Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Antônio Vicente Pietroforte

Professor Titular da USP (Universidade de São Paulo). Possui graduação em Letras pela Universidade de São Paulo (1989), mestrado em Linguística pela Universidade de São Paulo (1997) e doutorado em Linguística pela Universidade de São Paulo (2001).

Língua portuguesa

As Vozes Verbais

Quem não se lembra desta pergunta: qual é o correto, “vende-se casas” ou “vendem-se casas”?

Poema visual

Nos artigos anteriores sobre questões de língua portuguesa, o sujeito da enunciação foi estudado com enfoques linguísticos próprios das questões de discursos e texto, todavia, convém não nos esquecermos de que os textos são formados por frases, sendo necessário, portanto, conhecer a teoria gramatical para escrever adequadamente. As vozes ativa e passiva dos verbos são tópicos gramaticais interessantes; contudo, antes das vozes, vale a pena relembrar do papel desempenhado pelo verbo na estrutura da frase. A frase com verbo é chamada oração – quem não se lembra disso? –; é difícil esquecer, também, de o verbo ser o centro da oração.

Por que o verbo é o centro da oração? O verbo tem propriedades interessantes: (1) ele concorda com o sujeito e rege os complementos verbais; (2) tanto o sujeito quanto os complementos do verbo são os substantivos principais na estrutura da oração. Eis os primeiros versos do poema “Palavras no mar”, de Carlos Drummond de Andrade:

              Escrita nas ondas
              a palavra encanto
              balança os náufragos,
              embala os suicidas.

 A frase “a palavra encanto” é o sujeito dos verbos “balançar” e “embalar”. A conjugação do verbo está na terceira pessoa do singular e o sujeito também; isso é chamado concordância verbal, quer dizer, quando o substantivo-sujeito e a pessoa da conjugação verbal são a mesma pessoa. Se o sujeito fosse “as palavras”, as conjugações seriam “balançam” e “embalam”, pois o substantivo-sujeito e a conjugação verbal estariam na terceira pessoa do plural.

 O que “a palavra encanto” “balança” e “embala”? “A palavra encanto” “balança os náufragos” e “embala os suicidas”. O verbo “balançar” rege seu complemento “os náufragos” e o verbo “embalar” rege seu complemento “os suicidas”. Percebe-se, por meio dos exemplos, que os elementos da oração estão estruturados ao redor do verbo, por isso sua função de centralidade.

Voltando à questão das vozes nos versos de Drummond, os dois verbos mencionados anteriormente estão na voz ativa: (1) nas duas frases, o sujeito age ativamente sobre o objeto, isto é, “a palavra encanto balança os náufragos” e “a palavra encanto embala os suicidas”; (2) nas duas orações, há a seguinte estrutura sintática: “sujeito + verbo + objeto direto”.

 O complemento, no caso, porque não há preposição entre ele e o verbo, é chamado “objeto direto”, diferentemente da frase “o garoto gosta de chocolate”, em que existe a preposição “de” entre o verbo “gostar” e o complemento do verbo “chocolate”, chamado, assim, “objeto indireto” (o tópico da regência verbal é tema das próximas colunas).

  As orações na voz ativa, formadas por “sujeito + verbo + objeto direto”, podem ser transformadas na voz passiva, com estes resultados: “os náufragos são balançados pela palavra encanto” e “os suicidas são embalados pela palavra encanto”.

              a palavra encanto balança os náufragos
              os náufragos são balançados pela palavra encanto
              a palavra encanto embala os suicidas
              os suicidas são embalados pela palavra encanto

 Atenção: (1) “objeto direto” da voz ativa torna-se o “sujeito” da voz passiva – os objetos diretos “os náufragos” e “os suicidas” são respectivamente os sujeitos das novas orações –; (2) o “sujeito” da “voz ativa” transforma-se, quando na voz passiva, no termo chamado “agente da passiva” – o sujeito “a palavra encanto” transformou-se em “agente da passiva” nas duas novas orações –.

Dessa maneira, torna-se possível contar, com os mesmos elementos, as ações sob dois pontos de vista, pois ora o enfoque é dado em quem faz a ação na voz ativa e ora em quem recebe a ação na voz passiva. Em “a palavra encanto balança os náufragos”, destaca-se a ação de “balançar”; contrariamente, em “os náufragos são balançados pela palavra encanto”, destaca-se a recepção da ação, fazendo o uso da voz depender do efeito pretendido na construção das orações.

Por fim, não se pode esquecer de que não há somente um tipo de voz passiva. A oração “os suicidas são embalados pela palavra encanto” está na voz passiva analítica; há ainda a voz passiva sintética, formada assim: “embalam-se os suicidas”. Na voz passiva sintética o “agente da passiva” desaparece da oração, pois ele se transforma no “-se” de “embalam-se”; esse “-se” é chamado “partícula apassivadora”.

O desaparecimento do “agente da passiva” resulta em um efeito de sentido diferente daquele da voz passiva analítica; sem o “agente”, o enfoque concentra-se na recepção da ação, sem se destacar quem está agindo. Na oração “embalam-se os suicidas”, não se sabe quem “embala”; já em “os suicidas são embalados pela palavra encanto”, o agente da passiva aparece. Novamente, cabe ao enunciador escolher o efeito pretendido em suas orações.

Porque o “sujeito” da voz passiva continua sendo “os suicidas”, o verbo continua concordando com ele e é conjugado na terceira pessoa do plural “embalam”. Quem não se lembra desta pergunta: qual é o correto, “vende-se casas” ou “vendem-se casas”?

Para responder com segurança, basta reconstruir o processo indo da voz ativa para a voz passiva sintética: (1) “alguém vende casas” / “casas são vendidas por alguém” / “vendem-se casas”; (2) ou ainda: “alguém vende casa” / “casa é vendida por alguém” / “vende-se casa”. O certo, portanto, é “vendem-se casas” ou “vende-se casa”.

(as ilustrações desta coluna são poemas visuais do poeta experimental português Fernando Aguiar)

__________
*As opiniões do colunistas não expressam, necessariamente, as deste Diário.

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.