A posição da Rússia

Putin: querem usar o Oriente Médio para atacar a Rússia

Ontem Putin abordou qual a política da Rússia para o confronto entre "Israel" e Palestina, ele condenou o massacre em Gaza e a tentativa de voltar a guerra contra a Rússia

Ontem o presidente da Rússia Vladimir Putin fez importantes declarações em um encontro com líderes religiosos em Moscou. Estiveram presentes judeus, cristão e muçulmanos. O discurso foi publicado no sítio oficial do Cremlim. 

“Presidente da Rússia, Vladimir Putin: Boa tarde, amigos.

Considerei importante reunir-me com vocês, e, em primeiro lugar, gostaria de expressar minha gratidão a todos vocês por apoiar as Forças Armadas da Federação Russa, as Forças Armadas da Rússia e nosso pessoal militar, bem como suas famílias e todos que estão lutando pela Rússia como parte da operação militar especial. Este é meu primeiro ponto, e voltarei a ele mais tarde.

Em segundo lugar, gostaria de discutir com vocês os desenvolvimentos no Oriente Médio e em algumas outras regiões ao redor do mundo, mas principalmente, é claro, o Oriente Médio, porque nos diz respeito. Começarei por aqui.

Todos nós estamos assistindo com preocupação e dor em nossos corações os desenvolvimentos trágicos na Terra Santa, que tem significado sagrado para cristãos, muçulmanos e judeus, para os seguidores das principais religiões do mundo.

Uma nova fase no conflito palestino-israelense já causou a morte de milhares de pessoas, milhares.

A Rússia conhece em primeira mão o que é o terrorismo internacional. Sabemos como é. Sempre sentiremos a dor das perdas insubstituíveis sofridas por nosso país durante os anos da guerra contra o terrorismo internacional.

Gostaria de oferecer minhas sinceras condolências às famílias de israelenses e cidadãos de outros países cujos entes queridos morreram ou ficaram feridos no ataque de 7 de outubro.

Mas também está claro para nós que pessoas inocentes não devem ser responsabilizadas por crimes cometidos por outros. A luta contra o terrorismo não pode ser conduzida com base no princípio notório da responsabilidade coletiva, resultando na morte de idosos, mulheres, crianças, famílias inteiras. Centenas de milhares de pessoas estão sem abrigo, comida, água, eletricidade e assistência médica. Isso é uma verdadeira catástrofe humanitária.

A posição da Rússia no conflito palestino-israelense é bem conhecida e foi explicitamente declarada em várias ocasiões. Ela não é influenciada pelas circunstâncias atuais, mas se baseia nas resoluções do Conselho de Segurança da ONU, que preveem a criação de dois Estados soberanos e independentes, Israel e Palestina. Esta é a chave para um acordo duradouro e fundamental e para a paz no Oriente Médio. Essa tem sido a posição tradicional da União Soviética e depois da Rússia desde 1948.

Nosso objetivo principal é interromper o derramamento de sangue e a violência. Uma escalada adicional da crise representa um risco de consequências graves, altamente perigosas e destrutivas, não apenas para a região do Oriente Médio. Eu tenho enfatizado isso repetidamente em meus discursos, durante numerosas conversas telefônicas e em reuniões pessoais com os líderes de países do Oriente Médio e de outras regiões.

Vemos tentativas feitas por certas forças de incitar uma escalada através do envolvimento de outros países e nações no conflito e do uso deles para seus próprios interesses egoístas, a fim de lançar uma onda de caos e ódio mútuo, não apenas no Oriente Médio, mas muito além. Para isso, estão tentando explorar os sentimentos étnicos e religiosos de milhões de pessoas, o que tem sido sua política – se é que você pode chamá-la assim – há muito tempo, muito antes da crise atual.

