Líbano

A derrota acachapante que o Hesbolá pode impor a ‘Israel’

Avichai Stern, prefeito do assentamento israelense Kiryat Shmona, ao norte dos territórios ocupados, afirmou que os sionistas são alvos fáceis

O Hesbolá é um dos aliados mais importantes, senão o mais importante, da resistência palestina em sua luta contra “Israel”. O partido mais popular do Líbano iniciou sua guerra contra o Estado sionista no dia seguinte à deflagração da operação Dilúvio de al-Aqsa e, desde então, já impôs derrotas decisivas ao Estado israelense.

Conforme divulgado pelo próprio Hasan Nasralá, líder do Hesbolá, em discurso feito em novembro de 2023:

“A ofensiva do Hesbolá obrigou a deslocar um terço das forças armadas de Israel para fronteiras com o Líbano, aliviando situação em Gaza […] metade da força da naval, metade do Domo de Ferro, um terço das logísticas.”

Ademais, segundo informe divulgado no último domingo (11), a organização revelou que, durante os 127 dias de conflito, do dia 8 de outubro de 2023 a 11 de fevereiro de 2024, seus combatentes realizaram 1.013 operações contra “Israel”.

Não é de se espantar que os israelenses, apesar de toda a propaganda, estejam completamente desorientados por conta da ação do Hesbolá na guerra. Tanto é assim que Avichai Stern, prefeito do assentamento israelense Kiryat Shmona, ao norte dos territórios ocupados, afirmou que os sionistas são alvos fáceis frente à força de elite do Hesbolá na fronteira, a Radwan.

Enquanto as Forças de Radwan [do Hesbolá] não forem removidas pela força e ação militar, nada mudará”, disse o prefeito sionista segundo a imprensa israelense. Em sua declaração, Stern também ressaltou que os milicianos israelenses no norte “estão bem conscientes disso hoje, enquanto suportamos as repercussões do acordo fracassado”.

O medo de Stern é tão grande que, ao longo do conflito, o prefeito já orientou diversas vezes os milicianos israelenses a não retornarem aos assentamentos na região fronteiriça até que a situação com o Líbano mude. Ao mesmo tempo, a imprensa israelense já noticiou repetidas vezes que os colonos fascistas do norte do território ocupado saíram da região com o começo da participação do Hesbolá.

Uma espécie de simulação feita pelo Instituto de Política Anti-Terrorista da Universidade Reichman, uma universidade israelense, demonstra a mesma preocupação que tem Stern. Segundo a Reichman, caso uma guerra completa entre “Israel” e o Líbano seja deflagrada, os libaneses enviarão centenas de soldados das forças de Radwan para os assentamentos sionistas buscando ganhar controle da região.

As consequências disto, segundo o estudo, seriam terríveis para “Israel”. O exército sionista precisaria imediatamente redirecionar seus soldados para o Líbano para tentar neutralizar a ameaça.

O relatório ainda especifica que, provavelmente, o Hesbolá não estaria sozinho nessa batalha. Grupos de resistência do Iraque e da Síria; o Hamas e a Jiade Islâmica em Gaza; e o Ansar Alá do Iêmen contribuiriam para o que o relatório sionista chama de “revolta violenta e extensa”.

Jogando lenha na fogueira da derrota israelense, também é esperado que a operação gere revolta na Cisjordânia ocupada, com tumultos em cidades diversas, desafios na percepção da guerra por parte do público e a diminuição das expectativas do exército e das forças de resgate.

O relatório da universidade Reichman é concluído com a descrição de vulnerabilidades e pontos fracos nas Forças de Ocupação Israelenses, bem como nas comunidades das milícias fascistas na região. Por fim, o texto alerta que a força aérea israelense, bem como os serviços de inteligência sionistas, podem não conseguir impedir que a maioria dos ataques com mísseis atinjam os territórios palestinos ocupados pelos israelenses.

Falsificação ou não, o cenário levantado pela universidade sionista demonstra como o Hesbolá representa um problema para a ocupação sionista – um grande problema! Nesse sentido, serve como um aviso ao regime de que a situação na fronteira é extremamente preocupante para os israelenses, o que obriga o texto a ter certo grau de precisão, já que se trata de uma projeção militar de interesse do Exército do enclave imperialista.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.