Por quê estou vendo anúncios no DCO?

LIteratura

20/10/1854 – Nasce Rimbaud, um marco na poesia francesa

Rimbaud, o autor de Uma Temporada no Inferno, foi mestre em criar imagens em seus textos, que muitos apontam como precursor, ou inspiração, para o surrealismo.


É difícil ser concisa ao tratar deste poeta, para leitores que o admiram. Muitas são as entradas que seus textos e biografa oferecem para reflexão e discussão. Arthur Rimbaud foi um poeta que, melhor do que ninguém, personificou e viveu  o ideal ou a imagem do poeta rebelde, do jovem sensível, inteligente, inquieto e revoltado.

Seu talento poético e força intelectual já se mostram fortes em sua adolescência, ganhando prêmios por seus versos em latim e recebendo a orientação de um professor para aprimorar seu talento, cresceu em sua arte. Entre os dezesseis e dezenove anos (1870-1873), Rimbaud conheceu todo o repertório das ideias modernas, reagindo contra a educação severa e religiosa que recebera, tornou-se um ateísta romântico , envolveu-se também com paganismo e ideias sociais e revolucionários. Leu os livros de Darwin e outros evolucionistas. Segundo afirmou a um biógrafo, Rimbaud disse que, naquele período, “vivera em três anos a evolução literária dos tempos modernos.”

O poeta nascido no norte da França em 20/10/1854, filho de uma camponesa e um oficial francês, teve uma infância sem a presença do pai e sem a atenção materna. Na adolescência, fugia constantemente de casa. Há relatos de sua participação na Comuna de Paris, em 1871, em uma de suas fugas.

Ainda jovem, após corresponder-se com o poeta Verlaine, Rimbaud muda-se para Paris e vive um intenso relacionamento com Verlaine, que abandona sua família para viver com o jovem Rimbaud. O relacionamento conturbado e intenso entre os dois poetas, regado a absinto e ópio, levou a uma separação também conturbada, rendendo processo e dois anos de prisão para Verlaine.

Após o rompimento com Verlaine, em 1875, Rimbaud volta a sua cidade natal, onde escreve a obra “Uma temporada no Inferno”, considerada um dos marcos do simbolismo e influenciador de tendências vanguardistas, como, por exemplo, o surrealismo. Rimbaud esteve também várias cidades europeias e escreveu as suas “Iluminações”. 

Rimbaud esteve na Indonésia, quando se alistou no exército holandês (1876). Ao retornar à Europa, o poeta passa a trabalhar em empresas, viaja por vários países da África até se estabelecer na Etiópia, como comerciante ilegal de armas e café. O viajante-poeta foi acometido de febre tifoide.  Anos depois, ao sofrer de sinovite num joelho, é levado a Marselha, onde tem a perna amputada e se descobre que Rimbaud também sofria de câncer.  Faleceu em Marselha, em novembro de 1891. 

Sua vida intensa se materializa em seus poemas e em sua poética visionária, que dá base para uma doutrina simbolista. Dizia ele que “ O poeta se faz vidente através de um longo, imenso e meditado transtorno de todos os sentidos. Todas as formas de amor, de sofrimento, de loucura; ele se busca a si mesmo.” 

Embora sucinta, a frase citada acima, traz uma questão vital para a virada moderna da poesia e das artes: transtorno de todos os sentidos, a dissolução de barreiras entre a razão, a linearidade e os sentidos, o pensamento não racional, as percepções não conscientes. Nada de novo, pode-se argumentar: os românticos já pregavam esses preceitos. Todavia, “o padrão clássico-científico”,” o ponto de vista objetivo do naturalismo e  técnica mecânica que lhe era própria principiaram a tolher a imaginação do poeta” .

Rimbaud não encontra as ferramentas necessárias para se expressar nesse contexto e , por outro lado, o  público se cansa do estilo. O simbolismo  pode ser considerado uma forte reação aos padrões estéticos e literários de fins do século XIX, “uma contrapartida romântica”, porém em um contexto bastante diverso do romantismo. Após ficarem soterradas pelo peso do naturalismo e da linearidade burguesas, as forças latentes do que viria a ser denominado, décadas mais tarde, de inconsciente, explodem nas visões do jovem rebelde e alucinado, O vidente que via cores nas vogais, e que ilumina a nossa “temporada no inferno” do século XX. Essas mesmas forças latentes e o turbilhão de sentidos que se sobrepõem à linearidade das vidas e dos discursos burgueses que volta a emergir, em imagens, poemas e outras formas de arte surrealistas.

A cultura pop também bebeu nas fontes da  poesia e da figura de Rimbaud. Um exemplo é o rock star Jim Morrison, entre outros. Mas esse tema fica para uma próxima ocasião.


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.