Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Crise

Os sinais da “desdolarização” estão em toda parte

Sistema financeiro dos Estados Unidos está perdendo seu encanto até mesmo para os especuladores


– Radhika Desai, RT

A “desdolarização” está ganhando cada vez mais manchetes e não é preciso procurar muito para encontrar exemplos.

Novas fontes de financiamento não relacionadas ao dólar estão surgindo. Existem novos acordos bilaterais para negociar e emprestar em moedas diferentes do dólar americano. Ainda mais importante, os principais compradores e vendedores de petróleo – Moscou e Riad, tanto quanto Pequim e Nova Delhi – estão concordando em negociá-lo em moedas diferentes do dólar. Esses acordos estão destruindo um dos principais pilares do domínio do dólar desde que a OPEP quadruplicou e depois dobrou os preços do petróleo na década de 1970, dando aos países ao redor do mundo uma razão importante para exigir e reter dólares.

No entanto, muitos analistas continuam a escrever como se o domínio do dólar permanecesse intacto. Claro, esses argumentos são baseados em todos os tipos de suposições falsas. Por exemplo, eles afirmam que o dólar continuará dominando até que a moeda de outro país o substitua ou que isso só acontecerá se outros países buscarem formas de internacionalização que imitam o dólar americano atual.

De certa forma, a discussão é um pouco parecida com a retratada em The Big Short, filme sobre um pequeno bando de banqueiros que apostaram contra o mercado imobiliário e os títulos que nele repousavam nos anos 2000. Tendo feito suas apostas, eles esperaram o colapso do mercado. Sim. No entanto, por um tempo, enquanto a inadimplência das hipotecas aumentou, os títulos em que se baseiam continuaram a subir de valor. Os preços foram impulsionados por investidores estimulados pela famosa afirmação de Alan Greenspan de que não poderia haver uma bolha no mercado imobiliário. Os títulos também não foram rebaixados. As agências de classificação não apenas deram notas altas a lixo de investimento, como passaram a acreditar em suas próprias mentiras. Somente quando as perdas se acumularam e realmente começaram a ser filtradas pelo sistema na forma de déficits de pagamento, a verdade foi reconhecida.

A “desdolarização” também tem seu equivalente às perdas e déficits de pagamento. Considere a recente história do Financial Times, ‘os ‘homens de preto’ da China intensificam o escrutínio de detetives corporativos estrangeiros”. Ele descreve o Ministério de Segurança do Estado chinês usando “métodos familiares a espiões e detetives particulares” para reprimir “detetives corporativos estrangeiros” realizando “due diligence” em investimentos. Eles citam o processo de verificar se uma cadeia de suprimentos envolveu “trabalho forçado de Xinjiang” como exemplo, afirmando que tal diligência é fundamental para atrair investimentos dos EUA.

A peça acrescenta que anteriormente, “os grupos de due diligence sentiram que tinham amplo espaço para operar e que as autoridades entendiam sua importância”, mas agora Pequim intensificou o escrutínio desses escrutinadores por motivos de segurança nacional. Eles lamentam que “as empresas de espionagem eram os guardiões do dinheiro”, mas agora, “[a] sensação de um relacionamento mutuamente benéfico se foi”.

Agora, não faltam motivos para o governo chinês intensificar o escrutínio das informações coletadas por entidades estrangeiras, principalmente norte-americanas. Afinal, é alvo de um conflito norte-americano cujas frentes se multiplicam diariamente. No entanto, este não é o único significado da história. Vai mais fundo do que isso e testemunha a “desdolarização”.

Desde 1971, o papel global da moeda dos EUA se baseia na alegação de que o sistema financeiro denominado em dólar era o mais sofisticado do mundo, com os mais amplos e profundos pools de capital dos quais o resto dos investidores do mundo poderia beber até se satisfazer. Certamente, a expansão da atividade financeira, também conhecida como financeirização, tem sido crítica.

Agora, no entanto, as contradições internas do sistema denominado em dólares americanos estão aumentando. Ao mesmo tempo que está deixando de fornecer aos seus investidores americanos e ocidentais de curto prazo oportunidades de lucro especulativo e de fornecer o modesto investimento produtivo que já fez.

A mais fundamental dessas contradições crescentes é a armadilha em que o aumento da inflação coloca os magos do Federal Reserve. Por um lado, a única maneira de lidar com a inflação sem corroer o poder do capital é aumentando as taxas de juros, mas isso promete derrubar as próprias estruturas financeiras de dívidas improdutivas e especulações das quais depende a riqueza da elite financeira que serve. Por outro lado, se o FED não aumentar as taxas de juros e permitir que a inflação corra desenfreada, ele destruirá o mesmo sistema ainda mais diretamente ao minar o valor da unidade monetária, o dólar americano, sobre o qual todo o sistema se baseia. De que adianta acumular sua riqueza em dólares se eles estão perdendo valor a uma taxa próxima ou até superior à taxa em que a está acumulando?

Se o sistema financeiro dos Estados Unidos está perdendo seu encanto até mesmo para os especuladores, a própria financeirização que ele preside e sobre a qual se baseia o sistema do dólar estadunidense estrangulou, nas últimas décadas, a fonte alternativa de ganho, a economia produtiva dos Estados Unidos. Durante décadas, foi privado do investimento paciente e de longo prazo que sozinho pode torná-lo dinâmico. Hoje, portanto, nem o sistema financeiro nem a economia produtiva dos EUA manterão os dólares fluindo para o sistema do dólar americano. O primeiro, que outrora rendeu lucros – por meio de juros ou especulação – ao retirar os rendimentos da produção, manteve o capital fluindo para o sistema do dólar americano com base em uma expectativa razoável de ganho. Essa situação foi corroída.

Não é de admirar que uma matéria recente do Financial Times comparando os sistemas financeiros dos EUA e da Europa explicasse que, hoje, a UE, com sua base proporcionalmente maior de corporações produtivas capazes de gerar receita de dividendos em vez de ganhos especulativos meramente incertos e cada vez mais arriscados, provavelmente atrair mais dinheiro. E se a Europa parece boa em comparação com os EUA, a China parece ainda melhor.

O dinheiro de todo o mundo está fluindo para os IPOs chineses (ofertas públicas iniciais). Por outro lado, os IPOs nos EUA e no Reino Unido, com as economias mais financeirizadas e produtivamente enfraquecidas, tiveram desempenho péssimo. A razão simples é que a China ainda tem uma economia produtiva e muito mais do tipo de empresas produtivas pagadoras de dividendos estáveis que os investidores agora procuram cada vez mais.

Portanto, a China reprimindo os detetives ocidentais de ‘due diligence’ é apenas mais um sinal de que o sistema financeiro dos EUA e, com ele, o dólar, está perdendo rapidamente os poucos encantos que já teve. A China pode ter tolerado uma certa quantidade de espionagem de investidores financeiros ocidentais quando eles constituíam uma importante fonte de investimento na economia produtiva da China e as relações EUA-China eram muito melhores. Hoje, não apenas deve ser mais vigilante em termos de segurança nacional, com os EUA travando um conflito cada vez maior contra a China, sua economia produtiva está ganhando o favor do próprio capital que está rapidamente perdendo o amor com o sistema financeiro dos EUA. A China não tem incentivo para tolerar a “detecção” dos EUA.

Fonte: RT

*As opiniões contidas neste artigo não expressam, necessariamente, as deste Diário.

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.