Muçulmanos são incitados contra judeus e instigados a travar uma “guerra contra os descrentes”. Xiitas são incitados contra sunitas, cristãos ortodoxos contra católicos. Na Europa, fazem vista grossa para a blasfêmia e vandalismo contra locais sagrados muçulmanos. Em alguns países, glorificam abertamente e oficialmente criminosos nazistas e antissemitas cujas mãos estão manchadas com o sangue das vítimas do Holocausto. Na Ucrânia, estão trabalhando para proibir a Igreja Ortodoxa canônica e aprofundar o cisma.

Na minha opinião, essas ações são claramente projetadas para semear instabilidade em todo o mundo, dividir culturas, povos e religiões mundiais e provocar um choque de civilizações. Tudo se baseia no princípio conhecido de dividir e conquistar. Enquanto isso, eles continuam falando sobre uma obscura “nova ordem mundial”, que, na realidade, é essencialmente a mesma coisa: hipocrisia, duplos padrões, reivindicações de excepcionalismo e domínio global e a preservação do que essencialmente é um sistema neocolonial.

O Ocidente pode ver que o surgimento de uma ordem mundial multipolar está ganhando velocidade, e está implantando todos os mesmos meios, como islamofobia, antissemitismo e russofobia, para dificultar o progresso de países soberanos independentes e dividir a maioria global.

É claro que as forças que estão perseguindo essas políticas ou tentando implementá-las se beneficiam com a epidemia de violência e ódio que não apenas envolve o Oriente Médio, mas outras regiões também, de modo que velhos e novos focos de tensão surjam na Eurásia.

Ao orquestrar em grande parte o conflito do Oriente Médio, estimular e provocar o nacionalismo e a intolerância religiosa em todo o mundo, essas mesmas forças estão, sem dúvida, perseguindo seus objetivos hostis em relação ao nosso país.

Esses objetivos foram declarados abertamente pelas elites dirigentes em alguns países, ou seja, infligir, como eles dizem, uma “derrota estratégica” a nós. Não há nada de novo nisso. Eles querem que o conflito do Oriente Médio, assim como qualquer outro conflito religioso ou étnico no mundo, esteja direta ou indiretamente relacionado à Rússia de uma forma ou de outra ou, para ser mais preciso, para desferir um golpe na Rússia e na sociedade russa. Por isso, eles recorrerão a mentiras e provocações, e usarão pretexto externos e internos para enfraquecer e dividir nossa sociedade e provocar conflitos étnicos e religiosos em nosso país.

Quero enfatizar que hoje uma enorme responsabilidade pelo futuro da Rússia está nas mãos dos líderes da opinião pública, dos líderes de partidos políticos e organizações civis, dos chefes das regiões de nosso vasto país, dos líderes espirituais das religiões tradicionais e de todas as instituições da sociedade civil.

Cada um de nós, independentemente do que digamos ou façamos, deve ser guiado pelo mais importante – e o que é isso? – que são os interesses vitais de nossa nação multiétnica e sempre deve lembrar que a harmonia entre etnias e religiões é a base do Estado russo. Qualquer outra posição é de caráter antirrusso.

Eu sei que os líderes espirituais de cristãos, muçulmanos, budistas e seguidores do judaísmo acreditam que a harmonia e a unidade de nossa sociedade são um valor indiscutível.

Agradeço a vocês por sua abordagem fundamentada e quero destacar a grande atenção que vocês estão dando ao trabalho educacional e aos esforços para promover o diálogo inter-religioso. Pessoas de diferentes religiões trabalham juntas para realizar projetos sociais e obras de caridade. Quero voltar ao que comecei quando disse que apoiaram os participantes da operação militar especial e suas famílias. A contribuição de nossas religiões tradicionais é grande quando se trata de fortalecer os valores familiares, da educação patriótica dos jovens e, é claro, do desenvolvimento harmonioso das relações interétnicas baseadas na concórdia e na compreensão mútua entre pessoas de diferentes etnias e religiões, com diferentes tradições.

Quero enfatizar novamente que somos um povo e temos uma Mãe Pátria. Todos nós temos responsabilidade por sua prosperidade e segurança.

Sugiro que discutamos este assunto.”

Discurso original: http://en.kremlin.ru/events/president/news/72593

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.