Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Carla Dórea Bartz

Jornalista, com 30 anos de experiência (boa parte deles em comunicação corporativa). Graduada em Letras e doutora pela USP. Filiou-se ao PCO em 2022.

Filme e política

A atualidade do filme “A Questão Russa”

Filme soviético de 1947 faz um retrato do imperialismo americano e do jornalismo como tema


Recentemente, assisti a um filme russo chamado A Questão Russa (Russkiy vopros, 1947), dirigido por Mikhail Romm para a Mosfilm. Realizado dois anos após o final da II Guerra Mundial dentro da política stalinista para a cultura soviética naqueles tempos, qualquer um que assista a este filme pode pensar que se trata de propaganda.

E não estará errado. Há algo de propaganda nesse filme. Mas, ao mesmo tempo, ele tem contradições que a distância de mais de 70 anos que nos separam de seu lançamento acentua.

O enredo, ambientado em Nova York, conta a história do jornalista Harry Smith ( Vsevolod Aksyonov), enviado a Moscou por seus patrões, donos de uma cadeia de grandes jornais, interessados em fomentar a guerra fria com um material “novo” contra a URSS. A missão de Smith é escrever um livro que mostre aos americanos que a União Soviética é ruim, uma ditadura sanguinária, onde as pessoas vivem muito mal.

Para tanto, os patrões pagam a Smith uma quantia razoável de dinheiro, que permite a ele se casar, dar à esposa uma casa e viver o sonho de classe média. Porém, uma crise de consciência impede o jornalista de ir em frente e ele acaba escrevendo um livro que desagrada totalmente os donos dos jornais.

Como consequência, ele perde cada um dos símbolos de status recém-alcançado, incluindo a esposa. Porém, acaba então se tornando um ativista político dentro dos Estados Unidos. Adaptação da peça teatral do escritor soviético Konstantin Simonov.

O enredo já seria interessante se tivesse sido feito em Hollywood, mas torna-se ainda mais se considerarmos que ele foi todo gravado na União Soviética, com atores soviéticos e em língua russa. Essa representação de americanos por soviéticos já vale o filme.

No entanto, há mais. O enredo desenrola-se mais por diálogos do que pela ação em si, com a crise de consciência do jornalista em primeiro plano. Também é uma representação do poder das empresas de comunicação dos Estados Unidos para criar inimigos em nome de sua “democracia”. Exatamente como percebemos hoje com a questão da guerra na Ucrânia.

Outro ponto a ressaltar é a representação dos americanos na visão russa. Ao contrário do que podemos pensar, o filme não os retrata de maneira estereotipada. Ao contrário, os personagens apresentam várias facetas e ambiguidades, oscilando entre as questões morais apresentadas, sem que o filme caia na fácil polarização entre mocinhos e bandidos.

O objetivo foi mostrar que a União Soviética era um país moderno, com indústrias, trabalho e pessoas comuns que fazem coisas cotidianas em uma sociedade dinâmica. Não o pesadelo comunista que era e é pintado na mídia hegemônica dos Estados Unidos até hoje. Obviamente, isso não impede que as contradições fiquem esquecidas.

Como ferramenta de propaganda, ele não faz a defesa do socialismo como se poderia imaginar (uma contradição evidente). Porém, focado na audiência russa daquele momento, opõe o modo de vida soviético às práticas capitalistas que submetem seus cidadãos a chantagens para conseguir uma vida com algum conforto. A questão de classes é evidente.

De concreto, podemos dizer que o filme – após tantos anos – ainda parece muito atual porque os materiais históricos daquele momento de 1947 ainda são os mesmos que vivenciamos atualmente. O que nos une a este passado é a questão imperialista americana e como ela ainda usa dos mesmos artifícios para se manter.

O filme também revela como o cineasta Mikhail Romm, que foi professor de Andrei Tarkovisky e contemporâneo de Sergei Eisenstein, conseguiu trabalhar com questões complexas, mesmo sob o regime stalinista.

Vale assistir. Questão Russa está disponível no CPC-UMES.

* A coluna não expressa necessariamente a opinião desse jornal

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.