Vigilância cibernética

Vigilância: como os EUA ameaçam a Internet mundialmente

Estados Unidos ameaçam a segurança global da Internet através de décadas de vigilância e de ataques cibernéticos

Uma década se passou desde que o escândalo do PRISM foi exposto por Edward Snowden e enfureceu o mundo. Sob o disfarce dos chamados “interesses nacionais”, o governo dos EUA e suas agências de inteligência relacionadas utilizam suas vantagens tecnológicas e pioneiras para conduzir vigilância cibernética e ataques em todo o mundo.

Documentos vazados do Pentágono no início deste ano ofereceram mais provas de que os EUA estenderam sua mão a quase todos os cantos do mundo. Que más ações os EUA orquestraram e provavelmente continuam a fazer no mundo cibernético?  Nesta série, o Global Times analisará de perto como esse verdadeiro “império de vigilância em rede” prejudica gradualmente a segurança cibernética global por meio de sua rede de inteligência,que, por sua vez, prejudicou gravemente sua própria reputação e credibilidade.
Documentos recentemente vazados do Pentágono mais uma vez expuseram ao mundo a face feia das campanhas de espionagem dos EUA orquestradas contra outros países. Enquanto mantém a vigilância rigorosa de seus “inimigos” e aliados, os EUA estenderam sua mão maligna a quase todos os cantos do globo.

Durante anos, os EUA realizaram vigilância em larga escala e lançaram ataques cibernéticos direcionados a governos, empresas e indivíduos estrangeiros com suas vantagens tecnológicas e vasta rede de inteligência, uma violação grave do Direito Internacional e das normas básicas que regem as relações internacionais. Pior ainda, os EUA se pintam como vítimas enquanto cometem esses atos vilões, difamando outros países, incluindo a China, com acusações infundadas. 

No mês passado, a Aliança da Indústria de Cibersegurança da China ( CCIA ) divulgou um relatório intitulado “Revisão de ataques cibernéticos das agências de inteligência dos EUA – com base nas análises das comunidades globais de segurança cibernética.”

O relatório detalha o comportamento malicioso dos EUA na condução de ataques cibernéticos e vigilância de longo prazo em todo o mundo, como ataques contra infraestruturas importantes em outros países, roubo e monitoramento indiscriminados de cibernéticos, e implantação de padrões de poluição de backdoor e fontes da cadeia de suprimentos.

O relatório apresenta evidências que revelam a verdadeira natureza do papel dos EUA como o maior ladrão de informações secretas do mundo e “império hacker”, Qin An, vice-diretor do comitê de especialistas em governança antiterrorista e de segurança cibernética, Sociedade Chinesa de Direito Policial,disse ao Global Times na quarta-feira.

Os comportamentos dos EUA prejudicaram bastante a ordem no ciberespaço e destruíram a confiança já frágil entre os países, comentou Tang Lan, diretor do Centro de Estudos de Segurança e Governança do Ciberespaço dos Institutos de Relações Internacionais Contemporâneas da China.

“Suas más ações acrescentaram muita incerteza à situação internacional”, disse Tang ao Global Times.

Uma história irregular

Em setembro de 2022, o Centro Nacional de Resposta a Emergências por Vírus de Computador da China revelou o ataque cibernético de longo prazo dos EUA contra a Universidade Politécnica do Noroeste (NPU) na província de Shaanxi, no noroeste da China. O ataque cibernético visava “infiltrar e controlar os principais equipamentos da infraestrutura da China e roubar dados pessoais sensíveis vinculados ao povo chinês,” uma fonte próxima ao assunto disse ao Global Times na época.

Essa foi apenas a ponta do iceberg. Por mais de uma década, os EUA monitoram 45 países e regiões através do backdoor avançado e secreto “Telescreen” ( Bvp47 ) criado pela Equation, um grupo de hackers de elite afiliado ao governo dos EUA. Isso provocou indignação global quando foi exposto por especialistas chineses em segurança cibernética pela primeira vez no início de 2022.

O incidente lembrou ao público o PRISM mais conhecido, pois os pesquisadores encontraram vários programas e manuais de ataque que, quando revisados, correspondiam aos identificadores exclusivos usados nos manuais operacionais das plataformas de ataque cibernético da Agência de Segurança Nacional dos EUA ( NSA ). Este último foi exposto pelo ex-analista da Agência Central de Inteligência ( CIA ) Edward Snowden em 2013, como uma pequena parte do escândalo internacional do PRSIM.

