Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Antônio Vicente Pietroforte

Professor Titular da USP (Universidade de São Paulo). Possui graduação em Letras pela Universidade de São Paulo (1989), mestrado em Linguística pela Universidade de São Paulo (1997) e doutorado em Linguística pela Universidade de São Paulo (2001).

Língua portuguesa

A correção gramatical

A norma culta gramatical, evidentemente, não dá conta da variedade linguística, entretanto, ela garante a unidade nacional e política do idioma


Uma das posturas mais desagradáveis, talvez, seja a de corrigir a gramática das pessoas. Primeiro, porque a fala é algo particular, nela entoamos nossas paixões, nossos receios; mesmo quando tentamos esconder nossas intenções em nossos discursos, na hora de falar a voz alegra-se, treme, recua silenciosamente. Intrometer-se com regras gramaticais na fala do outro pode soar agressivamente, por isso reagimos tão mal às correções alheias. Quando um professor de português nos corrige em algum deslize, logo pensamos: ele não está prestando atenção em mim, naquilo que digo… ele está apenas patrulhando a minha gramática.

Além do mais, as normas gramaticais, mesmo encontrando justificativas em suas elaborações, estão longe de dar conta de toda a variedade linguística. As línguas não podem ser reduzidas a gramáticas e dicionários, elas são fenômenos sociais complexos; não é novidade para a sociolinguística e para a semiótica o quanto as normas gramaticais cultas e a elaboração dos dicionários não possuem a neutralidade ideológica pretendida. Torna-se difícil, portanto, corrigir as pessoas de erros discutíveis. Já em 1909, Lima Barreto satirizava os gramáticos nas Recordações do escrivão Isaías Caminha; vale lembrar da personagem o gramático Lobo, um revisor de imprensa cujo destino é o hospício, pois seu fanatismo por regras gramaticais, a maioria delas inventada por ele mesmo, o levou à loucura. Quantos gramáticos Lobos ainda veremos passear por aí?… nas televisões, nos rádios, nas escolas!…

O que fazer, então, quando não se pretende nem agredir a fala alheia, nem escorregar no ridículo dos gramáticos malucos? Antes de tudo, não se trata de corrigir a fala, mas sim a textualização da língua quando escrita, discutindo, para mais, a questão da correção gramatical enquanto uma questão política.

Na oralidade, quando usamos a língua para falar e não para escrever, raramente há planejamentos anteriores daquilo a ser dito, dizemos tudo na hora, ao sabor do momento. No diálogo sempre há o outro a colocar suas ideias e argumentos; semelhantemente aos jogos, lida-se na fala com o imprevisível. Quando escrevemos, o texto escrito deve falar por nós em nossa ausência e para qualquer um que saiba ler e escrever em determinada língua, por isso há a necessidade de normatizar um código não somente ortográfico, mas também gramatical. Quando falamos, nossas frases são curtas e sempre há tempo de organizar as ideias durante o diálogo; quando escrevemos, porém, dividimos nossa argumentação em tópicos. Assim, distribuímos nossas ideias em orações, períodos e, quando necessário, em capítulos. Deve-se conhecer adequadamente a língua para fazer tudo isso bem, justamente, porque é necessário levar em consideração quem vai ler todas essas frases e palavras.

O texto escrito é um documento, ele nos delega uma autoria por meio da qual se expõe o sujeito atrás das letras. Um homem racional deve saber se expressar, organizar seus pensamentos lógica e coerentemente, por isso a gramática, enquanto mecanismo linguístico próprio para realizar isso, deve ser conhecida. Em vez de ser mecanismo de opressão, a gramática participa na construção do arbítrio e da lógica das opiniões; para que todos se entendam, não quanto ao que cada um pensa, mas nos modos de expressar os pensamentos de forma inteligível e na manifestação escrita da língua, deve haver um registro gramatical comum possibilitando esse entendimento e as discussões derivadas dele. Esse é o papel político da gramática; seu ensino significa incluir boa parte das pessoas na cultura partilhada pela mesma sociedade, significa dar à cultura não visões estáticas e conservadoras, mas movimentar a história com a pluralidade dos discursos.

____________
* As opiniões dos colunistas não expressam, necessariamente, as deste Diário.


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.