Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Guerra

Russos do Donbass em perigo de limpeza étnica pela Ucrânia

Caso a Ucrânia vença a guerra, cometerá crimes contra o povo do Donbass, assim como faz desde 2014

Nove anos atrás, cerca de oito milhões e meio de pessoas viviam no Donbass e na Crimeia, segundo estatísticas ucranianas. A maioria deles falava russo como língua nativa. Muitos deles identificados como russos étnicos. Todos eles são agora considerados por Moscou como cidadãos russos. Assim, se o regime apoiado pela OTAN em Kiev reconquistar essas regiões, então há temores de que a retribuição contra os habitantes locais possa ser implacável e sangrenta.

À primeira vista, o conflito que se desenrolou em Donbass e na Crimeia a partir de 2014 parece ser um caso clássico de separatismo. Uma minoria étnica – os russos, neste caso – quer ser independente e se reunir com a Pátria da qual foi isolada décadas atrás, quando os líderes soviéticos traçaram fronteiras arbitrárias.

Kiev quer erradicar a identidade cultural e a autonomia política dessa minoria étnica. Portanto, os membros da minoria se rebelam. Bastante direto. Não é?

A questão, porém, é muito mais complicada devido ao confronto geopolítico entre a OTAN e a Rússia. Por oito anos, Donbass e Crimeia foram peças no tabuleiro de xadrez da rivalidade das superpotências e agora estão na linha de frente do conflito mais devastador da Europa desde as guerras dos Bálcãs nos anos 1990.

Quando a OTAN e o regime de Kiev falam em “libertar” a Crimeia e o Donbass, o que eles realmente querem dizer é que estão determinados a erradicar a identidade étnica da população russa local e enfraquecer, se não destruir, a Federação Russa.

Rubicão cruzado

Os oficiais da OTAN e de Kiev estão obcecados em assumir o controle total dessas regiões disputadas, e não há limite para o sangue e o tesouro que estão dispostos a sacrificar por esse objetivo. No entanto, totalmente ausentes de seus planos estão os detalhes sobre o que acontecerá com a população russa local em caso de vitória.

Mais de um milhão de pessoas no Donbass solicitaram e receberam a cidadania russa entre 2019 e o momento em que as áreas se tornaram parte da Rússia em 2022, porque é um país ao qual essas pessoas estão ligadas por sangue, língua e cultura. Depois que as regiões (coletivamente apelidadas de “novos territórios russos” ) se juntaram à Rússia, todos os seus habitantes se tornaram cidadãos russos do ponto de vista de Moscou. Eles podem optar por sair e não são obrigados a renunciar à cidadania ucraniana.

De acordo com a lei internacional, Moscou tem o direito de proteger seus cidadãos, não importa onde eles estejam. De acordo com a narrativa da imprensa ocidental, no entanto, o conflito na Ucrânia começou em 24 de fevereiro de 2022, quando a Rússia “invadiu” a Ucrânia em um esforço para “destruir” o país e “reconstruir o Império Soviético”.

A realidade, claro, é bem diferente. Aqui está um breve resumo de como o conflito realmente começou, quase nove anos atrás.

Em 21 de fevereiro de 2014, com o apoio dos Estados Unidos, uma violenta insurreição em Kiev derrubou o presidente eleito democraticamente Victor Yanukovich, que é de Donbass. Não surpreendentemente, seus apoiadores no leste e sul da Ucrânia resistiram ao novo regime apoiado pelos EUA em Kiev.

Enquanto a Ucrânia desmoronava na anarquia na primavera de 2014, a Crimeia realizou um referendo e rapidamente se reintegrou à Rússia. As duas regiões de Donbass – Donetsk e Lugansk – logo declararam sua independência de Kiev. A República Popular de Donetsk e a República Popular de Lugansk nasceram, mas não se juntaram à Rússia na época.

Kiev respondeu bombardeando Donbass, prendendo “separatistas” e lançando uma “Operação Antiterrorista”. Em 2 de maio de 2014, cerca de 50 manifestantes pró-Rússia foram queimados vivos dentro da Casa dos Sindicatos em Odessa. O Rubicão havia sido atravessado. Em 2014-15, mais de um milhão de ucranianos fugiram para a Rússia.

Cancelando russos étnicos

Enquanto a OTAN e Kiev falam sobre “democracia” e “liberdade”, eles falham em aplicar esses conceitos aos cidadãos russos na Crimeia e nos novos territórios, que se tornaram parte da Rússia em setembro após a realização de referendos sobre a questão.

Hoje, Kiev e a OTAN insistem que estão lutando contra a “Rússia totalitária” para proteger a “ordem baseada em regras”. No entanto, a OTAN se recusa a reconhecer os resultados do referendo. E os jornalistas ocidentais – muitas vezes reportando de Washington, Londres e Kiev – inventaram uma narrativa bizarra e falsa de que as pessoas nessas regiões são mantidas em cativeiro, vivendo sob uma ocupação russa ‘brutal’.

