Antônio Vicente Pietroforte

Professor Titular da USP (Universidade de São Paulo). Possui graduação em Letras pela Universidade de São Paulo (1989), mestrado em Linguística pela Universidade de São Paulo (1997) e doutorado em Linguística pela Universidade de São Paulo (2001).

Coluna

Os pronomes indefinidos

Fazer referências, porém, sem determinar quem ou o quê

Para encaminhar o tópico gramatical dos pronomes, resta cuidar dos pronomes indefinidos e dos pronomes relativos; para tanto, na coluna de hoje, estudaremos os pronomes indefinidos. Esses pronomes são classificados em variáveis e invariáveis; os pronomes variáveis são aqueles que possuem gênero e número, portanto, variam em masculino e feminino e em singular e plural. Em língua portuguesa, os pronomes indefinidos variáveis são estes; na lista, colocam-se primeiro os masculinos, singular e plural, e depois os femininos, também na ordem singular e plural:

              algum / alguns / alguma / algumas

              nenhum / nenhuns / nenhuma / nenhumas

              todo / todos / toda / todas

              outro / outros / outra / outras

              muito / muitos / muita / muitas

              pouco / poucos / pouca / poucas

              certo / certos / certa / certas

              vário / vários / vária / várias

              tanto / tantos / tanta / tantas

              quanto / quantos / quanta / quantas

              qualquer / quaisquer / qualquer / quaisquer

              Os invariáveis, contrariamente, não possuem gênero nem número; em língua portuguesa, os pronomes indefinidos invariáveis são estes:

              alguém / ninguém / tudo / outrem / nada / cada / algo

Tais pronomes se utilizam sempre em terceira pessoa e para indeterminar, na frase, a pessoa do discurso a que se referem; quando se diz “o aluno chegou”, a pessoa “aluno” está determinada, mas quando se diz “alguém chegou”, a pessoa está indeterminada.

Os pronomes indefinidos, ainda, podem se realizar enquanto substantivos ou adjetivos; na frase “alguém chegou”, o pronome indefinido “alguém” é substantivo. No entanto, quando o pronome indefinido modifica substantivos, ele assume função de adjetivo; na frase “nenhum aluno fez a prova”, o pronome indefinido “nenhum” adjetiva o substantivo “aluno”.

No uso da norma culta, nem sempre o que parece estranho está errado; geralmente, trata-se de formas gramaticais utilizadas com pouca frequência, por isso parecem erradas. Quanto aos pronomes indefinidos, está correto dizer “nenhum aluno fez a prova”; do mesmo modo, está correto dizer “nenhuns alunos fizeram a prova”, pois, uma vez que os pronomes indefinidos variáveis possuem gênero e número, quando eles têm a função de pronomes adjetivos, devem concordar em gênero e número com o substantivo adjetivado.

* A opinião dos colunistas não reflete, necessariamente, a opinião deste Diário

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.