Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Tentativa de infiltração

Banqueiros pressionam contra política econômica nacionalista

O governo Lula só pode se apoiar concretamente nos trabalhadores, único setor da sociedade capaz de fazer frente aos interesses imperialistas e defender o desenvolvimento do Brasil


O presidente eleito Lula (PT) ainda nem tomou posse, mas a burguesia já está em campanha franca sobre o futuro governo. A proposta do petista de abrir um espaço de R$200 bilhões acima do Teto de Gastos, para dar conta das promessas de campanha e usar o dinheiro público com o povo — como a expansão do auxílio de R$600 para ter um adicional de R$150 por filho, além de reverter os cortes e expandir o programa Farmácia Popular e a verba para as escolas, em destaque para a merenda, e a proposta de isenção do imposto de renda para quem ganhe até R$5 mil — colocou a burguesia em polvorosa. A imprensa burguesa busca explicações e restrições, e pressiona por indicadores concretos de que nada seria colocado acima deste valor, além de exigir novas cláusulas de “equilíbrio fiscal”, ou seja, de compromisso com a austeridade, com cortes sociais.

A política de garantir o auxílio e valorização do salário encampada por Lula não é apenas uma política de assistência, mas de desenvolvimento nacional. Aumentando o poder de compra da população, o mercado interno do Brasil fica fortalecido, abrindo maior espaço para o desenvolvimento da indústria nacional em diversos setores, que necessitam de um mercado para se estabelecer. As empresas brasileiras se favorecem por já produzir em território nacional o que, aliado a uma política fiscal de proteção da indústria, algo natural, é a receita para o desenvolvimento do país, seja em setores básicos da economia como, inclusive, em áreas de tecnologia.

Mais que isso, o maior investimento na educação permite o desenvolvimento tecnológico nas universidades brasileiras, que podem formular tecnologias nacionais para a indústria nacional. Um exemplo do que se pode atingir foi o chamado MagLev Cobra da UFRJ, um trem magnético brasileiro, desenvolvido pelo setor da engenharia da universidade.

O desenvolvimento nacional exige também um gestão de viés nacionalista nas empresas públicas. A tentativa de rapina da Petrobrás que ocorre agora demonstra as expectativas da burguesia para o ano que vem. Só no final do ano, privatizações e transferências de dividendos antecipadas para os acionistas estão sendo emplacadas pelo governo golpista de Jair Bolsonaro. Nesse sentido, a imprensa burguesa ainda diz que não pode certificar de fato posição sobre o pedido na transição governamental para gastos sociais, até que seja divulgada a composição ministerial do governo Lula, pressionando para um ministério o mais direitista e entreguista possível.

Segundo a posição de José Márcio Camargo, economista-chefe da Genial Investimentos, os ministérios da Fazenda e Planejamento são os que mais trazem preocupação e motivam a pressão da burguesia imperialista e financeira. Para ele, existem três prováveis opções: o apontamento de ministros neoliberais (chamados por ele em linguagem cifrada de “ortodoxos”) deixaria o “mercado” feliz, e o que ele não fala, massacraria o povo; a indicação de membros do PT com experiência em administração pública, ou seja, burocratas com o costume de ceder às pressões da burguesia, geraria uma reação neutra, de esperar para ver; já a indicação de ministros com perfil desenvolvimentista, ou seja, de focar na indústria, nas condições de vida da população e no desenvolvimento nacional de conjunto, com geração de empregos e expansão da participação estatal na economia no sentido de fazer avançar o país, isso traria uma reação bastante negativa nos mercados.

A burguesia busca um ministro do Fazenda alguém do perfil de Henrique Meirelles, neoliberal de destaque na política nacional, criador e defensor do Teto de Gastos, medida terrorista que serve para impedir o governo de gastar com a população, independente da fome e da miséria. Ainda, buscam fazer reduzir o pedido pela equipe de transição, de R$200 bilhões acima do Teto de Gastos, falando em uma liberação de “pelo menos R$100 bilhões”, numa demonstração de que o montante pedido não será aprovado com facilidade, caso uma proposta de garantia de austeridade não seja acordada.

Os trabalhadores, que elegeram de fato o governo, precisam estar organizados para contrapor a pressão da burguesia com a pressão de baixo, das massas. Um movimento organizado é o que garantirá, realmente, um governo dos trabalhadores. Os ministérios todos devem atender aos interesses da classe operária, e estes interesses são os de desenvolvimento do Brasil, com uma indústria forte e diversificada, o que gera empregos e estabelece salários mais altos. O governo Lula, ao ceder às pressões da burguesia, apenas teria a se desmoralizar. A única saída é um governo decidido pelo desenvolvimento do Brasil, um governo que só pode se apoiar concretamente nos trabalhadores, único setor da sociedade capaz de fazer frente aos interesses do imperialismo.

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.