O direito à autodeterminação é um princípio fundamental do direito internacional, consagrado na Carta das Nações Unidas. O conceito foi adotado pelo presidente dos Estados Unidos, Woodrow Wilson, para justificar a entrada na Primeira Guerra Mundial. Os Estados Unidos lutaram para “tornar o mundo seguro para a democracia” e para libertar as nações européias – poloneses, tchecos e sérvios – do domínio austríaco e alemão.

Por que o povo da Crimeia e dos novos territórios russos também não podem desfrutar desses direitos? Apesar da desinformação espalhada pela imprensa ocidental, os líderes da OTAN estão bem cientes de sua própria hipocrisia. Então, o que fazer quando os elevados princípios americanos colidem com as ambições geopolíticas de Washington? Alterar os fatos para caber na narrativa!

O Ocidente cancelou efetivamente os russos da Crimeia e do Donbass. Voilá! Todos os residentes nessas regiões são automaticamente ‘ucranianos’ – não há necessidade de perguntar o que pensam, que língua falam ou como se identificam etnicamente. Na reportagem ocidental, esse assunto é encoberto, e não porque a Ucrânia moderna seja acolhedora para pessoas de qualquer origem étnica ou linguística. É o oposto – o objetivo do regime de Kiev é um estado ucraniano purificado, onde todos falam ucraniano e abraçam a identidade nacional. Não há espaço para outras etnias (ou pelo menos não há espaço para uma outra etnia odiada) em sua visão para a Ucrânia.

Limpeza étnica no horizonte?

Isso nos leva ao dilema principal – se Kiev e a OTAN vencerem, o que acontecerá com os russos que vivem nas regiões que eles terão ‘libertado’? Esta é a pergunta que fiz a ex-funcionários e especialistas do governo dos Estados Unidos. Mas ninguém respondia. Então eu procurei online. Da mesma forma, nada. Nenhuma informação detalhada sobre o plano pós-guerra de Kiev. O silêncio deles é sinistro.

Portanto, vejamos o que já aconteceu nos territórios ‘libertados’ pelas Forças Armadas Ucranianas (UAF) nos últimos nove meses. A retribuição contra moradores pró-Rússia nas regiões de Kharkov e Kherson foi rápida e furiosa, com ‘medidas de filtragem’ usadas para prender e punir ‘colaboradores’, supostamente incluindo execuções extrajudiciais .

Além disso, podemos ver como diariamente a UAF bombardeia indiscriminadamente e aterroriza centros civis em Donbass, causando horríveis baixas civis .

Deixe esse pensamento penetrar – Kiev considera essas pessoas como suas (já que não reconhece as regiões de Donbass como russas). No entanto, bombardeia-os impiedosamente todos os dias. Quanto maior será o massacre se a UAF ‘libertar’ o Donbass e a Crimeia da ‘ocupação russa’?

Acabando com a liberdade de expressão

Nos últimos 25 anos, o mundo viu muitos casos de separatismo. Os mais proeminentes entre eles são Cosovo e Sudão do Sul. Ambos desfrutaram do apoio ocidental e, portanto, suas ambições foram bem-sucedidas.

No entanto, muitos outros grupos que anseiam por independência são ignorados pelas potências ocidentais. Fatos claros e indiscutíveis sobre o sentimento pró-russo entre o povo do Donbass e da Crimeia são rejeitados pelo Ocidente como “propaganda russa”. Qualquer um que se atreva a questionar e duvidar da narrativa da OTAN é difamado como um “ fantoche de Putin”.

O objetivo de tais xingamentos maliciosos é encerrar o pensamento e o debate livres. Os crimes são melhor cometidos em silêncio, longe da luz da verdade e da transparência. A censura é o refúgio de bandidos e vilões cujas visões e ideias são incapazes de resistir ao escrutínio intelectual e à investigação.

É por isso que ninguém na OTAN e em Kiev quer uma discussão honesta sobre o futuro da Crimeia e dos novos territórios russos e das pessoas que vivem lá.

Podemos ter certeza – uma vitória de Kiev significa que inúmeros moradores locais terão que fugir de suas casas e milhares serão declarados ‘colaboradores’ e sujeitos a todos os tipos de punição, provavelmente até incluindo execuções. Os russos e outras minorias étnicas não são bem-vindos em um Estado ucraniano nacionalista radical que busca se livrar da influência russa.

Bem-vindo à “ordem baseada em regras” da OTAN.

Fonte: John Varoli para a RT

* Os artigos aqui reproduzidos não expressam necessariamente a opinião deste Diário

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.