

Nativo do povo Ogoni, protestando contra EUA e Inglaterra

O escritor Ken Saro-Wiwa, pertencente ao povo ogoni da Nigéria, denunciou: 

“O que a Shell e a Chevron fizeram ao povo ogoni, às suas terras e aos seus rios, aos seus córregos, à sua atmosfera, chega às raias do genocídio. A alma do povo ogoni está morrendo e eu sou sua testemunha.”

Nos primeiros meses de 1995, o gerente geral da Shell na Nigéria, Naemeka Achebe, justificou assim seu apoio a uma ditadura militar ferrenha no país: 

“Para uma empresa comercial que se propõe a fazer investimentos, é necessário um ambiente de estabilidade (…) As ditaduras oferecem isso.”

Alguns meses depois, a ditadura do regime sanguinário do general Sani Abacha  que se instalou na Nigéria, apoiada pelo imperialismo americano, enforcou Ken–Saro-Wiwa. O general executava os cidadãos, em média 100 por ano, através de fuzilamento ou enforcamentos que viravam espetáculos públicos. O imperialismo americano fornecia, na época, armas aos militares e aos grupos étnicos que lutavam entre si. Algo parecido com o que fazem atualmente no Iêmen. O escritor e mais oito ogonis foram executados pelos militares apoiados pelo governo americano na região, e a sentença, culpados por lutar contra as empresas que aniquilaram suas aldeias e transformaram suas terras num vasto ermo. Vários outros ogonis foram assassinados pelo mesmo motivo. Praticamente 100% do petróleo produzido na Nigéria fica com as duas petroleiras americanas.

A morte de Ken–Saro-Wiwa rendeu um livro e algumas matérias distorcendo o motivo de sua morte e a destruição deixada pelas empresas americanas e inglesas e o comércio de armas americanas na região, porém o que é propagado hoje pelos Think Tanks americanos está bem longe do rastro de sangue deixado pelas intervenções americanas com sua geopolítica genocida nas regiões africanas e asiáticas. O que se ensina aos latino-americanos é como uma ode aos americanos, e sua defesa dos povos nativos, da democracia e a preservação do meio ambiente.

Há vários outros genocídios e destruição ambiental promovidos pelos Estados Unidos e sua tríade imperialista, uma verdadeira gangue de extermínio de gente e ambiente. O que resta à classe trabalhadora é se unir contra esse câncer mundial que é o imperialismo comandado pelos Estados Unidos. Não vão se intimidar com ramos de flores muito menos com discursos de amor. A classe trabalhadora unida é a única que tem força para destruir na base a força do imperialismo. As organizações de esquerda precisam enxergar além do que está sendo mostrado pelas instituições financiadas pelo imperialismo norte-americano.

O plano do imperialismo para a classe trabalhadora é a miséria e a desapropriação. O aumento do desemprego multiplica a delinquência e os salários achatados a estimulam. E o que faz a burguesia financeira americana? estimula e arma os rivais contra eles mesmos nas regiões onde ela aparece decretando a paz e a democracia.

O PCO chama com urgência a união de todas as frentes de trabalhadores, movimentos sindicais e sociais e todos os que defendem a independência do Brasil e se colocam contra a dominação imperialista a que unam forças contra o inimigo comum que se esconde atrás de bancos e instituições de promoção de cultura, de paz e tratados de defesa. Esse inimigo tem nome, o imperialismo norte-americano. O imperialismo se prepara com uma campanha para tomar a Amazônia do povo brasileiro. É urgente se levantar contra essa tentativa, chamamos a todos os setores anti-imperialistas que se unam com o PCO, Partido da Causa Operária, no mesmo propósito, destruir pela raiz essa tentativa de roubar parte do território brasileiro bem como dos países latinos que têm em seus territórios parte da região amazônica. E que todos os setores da esquerda que sejam submissos ao imperialismo americano que o deixem de ser ou sejam reconhecidos como inimigos da classe trabalhadora.

Questão central: temos que ter absoluta consciência de que a defesa desse programa está ligada a duas coisas: nós defendemos esse programa para agrupar em torno desse programa uma vanguarda revolucionária, quer dizer, militantes conscientes que levem adiante essa luta de modo total e completo consciente, precisamos criar uma organização que seja uma força material, somos uma força que influencia a situação política nacional, é um dado. (R.C.Pimenta)

#EstouComOPCO #PCO #RuiCostaPimenta
O marxismo e as eleições – Marxismo, com Rui Costa Pimenta nº 57 – 12/09/22

COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.