Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Estela Verá

Quem era a indígena executada pela burguesia rural no MS

A indígena Estela Verá, de 67 anos, era uma importante rezadora Guarani e Kaiowá em Mato Grosso do Sul


– Comissão Pastoral da Terra (CPT) – A indígena Estela Verá, de 67 anos, era uma importante rezadora Guarani e Kaiowá em Mato Grosso do Sul. Familiares confirmaram a morte da idosa assassinada a tiros por homens encapuzados na frente do próprio filho, na tarde de quinta-feira (15), na Aldeia Porto Lindo, localizada na cidade de Japorã (MS), a 452 km de Campo Grande. O caso, registrado como feminicídio, é investigado pela Polícia Civil.

O coordenador do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) em Mato Grosso do Sul, Matias Benno, descreve Estela Verá como “um pilar da cultura e uma índigena super importante”.

“Era uma pessoa fundamental, que tinha ampla participação na vida e na recuperação daquele território e também na manutenção dos aspectos de espiritualidade próxima.”

Além de ser influente na região, a rezadora participou de livro e filme sobre os povos originários do Brasil. “A ñandesi Estela Verá sempre foi um pilar na manutenção dos saberes Guarani e Kaiowá e lutou a vida toda pela valorização dos rezadores e rezadoras”, detalha uma publicação da página do filme “Yvy Pyte – Coração da Terra”, que teve a participação da indígena.

Ao g1, o coordenador do Cimi em Mato Grosso do Sul ressalta o impacto da perda da rezadora. “Ela era uma base firme, ou seja, junto com outros rezadores que foram falecendo era uma pessoa de inestimável valor para a comunidade, para os jovens, para a perpetuação do modo de ser da comunidade”, afirma Matias Benno.

Verá também esteve presente na edição 2011-2016 da série “Povos Indígenas no Brasil”, lançada pelo Instituto Socioambiental (ISA). A indígena conversou com a antropóloga Lauriene Seraguz e teve texto traduzido por ela em conjunto com Jacy Vera.

Leia a seguir um trecho do texto de Estela Verá:

“Se não tiver mais reza e rezador, o mundo vai acabar. Tudo vai acabar, os sinais de que o mundo está acabando já estão aparecendo. Hoje temos menos rezadores (opuraheiva), chuvas sem limite. Está tudo fora do tempo.

No mundo todo está acontecendo isso, não é só no Brasil. Aqui estamos um pouco mais protegidos porque ainda temos opuraheiva. Tudo vai estar perdido. Os cantos hoje estão muito mais curtos (mbyky) do que eram antes e os seres humanos estão morrendo muito antes nos tempos de hoje. Pelo jeito vai continuar assim, por causa do canto curto, que não é mais como o antigo (longo, puku).

Vivo com a minha reza ainda pela vida dos inocentes, pois ainda aparecem crianças que esperam muitas coisas de mim. Por isso tenho forças para continuar a minha vida como opuraheiva.

Se hoje o mundo ainda não acabou é pela vida destes inocentes, pois, do mesmo jeito que o Kuarahy (Sol) ilumina a gente, ele pode sumir e acabar com tudo. Isso vai acontecer quando acabarem os opuraheiva. Kuarahy pode fazer uma troca e nos devolver o que fizemos contra terra, para então, renovar e começar tudo de novo. […]”

* Os artigos aqui reproduzidos não expressam necessariamente a opinião deste Diário

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.