Identitarismo

Qual o sentido de existir cotas para trans?

A proposta aparece como um privilégio e acaba jogando a população contra os transsexuais

Segundo coluna de Mônica Bergamo publicada na Folha de S. Paulo em 28 de junho, o “Governo Lula reservará cota de 2% para transexuais em concurso público”. Algumas organizações da esquerda pequeno-burguesa já adicionaram em seu programa reivindicações como essa, pedindo cota para pessoas trans nas universidades.

Qual o sentido dessa política?

Em primeiro lugar, é preciso compreender por que foram instituídas as cotas para negros nas universidades públicas. A população negra é a esmagadora maioria da população brasileira. Em contradição a isso, é a mais pobre e, portanto, é a com maiores dificuldades de acesso às universidades. A lógica vale também a concursos públicos.

Desse modo, as cotas foi uma reivindicação de organizações do movimento negro para reparar um problema que não era exatamente racial, mas social. Afinal, a maior parte da população mais pobre é composta por negros.

Não é apenas um problema estatístico. Fato é que os negros são o setor mais oprimido da sociedade, ou seja, ocupam a setor mais explorado da população.

Como consequência dessa situação social, o negro tem maiores dificuldades de acesso a um estudo de qualidade no ensino básico, o que logicamente vai interferir no seus desempenho no vestibular.

Apesar de ter esse sentido prático, as cotas são uma medida extremamente insuficiente. No caso das universidades, que foi a origem dessa política, o problema do acesso só será resolvido com o livre ingresso na universidade.

Sem a luta pelo fim do vestibular e o livre ingresso qualquer política de cota é insuficiente e pode até mesmo, em alguns casos, ser prejudicial. É preciso unificar a população na luta pelo direito ao acesso à universidade pública.

Explicado esse ponto importante sobre as cotas, fica claro que pedir cotas para transsexuais, seja na universidade, seja no serviço público, não tem o menor sentido.

Em primeiro lugar, ser transsexual não significa necessariamente que a pessoa teve dificuldades de acesso ao ensino básico. Diferentemente dos negros, cuja situação social objetivamente dificulta o acesso ao ensino de qualidade, não é possível afirmar isso no caso dos trans.

Em segundo lugar, o transsexual é um grupo ultra-minoritário da população. Qual o sentido de favorecer a entrada desse grupo? Se é assim, qualquer outro grupo minoritário deveria receber o direito de cotas o que, em última instância, significa dizer que todos poderiam ter cotas e ao menos tempo ninguém teria o direito de cotas. Deveríamos, então, abrir o acesso às universidades.

Há um problema político sério nessa política. Para a maioria do povo, ela vai aparecer como um privilégio de um grupo social minoritário e objetivamente acaba sendo isso.

Os identitários, cuja histeria impede de raciocinar, vão dizer que os trans são oprimidos. Mas se esse fato é verdadeiro, ele continua sem nenhuma relação com uma necessidade de cotas para esse grupo. É, no fundamental, uma política que serve para dividir a sociedade e jogar essa minoria da população contra a maioria do povo. É uma política prejudicial para os próprios transsexuais.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.