Por quê estou vendo anúncios no DCO?

O bolsonarismo pintado de arco-íris


Passaram as eleições e a esquerda continua completamente desorientada na situação política. A mentalidade de que as instituições burguesas vão salvar o povo e a veneração dessas ilusões parece se aprofundar com Lula vitorioso. A esquerda torceu pelo democrático Judiciário para que ele contivesse o bolsonarismo nas eleições. Defendeu censura, prisões e todo o tipo de arbitrariedade em nome de uma “luta contra o fascismo” que, na verdade, nunca se verificou. Com Lula eleito, essa esquerda está aprofundando suas ilusões nessas instituições.

A corrente interna do PSOL, Resistência, publicou em seu sítio na internet, o Esquerda Online, uma nota assinada por Gloria Trogo com o título:”Pra cima deles! Nenhuma tolerância com os bloqueios de estradas!”. Apenas por aí já ficam claras as intenções da nota. “Nenhuma tolerância”, mas por parte de quem? A autora nos responde:

“É preciso urgente [sic.] a intervenção das instituições. Investigar e punir os envolvidos. Aplicar multas duríssimas às empresas que patrocinaram este episódio e reprimir os bloqueios com o uso da força. A Polícia Rodoviária Federal tem que agir e liberar as rodovias. Não é democrático tolerar a defesa de um golpe.”

A corrente psolista quer a “intervenção das instituições” burguesas contra os caminhoneiros que estão realizando os bloqueios das rodovias. Mas não é qualquer tipo de intervenção, é punição e repressão, incluindo com o uso da força. Também não está falando aqui de qualquer instituição, mas da própria polícia.

De repente, lendo um artigo num jornal de esquerda, o leitor se depara com palavras e argumentos bolsonaristas. “Investigação”, “punição”, “multas”, “repressão”, “uso da força”. Lula nem chegou ao poder e o PSOL menos ainda, mas parece que o poder já subiu à cabeça da dirigente psolista. Assim como a direita, qualquer coisa agora é motivo para reprimir.

Estamos diante de um bolsonarismo sem Bolsonaro. A mentalidade é a mesma, só que pintada de vermelho. Vermelho não, cor-de-rosa. Na verdade, em se tratando de PSOL, pintada com as cores do arco-íris.

Logicamente que para a psolista tudo isso seria justificável: “é preciso enfrentar o golpismo dos caminhoneiros sem nenhuma concessão para mobilizações que questionem o resultado das urnas.” O problema é que os caminhoneiros são golpistas porque “questionam o resultado das urnas”.

Infelizmente nós não estamos na cabeça de cada um dos manifestantes. Impossível saber, portanto, se todos que estão ali defendem um golpe ou algo que o valha, mas podemos dizer com certeza que eles são de direita, que se trata de uma ação reacionária e contrarrevolucionária. Como saber, então, se essas manifestações podem se desenvolver num golpe. Basta olhar para a burguesia e para as forças armadas. Nada!

A burguesia é quase unânime em condenar os protestos, incluindo aí o próprio Bolsonaro. As Forças Armadas estão seguindo exatamente essa orientação da burguesia e dos seus jornais. Aliás, os jornais da imprensa golpista também condenam energicamente os bloqueios. O próprio general Mourão, o vice de Bolsonaro, o homem das “aproximações sucessivas” para o golpe de Estado, está disposto a “colaborar” com a transição, ao menos da boca para fora.

Onde está o golpe? Nesse momento, os personagens principais de um golpe de Estado não parecem se movimentar nesse sentido. Não é por isso que a esquerda e os movimentos populares não devem estar atentos, mas chamar de golpe o que não é golpe só pode ser para o efeito contrário: desarmar o povo para o perigo real de um golpe. E armar os golpistas, como está fazendo o PSOL ao pedir repressão das forças de segurança.

Ao contrário de um golpe iminente, são os golpistas de 2016 que estão reprimindo os protestos nas rodovias. A burguesia golpista incita os governadores a agirem, estes colocam a polícia e a tropa de choque, o STF golpista obriga a Polícia Federal a desobstruir as rodovias. Os jornais golpistas chamam os manifestantes de terroristas, arruaceiros, criminosos. É apenas impressão ou a nota da corrente Resistência tem a mesma posição da burguesia golpista? É exatamente isso. É uma posição escandalosa, mas não causa mais surpresa diante da completa adaptação dessa esquerda às instituições burguesas. Em nome da “democracia”, abandonaram a luta de classes e a luta pelos direitos democráticos mais elementares, como, por exemplo, o direito à manifestação.

Se é assim, ou seja, não há nesse momento um perigo real de golpe ao que tudo indica, o chamado da Resistência à repressão dos bloqueios é uma política direitista, uma política bolsonarista. Se eu não concordo com a manifestação, eu peço para reprimir, essa é a lógica. Bater em quem pensa diferente, que nesse caso são pés-rapados que estão questionando as eleições.

Concordamos com o questionamento de que Lula venceu graças a uma fraude? Absolutamente, não! Se houve uma fraude, ela buscou beneficiar Bolsonaro, como ocorreu com as operações da PRF no dia da votação. Mas isso não significa que os manifestantes não tenham o direito de protestar. Não significa que devemos mandar a milícia estatal, essa, sim, fascista, chamada polícia, para reprimir essas manifestações.

Podemos discordar, mas questionar o resultado de uma eleição é legítimo. Bloquear rodovias é legítimo, mesmo que discordemos do teor político desses atos. Tudo isso é um direito que a esquerda não apenas poderia usar, como usa frequentemente. Será que a autora do artigo nunca participou de um piquete ou de um bloqueio de vias? Fica a suspeita se estamos diante de uma esquerda que de tão pequeno-burguesa abandonou os próprios métodos de luta tradicionais da classe operária.

Mas devemos lembrar. Se hoje chamamos a força estatal para reprimir essas manifestações, se hoje chamamos essas manifestações de terroristas e criminosas, estaremos nós amanhã sofrendo com essa mesma política. Aliás, é preciso dizer que a esquerda sempre foi a vítima da repressão estatal.


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.