Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Catar 2022

A Copa dos oprimidos do Oriente Médio

Imperialismo procura dar aulas de etiqueta para os países esmagados por sua política de rapina.


A sequência de Copas do Mundo realizadas em países atrasados tem criado situações inéditas. Um caso triste de se lembrar, por exemplo, foi o movimento “Não Vai Ter Copa”, financiado pela Ford Fundation e que lançou a figura de Guilherme Boulos para a política eleitoral. No país do futebol, o imperialismo conseguiu fomentar uma campanha contra o evento, que serviu inclusive para atrapalhar o desempenho da Seleção Brasileira.

No Catar, as primeiras movimentações davam conta de as equipes europeias, principalmente, viajaram à Península Arábica para fazer manifestações no melhor estilo Psol. Braçadeiras com as cores do arco-íris, fotos oficiais com as mãos tapando as bocas e por aí vai, jogadas de propaganda para a imprensa imperialista explorar contra o país sede. A jogada casada combinava ações dos jogadores com manifestações teatrais nos países centrais do capitalismo.

No entanto, muita coisa acaba vindo a tona num evento com proporções gigantescas como esse, coisas que acabam escapando. No jogo entre Tunísia e Dinamarca, que terminou num empate sem gols, teve uma contundente manifestação pró-Palestina na torcida tunisiana. A mensagem “Palestina Livre” ou “Libertem a Palestina” estava presente numa enorme faixa e nos cantos puxados pelos torcedores. Um twitteiro sionista escreveu espantado:

“No Catar, é proibido protestar contra violações dos Direitos Humanos, é proibido protestar contra a corrupção, é proibido protestar contra danos à comunidade LGBTQ, é proibido protestar contra qualquer questão política. Tudo é proibido, exceto protestar contra um coisa: Israel”

E o que poderia ser pior para os povos do Oriente Médio e Norte da África do que um estado terrorista apoiado pelo imperialismo? Obviamente, o twitteiro não considera o estado de apartheid como uma violação dos direitos humanos que atinge homens, mulheres, héteros, homos, crianças, grávidas, idosos e etc. Os povos de cultura árabe da região, no entanto, não têm dúvidas de qual é o maior problema da região: o imperialismo e seu entreposto.

Assim como a maioria da população dos países da região, o palestinos têm na cultura árabe um pilar da sua identidade. Também em comum têm a opressão de décadas no formato atual, com os Estados Unidos liderando o bloco imperialista contra os povos do mundo. Sua cultura funciona como facilitador na identificação ente os povos oprimidos do Oriente Médio e a campanha de propaganda do imperialismo atinge de certa forma todos eles.

Sem programa político para se orientar, a esquerda entrou de cabeça (mais uma vez) na campanha imperialista. Sem levar em conta que quem criou as condições para o atraso na região foram os mesmos países que agora se apresentam como porta-vozes do bem e da civilização. Boa mesmo será a Copa novamente nos Estados Unidos e na parte desenvolvida da Europa, os países que mantém a maioria da população mundial na pobreza e explodindo nas guerras que fomentam vão dar uma aula de boas maneiras para os povos que eles mesmo oprimem.

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.