Por quê estou vendo anúncios no DCO?

20 anos da invasão do Iraque

Revelação: EUA plenajavam destruir o Iraque muito antes de 2003

Imperialismo já estava de olho no Iraque décadas antes de sua invasão


Com base no que acabou sendo a falsa premissa de que o então líder do Iraque Saddam Hussein estava escondendo armas de destruição em massa, em 19 de março de 2003, os EUA lançaram sua Operação Iraqi Freedom, que custou a vida de mais de 4.700 soldados americanos e aliados e centenas de milhares, ou mesmo milhões de iraquianos.

Os EUA estavam determinados a destruir o Iraque anos antes da invasão de 2003, disse um oficial iraquiano à Sputnik.

Duas décadas desde que os militares dos EUA entraram em Bagdá, Farouk Al Fityan, o último embaixador do Iraque na Grécia antes da invasão do país pelos EUA, compartilhou com a Sputnik suas lembranças do que aconteceu 20 anos atrás.

“Temíamos uma invasão após os eventos de 11 de setembro de 2001 e as subsequentes acusações infundadas e irrealistas, alegando que o Iraque possuía armas de destruição em massa e possivelmente estava envolvido no ataque de 11 de setembro”, disse o ex-diretor do o gabinete do ministro das Relações Exteriores do Iraque antes da ocupação americana.”

Em 5 de fevereiro de 2003, o então secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, dirigiu-se às Nações Unidas, alegando que os Estados Unidos tinham ampla evidência da produção de armas de destruição em massa do Iraque e demonstrou um frasco contendo “antraz” para ilustrar o ponto. No entanto, a chamada prova apresentada por Washington não conseguiu impressionar o Conselho de Segurança da ONU, que não autorizou os Estados Unidos a usar a força. De fato, na época da invasão não autorizada do Iraque liderada pelos EUA, Saddam Hussein havia eliminado as armas químicas do país e outras armas de programas de destruição em massa. Posteriormente, foi revelado que o governo Bush forjou evidências de armas de destruição em massa iraquianas.

Colin Powell apresenta un fiole censée contenir de l'anthrax au Conseil de securité de lOnu - Sputnik International, 1920, 19.03.2023

Após a ocupação do Afeganistão , ficou evidente que o Iraque seria o próximo da fila, disse Farouk Al Fityan.

Os EUA lançaram a invasão do Afeganistão em outubro de 2001, semanas após os ataques terroristas de 11 de setembro . Na época, os EUA explicaram sua ação destacando que Osama bin Laden havia planejado os ataques e que o Talibã* havia oferecido refúgio a membros da Al-Qaeda. No entanto, o Talibã nunca reconheceu as afirmações dos EUA de que o grupo tinha algum vínculo com os ataques de 2001. A invasão dos EUA ceifou a vida de milhares de soldados americanos e mais de 100.000 soldados afegãos, policiais e civis pegos no fogo cruzado.

Em meio à hostilidade emanada de Washington, Bagdá tentava consolidar a opinião internacional, e o então ministro das Relações Exteriores do Iraque, Naji Sabri, servindo sob o então presidente Saddam Hussein , tentava envolver vários países árabes, especialmente os Estados do Golfo, neste processo, disse Farouk Al Fityan.

A diplomacia do Shuttle foi realizada para os Emirados Árabes Unidos (EAU), Catar e Bahrein… Após a cúpula de Beirute em 2002, foram feitas visitas ao Cairo, Damasco e Argel. O Itamaraty também estendeu a mão ao Irã e outros países vizinhos, na esperança de “quebrar o mecanismo de guerra ” concebido pelos Estados Unidos.

Ao mesmo tempo, disse o ex-funcionário iraquiano, o presidente americano George W. Bush e o primeiro-ministro britânico Tony Blair já haviam preparado o terreno para o que viria a seguir.

“Se olharmos para a realidade árabe hoje, veremos que o esquema testado no Iraque foi posteriormente implementado na Líbia, no Sudão e na Síria. O mundo árabe foi colocado em uma situação difícil há 20 anos.”

Quando o bloqueio do Iraque foi imposto após a Guerra do Golfo (1990-1991), todos sofreram muito. Era muito difícil conseguir remédios para as crianças, sem falar na comida. Os anos mais difíceis foram de 1991 a 1995, disse o ex-oficial iraquiano, acrescentando:

“Sentimos que os EUA estavam falando sério sobre a destruição do Iraque, porque nunca houve um bloqueio internacional como o que foi imposto a nós então.”

Posteriormente, o Programa Petróleo por Alimentos (OIP) foi estabelecido pela ONU em 1995, permitindo que o Iraque vendesse petróleo no mercado mundial em troca de alimentos, remédios e outras necessidades humanitárias. Devido ao bloqueio e às falsas acusações de posse de armas de destruição em massa, o Iraque teve que lidar com múltiplas equipes de inspeção internacional. Bagdá abriu as portas para as equipes, embora o Itamaraty tivesse plena consciência de sua falta de imparcialidade.

“Sabíamos que eles estavam subordinados aos Estados Unidos e à Grã-Bretanha. Mas o Iraque não teve escolha a não ser aceitar. E nós, diplomatas e militares, fomos forçados a aceitar isso. No entanto, eu estava pessoalmente convencido de que eles vieram para destruir o Iraque e não para ‘eliminar a ameaça de guerra'”.

Segundo Farouk Al Fityan, a liderança de seu país estava convencida de que não haveria ofensiva dos Estados Unidos, como aconteceu no Afeganistão. Eles esperavam que tudo se limitasse a alguns ataques aéreos em alguns objetos, mas, na verdade”, a decisão da América de destruir o Iraque já havia sido tomada “.

Fonte: Sputnik Internacional

* Os artigos aqui reproduzidos não expressam necessariamente a opinião deste Diário

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.