Perdendo tempo

Prates na Petrobrás: palavras vazias ante grave crise política

Sem anúncio concreto para mudança de rumo na Petrobrás, com reestatizações, revogação na política de preços internacionais e etc, o governo Lula perde tempo de mobilizar suas bases

A Petrobrás, agora novamente sob um governo eleito pelos trabalhadores, teve a posse de seu presidente indicado por Lula, o senador petista Jean Paul Prates. A expectativa não se traduziu no fato, e o discurso de posse não correspondeu em nada ao momento político.

O governo Lula está acossado por uma campanha de desestabilização, a burguesia atua de forma a paralisar o governo, impedi-lo de avançar em qualquer pauta, e o que Lula tem para seguir é seu apoio na classe operária. A Petrobrás, tanto entre os trabalhadores como no Brasil em geral desempenha um papel fundamental, que deveria ser resgatado, mas o discurso do novo presidente da empresa apenas mencionou a coisa de maneira mais genérica.

Apesar de colocar que a Petrobrás deve ser uma locomotiva do desenvolvimento nacional, que o pré-sal é uma peça chave que tem que ser explorada, aumentar o trabalho com petróleo e gás e investir no refino, a coisa não está acompanhada até o momento de nada concreto, o governo perde tempo em meio a uma situação política muito grave. A Petrobrás deve ser recuperada da destruição do Golpe de 2016 que durou seis anos e só agora foi parcialmente revertido. É preciso colocar como central a reestatização de todos os ativos privatizados, como as refinarias entregues no fim do ano passado, acabar com a política de paridade internacional de preços, que disparou o preço dos combustíveis para o povo e a inflação dos produtos de primeira necessidade, em troca de um aumento absurdo no lucro dos acionistas internacionais, acabar com a terceirização na empresa, contratar os funcionários afastados pela sabotagem orquestrada pelo Golpe, retomar a construção das refinarias que estão paralisadas.

O próprio anúncio do novo presidente da Petrobrás, assim como sua posse, não vieram acompanhados de nenhum anúncio prático, concreto, de ação a ser tomada pela empresa. Isso se dá enquanto a ameaça golpista das forças armadas se denunciou no 8 de janeiro. O governo precisa de maneira urgente se colocar ao lado dos trabalhadores de maneira decidida, ou corre o risco de se desmoralizar frente aqueles que são os únicos que lhe garantem sustentação.

A nomeação de Jean Paul Prates em si não foi boa nesse sentido, despertando desconfiança, visto que Prates tem um passado de alinhamento ao governo Fernando Henrique Cardoso, quando defendeu a privatização da Petrobrás, além de ao longo dos anos ter se colocado contra a política de investimento na indústria nacional e a visão do papel estratégico da Petrobrás para o Brasil, como denunciado pela Associação dos Engenheiros da Petrobrás (AEPET). A falta de anúncios concretos reforça essa desconfiança, o que custa ao governo um apoio declarado que poderia conquistar imediatamente da categoria petroleira e de todos os defensores da Petrobrás.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.