Por quê estou vendo anúncios no DCO?

RT

O que já se sabe sobre a queda do avião em que estaria Prigozhin

Pouco antes da sua suposta morte, Prigozhin anunciou que pretendia concentrar-se nas atividades em África, onde o Grupo Wagner tem forte presença

Altos funcionários russos expressaram condolências pela aparente morte de Evgeny Prigozhin, o empresário por trás da empresa militar privada russa Wagner Group.

Os investigadores ainda não confirmaram formalmente que Prigozhin morreu na queda do seu jato particular na quarta-feira. Mas o presidente Vladimir Putin referiu-se a ele no passado ao comentar o incidente fatal de quinta-feira.

Condolências

Putin enfatizou que o Grupo Wagner fez muito bem à Rússia, ao mesmo tempo que fez elogios mistos a Prigozhin. Foi “um homem com um percurso de vida complicado” que “cometeu erros graves”, mas também “produziu resultados” tanto para si como para a causa comum, segundo o presidente.

Ramzan Kadyrov, chefe da República Chechena no sul da Rússia, destacou a sua antiga amizade com Prigozhin, um colega comandante militar. Suas conquistas “não podem ser negadas”, admitiu.

“Nos últimos tempos, ele não conseguiu ver ou recusou-se a ver o quadro geral”, observou Kadyrov. “Eu o encorajei a abandonar a ambição pessoal… [mas Prigozhin] procurou conseguir o que queria aqui e agora.”

O deputado Leonid Slutsky, que lidera o partido nacionalista russo LDPR, disse sobre Prigozhin que embora “por vezes as nossas posições fossem opostas”, tanto ele como Wagner “fizeram muito para alcançar os objectivos da operação militar especial”.

O acidente

O Embraer 135BJ Legacy 600 caiu na região de Tver enquanto voava de Moscou para São Petersburgo na quarta-feira. Todas as dez pessoas a bordo morreram.

A aeronave aparentemente transportava Prigozhin e alguns de seus associados mais próximos do Grupo Wagner, incluindo Dmitry ‘Wagner’ Utkin, cujo indicativo deu o nome à unidade, de acordo com o manifesto.

Alguns dos destroços foram encontrados a quilômetros de distância do local principal do acidente, indicando que o avião pode ter se fragmentado em grandes altitudes.

Investigação

Putin prometeu que as autoridades irão descobrir o que aconteceu ao jacto executivo de Prigozhin, mas observou que as medidas necessárias, como testes de ADN, levarão tempo.

De acordo com o meio de comunicação RBK, a investigação foi confiada a Ivan Sibula, um investigador sênior que anteriormente liderou investigações sobre incidentes aéreos de alto perfil na Rússia.

Sua equipe esteve envolvida no caso da queda de um jato particular em 2014 no aeroporto de Vnukovo, em Moscou, que matou Christoph de Margerie, CEO da gigante petrolífera francesa Total. Sibula também investigou o incêndio e o pouso de emergência do voo 1492 da Aeroflot em 2019, no qual 41 pessoas morreram.

O Comité de Investigação está atualmente a tratar o caso como uma violação da segurança aérea que causou vítimas mortais, o que constitui um crime na Rússia.

A área ao redor do local da queda do avião de Prigozhin foi isolada pelas autoridades. Jornalistas que informam sobre a operação de recuperação dizem que a busca por provas continuou dia e noite.

Quem está por trás do acidente?

As autoridades russas não confirmaram o crime, mas há muita especulação tanto a nível nacional como internacional.

Os críticos de Moscovo apressaram-se a acusá-lo de matar Prigozhin como vingança por ter liderado um breve motim há dois meses. A marcha de Wagner em direcção a Moscovo, durante a qual vários militares russos foram mortos, foi denunciada por Putin como uma facada nas costas da nação.

“Não acontece muita coisa na Rússia que Putin não esteja atrás”, disse o presidente dos EUA, Joe Biden, aos jornalistas quando questionado sobre a morte de Prigozhin. Ele reconheceu que não sabia ao certo o que havia acontecido.

O Pentágono rejeitou as alegações iniciais da mídia de que um míssil antiaéreo poderia ter derrubado o avião. O departamento avaliou essa teoria como “imprecisa”, segundo o porta-voz Patrick Ryder. Mas os militares dos EUA acreditam que é provável que Prigozhin tenha morrido no acidente, acrescentou.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse na sexta-feira que as tentativas ocidentais de incriminar o governo russo eram “mentiras absolutas” e não baseadas em quaisquer fatos.

Fontes citadas pela mídia russa sugeriram que o jato foi provavelmente destruído no ar por uma bomba plantada, com alguns apontando o dedo para o piloto pessoal de Prigozhin, que não estava a bordo e supostamente desaparecido, como o possível culpado.

Reconhecimento e rebelião 

O chefe da Wagner recebeu a mais alta condecoração estatal da Rússia no ano passado pelo papel que desempenhou na campanha da Ucrânia. A sua revolta de Junho foi abortada ao abrigo de um acordo mediado pela Bielorrússia, que permitiu a Prigozhin e as tropas leais a ele deixarem a Rússia.

Pouco antes da sua suposta morte, Prigozhin anunciou que pretendia concentrar-se nas atividades em África, onde o Grupo Wagner tem forte presença.

Fonte: RT

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.