Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Pró Cultura

Histeria: o cancelamento de Kanye West

Histéricos cancelam Kanye West por falar bobagem como se isso resolvesse a situação dos oprimidos nos EUA.


– Blog do Pró Cultura

Todo mundo sabe que o rapper Kanye West sempre se envolve em polêmicas cada vez mais absurdas. Recentemente, o artista teve o contrato com a Adidas suspenso ao ser acusado de antissemitismo. Nesta matéria, citaremos algumas das outras falas de Kanye West que renderam o famoso cancelamento.

Principais polêmicas

O rapper, que já considerou a hipótese de concorrer à Presidência dos EUA, teria dito – segundo a TMZ – que adorava “Hitler e o nazismo”. Além disso, teria declarado que a escravidão era uma escolha e que a vacina contra o coronavírus era a marca da besta. “Quando você ouve sobre escravidão durante 400 anos. Durante 400 anos? Isso parece uma escolha”, disse o rapper ao falar sobre a escravidão.

Em relação ao caso de George Floyd, homem morto pela polícia que resultou em diversos protestos nos Estados Unidos, West afirmou que Floyd não morreu asfixiado, mas sim vítima de fentanil (um remédio de uso controlado). O caso gerou um processo movido pela família de Floyd contra Kanye, no qual é reivindicado o equivalente a mais de R$ 1 bilhão.

No entanto, depois, ele chegou a pedir desculpas pelo comentário feito sobre George Floyd – mas de uma maneira muito inusitada. Ele disse: “Então, eu disse isso e questionei a morte de George Floyd, machucou meu povo. Isso machucou o povo negro. Então, quero me desculpar por machucá-los, porque agora Deus me mostrou pelo que a Adidas está fazendo e pelo que a mídia está fazendo, sei como é ter um joelho no meu pescoço agora. Então eu agradeço a você, Deus, por me humilhar e me deixar saber como realmente me senti. Por que, como um homem negro mais rico poderia ser humilhado, além de não ser um bilionário, na frente de todos por causa de um comentário?”.

Ainda antes, ele também havia usado uma camisa com os dizeres “White Lives Matter”, algo como “Vidas brancas importam”, uma paródia do movimento Black Lives Matter, que gerou uma onda de manifestações após a morte de George Floyd.

Para Kanye West, a perseguição que ele disse estar sofrendo por seu comentário em relação aos judeus era um verdadeiro “linchamento” – e se comparou ao Emmet Till, que foi um adolescente brutalmente linchado. Além disso, ele disse que, às vezes, se sentia como Malcom X e como Martin Luther King Jr.

Kanye West também teve sua estátua removida do museu de cera Madame Tussad; na esteira deste acontecimento, o fim do contrato com a Adidas fez com que ele deixasse de ser bilionário, segundo a Forbes. A vida de Kanye West sofreu uma virada brusca neste último período e ninguém sabe exatamente como será sua carreira daqui para frente. Ele reunia grande popularidade, tendo sido um grande apoiador de Trump e contribuindo com a campanha do republicano; em 2020, chegou a ensaiar uma candidatura própria à Presidência e, por fim, alavancou durante muito tempo as vendas da Adidas. Agora, em que mais nenhuma empresa quer ser vinculada a ele, cabe perguntar: qual será o futuro de Kanye West? 


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.