Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Cooptação do imperialismo

Prêmio Jabuti se tornou festa dos identitários

Surpreende prêmios para figuras como Sueli Carneiro, do Geledés ou para livros que traduzem Romeu e Julieta para o "internetês"


A penetração dos identitários nas artes é algo que já está bastante avançado. Graças à ajuda do imperialismo, nas premiações, exposições e debates sobre a cultura, o identitarismo é praticamente unanimidade. Os artistas que ousam tentar combater essa situação são tachados de racistas, machistas, homofóbicos etc.

No caso do Prêmio Jabuti, uma das mais tradicionais premiações dadas a escritores e outros profissionais envolvidos com produção de livros no Brasil, a demagogia identitária se mostra na lista de vencedores e na forma como isso é tratado na imprensa da esquerda pequeno-burguesa. 

A página Geledés, conhecido grupo de negros financiados pelo Itaú, celebrou o fato de que mulheres venceram em 13 das 20 categorias do Prêmio Jabuti em 2022. Eles também chamam a atenção para o fato de que, das 14 ganhadoras (em uma delas, duas mulheres venceram juntas), 11 são mulheres brancas e 3 são negras. 

Apenas para citar algumas, a escritora Luiza Romão, conhecida por frequentar eventos de poesia improvisada chamados slams, teve seu livro Também guardamos pedras aqui, eleito como o melhor livro do ano. A sinopse da obra, que está colocada na própria página da Editora Nós, é ininteligível: 

“Com “também guardamos pedras aqui”, Luiza Romão consegue inserir momentos de afago e restauro existencial, sem perder uma perspectiva crítica. Isso, em 2021, é tudo que a gente quer: seguir nos aperfeiçoando, nos aprimorando, como seres humanos e sujeitos políticos, e ao mesmo tempo sentir um pouco de prazer, um pouco de alívio, que carreguem nossas de baterias, para que possamos voltar à realidade, prontas para a luta. Um livro para ir redescobrindo, à medida que ele passa. Não tenho a menor dúvida disso.” (sic)

Além disso, Sueli Carneiro, coordenadora-executiva do próprio Geledés, foi agraciada com o prêmio de “Personalidade do Ano”. Carneiro também fez parte do conselho editorial da Folha de S. Paulo, o qual deixou rapidamente após uma coluna que ela considerava racista escrita por Leandro Narloch.

Todos os premiados são pessoas envolvidas em algum sentido com as questões que interessam apenas a esse setor minoritário da classe média no qual se encaixam os identitários. A autora Ana Elisa Ribeiro, por exemplo, venceu na categoria Juvenil com o livro Romieta e Julieu, que procura “traduzir” a clássica obra de Shakespeare para a linguagem do “internetês”, algo que soa de extremo mau gosto. 

A questão do Prêmio Jabuti mostra como essas premiações não têm nada a ver com a qualidade da obra dos autores vencedores. Trata-se de uma forma de incentivar e de destacar determinado posicionamento político que seja do interesse daqueles que dão os prêmios. É uma conduta totalmente anti-artística por si só, visto que a arte deve ser julgada pelas suas próprias leis. Mas, nesse caso, é ainda mais grave porque se trata de impulsionar uma política imposta pelo imperialismo, a política identitária.

O Prêmio Jabuti, que deveria buscar os maiores autores do País, está servindo para impulsionar um pequeno “clube” de autores identitários, que se abrigam atrás dos gordos financiamentos de bancos e até de organizações ligadas aos governos imperialistas para esconder o fato de não terem talento algum. 

Além de tudo, não muda nada a situação das mulheres realmente oprimidas ao redor do mundo o fato de algumas escritoras terem sido selecionadas para um prêmio literário como forma de fazer demagogia. A política do identitarismo é essa: cooptar um setor privilegiado através de favores e privilégios desse tipo para desmobilizar a luta das massas. 

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.