Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Apoio velado à Rússia

Encontro do G20 tem Rússia e China ausentes, e OTAN enfraquecida

Sentindo a derrota, a Ucrânia criticou a falta de uma declaração conjunta da cúpula contra a invasão russa, assim como o que chamou de "golpe" do Grupo

A cúpula de dois dias do G20 começou neste sábado (9), na cidade de Nova Délhi, na Índia. A reunião contará com a presença de todos os membros do grupo, que representam cerca de 90% do PIB global. Os convites foram estendidos a nove outras nações, incluindo Bangladesh, Egito, Maurício, Holanda, Nigéria, Omã, Cingapura, Espanha e Emirados Árabes Unidos. Os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e da China, Xi Jinping, não participarão da reunião, assim como o ucraniano Volodymyr Zelensky.

Sob a influência do imperialismo, o tema do encontro foi “Uma Terra, uma Família, um Futuro”, com os debates centrados em questões como mudanças climáticas, crescimento sustentável, igualdade de gênero e o conflito na Ucrânia. Apesar dos temas e da ausência de Rússia e China indicarem uma monopolização da reunião, um dos objetivos dos EUA e das nações desenvolvidas era que o bloco adotasse a política imperialista em relação à ofensiva russa contra a OTAN na Ucrânia, o que não aconteceu.

Segundo a agência Reuters, o parágrafo especial da declaração conjunta dedicado à “Situação geopolítica” permaneceu em branco, enquanto todos os outros parágrafos que abrangem tópicos que vão da dívida global e criptomoedas às mudanças climáticas foram devidamente preenchidos (“G20 draft declaration leaves paragraph on Ukraine blank”, Shivangi Acharya, Sarita Chaganti Singh, Nikunj Ohri, 8/9/2023). “Os negociadores do G20 não conseguiram resolver os desacordos sobre a redação da declaração da cúpula sobre a guerra na Ucrânia na sexta-feira, de acordo com um rascunho obtido pela Reuters, deixando qualquer possível avanço para os líderes do bloco durante a reunião de dois dias”, informa a matéria supracitada.

Expressando de maneira mais contundente o golpe, a Ucrânia criticou a falta de uma declaração conjunta cúpula contra a invasão russa, argumentando que os membros do G20 “não tem nada do que se orgulhar” a respeito dos termos que o documento reservou ao conflito no país. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores ucraniano, Oleg Nikolenko, lamentou que a Ucrânia não participasse da redação da declaração e considerou um golpe a manobra alegada pelos membros de declarar “nada sobre a Ucrânia sem a Ucrânia”.

Representando diretamente o imperialismo, encontravam-se os presidentes, Joe Biden dos EUA, o chanceler alemão Olaf Scholz, o presidente francês Emmanuel Macron, o primeiro-ministro britânico Rishi Sunak, e primeiro-ministro japonês Fumio Kishida. A reunião está prevista para se encerrar neste domingo (10), mas já traz conclusões importantes sobre os rumos da política mundial.

O imperialismo segue incapaz de dobrar as nações atrasadas aos seus interesses. Não conseguiu isolar a Rússia desde o início do conflito no Leste Europeu, em fevereiro do ano passado, e menos força ainda demonstra agora, no momento em que a dificuldade para disciplinar a África torna flagrante a fraqueza da ditadura global. Aliado à falta de coesão política para aventuras militares, a crise econômica que se alastra pelo bloco dominante os coloca em uma posição de grande debilidade, em proporções inéditas desde o fim da Segunda Grande Guerra.

Inevitavelmente, a crise em andamento no cenário global será refletida no interior das nações, levando a uma radicalização da luta de classes também nos países. Isto abre possibilidades importantes para o conjunto da classe operária mundial, que, tal como as nações atrasadas, devem impulsionar uma ampla mobilização para enfrentar seus opressores.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.