Em junho de 2013, o The Guardian se tornou um dos primeiros meios de comunicação a relatar o programa secreto dos EUA chamado “PRISM”, que Snowden expôs. A exposição revelou que nove gigantes da Internet nos EUA, incluindo Microsoft, Yahoo, Google e Apple, cooperaram com o governo dos EUA no monitoramento secreto de registros telefônicos, e-mails, vídeos e fotos, e a NSA chegou a invadir as redes de vários países como Alemanha e Coréia do Sul.

“A série subsequente de documentos vazados expôs em conjunto que as operações de monitoramento e intrusão de rede foram implementadas pelo governo dos EUA por um longo tempo”, observou o relatório da CCIA.

Mais tarde, em junho de 2015, Snowden expôs documentos revelando como as agências de inteligência nos EUA e no Reino Unido haviam trabalhado juntas para subverter antivírus e outros softwares de segurança, a fim de rastrear usuários e se infiltrar em redes. O projeto irritante, chamado CAMBERDADA, usou principalmente a capacidade de aquisição de tráfego dos EUA na invasão de operadores globais para monitorar as comunicações entre usuários e empresas antivírus, como o Skyscraper na Rússia, para obter novas amostras de vírus e outras formas de informação, disse o relatório da CCIA.

De acordo com um artigo publicado no site de notícias The Intercept naquele mês, uma apresentação vazada de 2010 sobre o “Project CAMBERDADA” listou 23 empresas antivírus adicionais de todo o mundo em “More Targets!” A Antiguidade da China estava na lista.

A revelação mais uma vez provocou grande indignação, pois os observadores alertaram que o projeto e sua chamada “lista de alvos” dividiriam ainda mais o setor de segurança global já desgastado.

É difícil rastrear exatamente como os EUA iniciaram suas desonrosas campanhas cibernéticas. O worm de computador “Stuxnet”, usado pelas agências de inteligência dos EUA no ataque às instalações nucleares do Irã em 2010, foi considerado pela indústria de segurança cibernética como “a primeira arma cibernética do mundo.”

O desenvolvimento do vírus Stuxnet supostamente começou em 2005. Em 2010, a Stuxnet supostamente “destruiu quase um quinto das centrífugas nucleares do Irã, infectou mais de 200.000 computadores e fez com que 1.000 máquinas se degradassem fisicamente”, segundo dados que Kaspersky compartilhou em seu site.

Naquele ano, os EUA “abriram a caixa de guerra cibernética de Pandora”, comentou o relatório da CCIA.

Former French prime minister Francois Fillon reveals at a hearing on May 2, 2023 that the US National Security Agency had spied on his conversations with former French president Nicolas Sarkozy from 2007 to 2012. Photo: IC

O ex-primeiro ministro francês François Fillon revela em uma audiência em 2 de maio, Em 2023, a Agência de Segurança Nacional dos EUA espionou suas conversas com o ex-presidente francês Nicolas Sarkozy de 2007 a 2012. Foto: IC

Vasta rede de vigilância

Segundo um relatório de um meio de comunicação americano em abril, as agências de inteligência dos EUA gastam até $ 90 bilhões em um ano. Por trás da vasta rede de vigilância nos EUA estão agências de inteligência como a NSA e a CIA, que citaram repetidamente a segurança nacional como pretexto para violar a soberania de outros países e violar a privacidade de seus cidadãos.

O Escritório de Operação de Acesso Adaptado ( TAO ) sob a NSA envolvida no evento NPU vem realizando ataques contra a China, penetrando nos sistemas chineses de computadores e telecomunicações há décadas.

O TAO foi criado em 1998 e atualmente é uma unidade de implementação tática dentro do governo dos EUA, especializada em hackers e espionagem em rede em larga escala contra outros países. É composto por mais de 2.000 militares e civis, de acordo com uma análise técnica conjunta e uma investigação de rastreamento pelo Centro Nacional de Resposta a Emergências por Vírus de Computador e pela 360 Security Technology em setembro de 2022.

A missão do TAO é simples – “ele coleta informações de inteligência sobre alvos estrangeiros, invadindo clandestinamente seus computadores e sistemas de telecomunicações, quebrando senhas, comprometendo os sistemas de segurança do computador que protegem o computador alvo, roubar os dados armazenados nos discos rígidos do computador e copiar todas as mensagens e tráfego de dados que passam nos sistemas de email e mensagens de texto direcionados “, de acordo com a Política Externa, citando o ex-funcionário da NSA Matthew M. Socorro.

