Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Assédio moral

BB cria mais uma ferramenta para oprimir os trabalhadores

#jogajunto, do Banco do Brasil, se trata de mais uma ferramenta utilizada pelo banco como instrumento de controle de produtividade

O Coletivo dos trabalhadores do Banco Brasil, uma instância que é parte da estrutura do Sindicato dos Bancários de Brasília, deliberou para o próximo dia 11 de setembro uma manifestação na Praça do Cebolão, tradicional local das reuniões, assembleias, atos, etc. dos bancários da cidade, contra mais uma medida da direção da instituição que visa estabelecer mais um instrumento de pressão sobre os trabalhadores para que aumentem a sua produtividade para o atingimento de metas de vendas de produtos bancários.

Trata-se do “#jogajuntoBB”, cujo o objetivo é de criar dispositivos de reconhecimento como indicador de desempenho. Entre esses objetivos destacam-se: “impulsionar os funcionários a níveis mais altos de desempenho no trabalho” e “buscar o engajamento de forma que os funcionários se identifiquem e se sintam reconhecidos”. Para os trabalhadores, esse dispositivo, que agora o banco introduz nos setores administrativos e de tecnologia, se trata de mais uma ferramenta utilizada pelo banco como instrumento de controle de produtividade.

Para a direção do BB o “Joga Junto” é uma plataforma para “trazer objetividade ao PDG (Plano de Gratificação Financeira) de forma lúdica e espontânea”. A atual direção do banco quer, através de uma “nova” forma (um “jogo” ou jeito “lúdico”) que os seus funcionários sejam pressionados a cumprir metas.

Porém, o instrumento de avaliação de desempenho foi criado imediatamente após um programa de reestruturação de cargos e salários, quando a direção do banco estava sob o comando do governo Bolsonaro, que teve como uma das suas características de sua política a implementação de diferenças salariais entre pessoas que exercem a mesma função. Essa medida evidenciava, naquele período, mais um passo para pavimentação da privatização do banco.

Os dados de problemas de saúde dos trabalhadores do BB como consequência da atividade laboral são realmente alarmantes. O assédio moral dos chefes para que os funcionários cumpram metas de venda de produtos e a sobrecarga de trabalho em decorrência da falta de funcionários são os principais responsáveis pelas doenças mentais e de comportamento dos bancários no último período.

O assédio moral nas relações de trabalho, ou seja, a exposição dos trabalhadores a situações humilhantes e constrangedoras dos chefetes de plantão, as cobranças de metas para garantir os lucros bilionários, o terror do descomissionamento e das demissões, bem como, a sobrecarga de trabalho, o desrespeito aos direitos do trabalhado, enfim, um implacável sistema de opressão no trabalho debilita e afeta – muita das vezes profundamente e de forma irreversível – a saúde mental da categoria cuja condições de trabalho já foram precarizadas.

Da mesma forma que os trabalhadores do BB estão sendo atacados, em consequência da política dos banqueiros, os demais bancários sofrem na pele o mesmo problema. Por isso, todo esse ataque que contra a categoria somente poderá ser revertido através das lutas dos trabalhadores bancários em seu conjunto.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.