Por quê estou vendo anúncios no DCO?

A responsável é a burguesia

Aumento da inflação: alemães protestam pelo segundo mês seguido

Os protestos foram marcados tão logo foi divulgada a nova taxa de inflação


Em Munique, na Alemanha, moradores protestaram contra a inflação, o aumento dos preços e as políticas econômicas do governo Scholz. Os protestos de novembro foram convocados por grupos de esquerda e movimentos ambientalistas e milhares de pessoas participaram. Nos protestos desse sábado (17), no início da noite, os manifestantes levavam as lanternas dos celulares acesas e faziam bastante barulho. Os protestos foram marcados tão logo foi divulgada a taxa de inflação pelo instituto IFO (Instituto de Pesquisa Econômica Alemão).

Na Alemanha, em novembro, a taxa de inflação (aumento geral de preços de bens e serviços) foi recorde chegando a 10% em termos anuais, como foi informado pelo Departamento Federal de Estatística Alemão (Destatis), em dezembro (13), confirmando sua estimativa anterior. Essa é apenas uma ligeira desaceleração em relação a outubro, que atingiu seu nível mais alto em sete décadas, chegando a 10,4%. 

Índice de preços ao consumidos, Alemanha.

Apesar de um leve relaxamento de preços, aumentos não param de acontecer

Desde o início da operação russa na Ucrânia, em 24 de fevereiro de 2022, os preços da energia e dos alimentos subiram de forma especialmente perceptível e continuam a afetar significativamente o nível da inflação. O custo da energia em novembro foi 38,7%, maior do que no mesmo mês do ano anterior, e os preços dos alimentos subiram 21,1%. Deste modo, a inflação de alimentos mais que dobrou a taxa geral de crescimento dos preços.

Preços da energia na Alemanha, hoje.

Os lares alemães pagam energia mais cara que os outros imóveis e quem consome menos energia paga mais impostos, como observado na figura. Não tem para onde fugir senão às manifestações de rua. Na guerra da burguesia imperialista contra a Rússia, quem paga a conta é o trabalhador alemão.

A burguesia como sempre gasta menos e cobra mais

“Parece que as empresas de alguns setores da economia aproveitaram o aumento dos preços para aumentar os lucros. Isso se aplica principalmente ao comércio, à agricultura e à indústria da construção”, disse o professor Ragnitz do IFO, em dezembro (13)

Entre os que tentam lucrar com a inflação, ele também lista a hotelaria e restauração, a indústria de transportes, a indústria madeireira e a pesca.

“Os preços são inflados artificialmente por comerciantes, fazendeiros e construtores”

Tendência de protestos

O cinto ainda não está completamente apertado na questão do aumento dos preços, mas a insatisfação tende a crescer dada a voracidade da burguesia alemã. Apesar da deflação que baixou um pouco os preços as tendências divulgadas são de crescimento da inflação. 

Protestos de novembro (12). Foto:Reproução

Os alemães conhecem a brutalidade do Estado burguês para com a classe trabalhadora e ainda estão fazendo pouca agitação neste último protesto. A tendência é de aumento de manifestações, o que enfraqueceria ainda mais a polaridade para o imperialismo.

Protestos de dezembro (16)

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.