Os EUA usaram 41 tipos de armas dedicadas ao ataque cibernético para lançar milhares de ataques, em uma tentativa de roubar dados essenciais da tecnologia da NPU. Além disso, os EUA há muito tempo se envolvem no monitoramento indiscriminado de voz dos usuários chineses de celulares, acessando ilegalmente mensagens de texto e realizando rastreamento de localização sem fio.

Além dos ataques cibernéticos que visam a China, o conflito entre os EUA e a Rússia na segurança cibernética também é bem conhecido. Segundo relatos, o general Paul Nakasone, chefe da NSA, confirmou que hackers militares dos EUA realizaram ataques cibernéticos contra a Rússia em apoio à Ucrânia. 

Por algum tempo, em nome da capacitação, os EUA tentam persuadir países relevantes, especialmente os vizinhos da China, a cooperar com segurança cibernética. Até persegue a chamada “implantação avançada” das forças militares cibernéticas. “Essa cooperação abrirá a porta dos fundos para atividades cibernéticas maliciosas nos EUA? Esses movimentos serão peças de xadrez à medida que os EUA instiga a rivalidade geoestratégica? Países relevantes julgarão por si mesmos “, disse Wang Wenbin, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, ao Global Times em 20 de abril, 2022, em resposta ao Centro Nacional de Resposta a Emergências por Vírus de Computador, alertando os países sobre os ataques cibernéticos realizados pelo governo dos EUA.

Banditismo na Internet

Escândalos como o PRISM mostraram que, além de suas agências de inteligência, muitas empresas da Internet também são forçadas ou enganadas pelo governo dos EUA na expansão de sua rede de vigilância cibernética e ataque.

Para servir sua coleta de informações e desenvolvimento de armas cibernéticas, os EUA instalaram backdoors em vários produtos de hardware e software, que não passam de um banditismo definitivo, especialistas em segurança cibernética condenados alcançados pelo Global Times.

Por exemplo, a mídia revelou em fevereiro de 2020 que o Serviço Federal de Inteligência da CIA e da Alemanha ( BND ) conseguiu ler as comunicações criptografadas da Crypto AG, uma empresa suíça que produziu sistemas de criptografia para muitos governos, adicionando backdoors em conjunto aos produtos de criptografia da Crypto AG.

De acordo com um relatório da CIA mencionado em um artigo do Washington Post em 11 de fevereiro de 2020, a operação foi apelidada de “golpe de inteligência do século.”

Qin disse que, usando seu poder de gerenciamento da Internet, As agências de inteligência dos EUA projetaram backdoors especiais e os inseriram em produtos que foram previamente submetidos à CIA para uma verificação de rotina antes de serem aprovados para exportação, fornecendo acesso direto a outros países’ redes. Portanto, torna-se arriscado para empresas de outros países usarem produtos desenvolvidos por entidades americanas.

“Com o declínio da hegemonia americana no espaço real, o país fará movimentos mais ousados no ciberespaço”, previu Qin.

Em uma tentativa de prejudicar ainda mais outros países, incluindo a China, em 22 de maio de 2020, o Departamento de Comércio dos EUA adicionou 33 empresas chinesas à sua lista de entidades, a maioria das quais são empresas com foco na tecnologia de IA e são provedores de serviços de comunicação em rede, como Qihoo 360 e Cloudminds, alegando que essas empresas poderiam ameaçar a segurança nacional e a política externa dos EUA.

No entanto, especialistas próximos à comunicação em rede chinesa e à segurança do ciberespaço alcançados pelo Global Times disseram que essas empresas chinesas não espionam outros países, nem têm a capacidade de inserir backdoors no ciberespaço dos EUA.

O comportamento dos EUA de incluir algumas empresas de tecnologia chinesas em sua lista de entidades é um caso típico de bullying tecnológico, disse Qin. 

Todos esses fatos revelaram repetidamente a verdadeira face dos EUA como um poder de bullying e expuseram quem é responsável pela insegurança e instabilidade no ciberespaço, apontou Tang.

Fonte: Global Times

* Os artigos aqui reproduzidos não expressam necessariamente a opinião deste Diário

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.