Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Repressão

Moraes trata manifestantes igual a criminosos… como sempre fez

As justificativas hoje usadas para reprimir bolsonaristas, ontem eram usadas contra camponeses, operários e estudantes, uma infiltração ideológica na esquerda


Neste domingo (06/11), o ministro do STF, Alexandre de Moraes, determinou o desbloqueio de vias no Acre por meio da PM-AC, citando as que “ilicitamente estejam com seu trânsito interrompido”. O Ministério Público do Acre relatou uma “situação insustentável, que atenta frontalmente contra o resultado das eleições, ou seja, contra o Estado Democrático de Direito”, citando ainda uma “pouca vontade” da polícia militar em cumprir a ordem judicial e o “financiamento do agronegócio” para a manifestação. O ministro determinou uma multa de R$100 mil por hora parada caso a decisão não seja efetivada, estendendo ela a dois homens identificados pelo MP como financiadores do protesto.

A medida prossegue a tendência do judiciário de criminalização dos protestos de rua, embora agora voltada sobre a extrema-direita. As declarações absurdas utilizadas para se referir às manifestações, caracterizando-as como “ilegalidade”, “violação do direito de ir e vir”, “terrorismo”, e a medida de determinar ainda uma multa exorbitante pelo fechamento de uma via em protesto, caracterizam a tradicional repressão do Estado burguês sobre os movimentos populares, sindicais, de luta pela terra. No entanto, agora caracterizando o próprio método de fechamento de vias como algo “terrorista”, a repressão preparou o quadro perfeito para se intensificar contra o movimento operário, iludindo a esquerda no momento, dirigindo suas medidas contra uma base de extrema-direita.

Ditadura judicial

Para Alexandre de Moraes, isso não é novidade. O ministro protagonizou o movimento de censura judicial no Brasil, cassando o direito de expressão de blogs e jornais, parlamentares, e até mesmo do Partido da Causa Operária, um partido constituído legalmente há décadas, que teve a integridade de suas redes sociais e imprensa bloqueadas pelo ministro em todas as plataformas sob a justificativa fajuta de “fake news”. O ministro ainda se tornou notório por decretar ilegalmente a prisão de parlamentares por vídeos gravados no Youtube, por ideias expressas, algo que não configura crime, mas sim está garantido na Constituição Federal de 1988. A imunidade parlamentar também estaria garantida, mas o STF considerou um vídeo do deputado bolsonarista Daniel Silveira se expressando em críticas ao STF como flagrante delito, e passou por cima da legislação nacional, se sobrepondo ao poder legislativo.

O dito herói que hoje bate na extrema-direita, ontem espancou crianças

O atual ministro do STF já se utilizou do mesmo jargão jurídico para orientar a repressão em outro momento, talvez esquecido pela esquerda que insiste em chamá-lo de “Xandão”, como um herói democrático, nada mais longe da verdade. Alexandre de Moraes foi o secretário de Segurança Pública do estado de São Paulo durante o movimento secundarista, no final de 2015 e 2016. Moraes, como secretário, esteve à frente da organização da repressão ao movimento de estudantes secundaristas que se insurgiram contra o fechamento das escolas e pelo direito de merenda digna, durante o governo Geraldo Alckmin.

Carteiras, instrumentos do “terror” em 2015 apreendidas pela democrática polícia militar de São Paulo. Hoje o perigo vem de bandeiras do Brasil. – Foto: M. ROSSI

O ex-secretário dirigiu duríssima campanha contra os estudantes, crianças de fato, com a polícia militar invadindo e depredando escolas, denúncias de torturas, ameaças, uma repressão generalizada. Os estudantes ocuparam suas escolas e depois ocuparam as ruas, fechando vias em nome de garantir seu direito à educação. A resposta ao movimento foi o braço armado do Estado contra os “terroristas” mirins. Armas de fogo contra carteiras, carteiras essas que foram usadas para fechar as ruas. O movimento, inclusive, teve amplo apoio da população, mas isso não fez muita diferença para a polícia organizada pelo “Xandão”. As escolas chegaram a ser sitiadas pela polícia militar, enquanto os estudantes levavam a frente sua justa reivindicação, ocupando os prédios que, ademais, seriam seus por direito na luta daquele momento.

Estudante “terrorista” tem aula de democracia com a PM de Alexandre de Moraes. – Foto: DUBES SONEGO JUNIOR

Todo tipo de manifestação hoje é passível de ser reprimida, sem critério legal algum. A única barreira na defesa dos direitos democráticos, que deveria ser a esquerda, tem se diluído ideologicamente, e em boa parte se torna cada vez mais indistinguível do PSDB, da Rede Globo, de Alexandre de Moraes, fantoches do imperialismo, o setor mais reacionário da burguesia. É imperativo realizar um choque no interior da esquerda e acabar com a infiltração de elementos imperialistas no seio do que deveria ser um movimento democrático em defesa dos trabalhadores, dos explorados. A desmoralização da esquerda nesse quesito tem aberto espaço para a extrema-direita se colocar como democrática e, pior, perseguida politicamente, algo de um perigo imenso. Em meio a tal cenário, a esquerda cegamente se coloca a reboque de seus maiores inimigos.

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.