Farsantes

O papel-farsa de Collor na luta dos ianomami

Folha de S. Paulo põe em prática todo o clientelismo da imprensa burguesa a serviço do imperialismo e defende atuação supostamente progressista de Collor com relação a índios

No último dia 30, segunda-feira, a Folha de S. Paulo publicou uma matéria sobre o processo de demarcação da terra indígena em seu sítio. A matéria apresenta um teor clientelista que beira o ridículo, e coloca Collor em posição de “herói”, por sua suposta atuação em “defesa” dos índios ianomami. 

Fato é que a matéria não se esforça em esconder seus interesses alinhados com os interesses dos grandes capitalistas, assim como foi e é Collor, interlocutor do neoliberalismo e cachorro do imperialismo. 

A matéria se inicia apresentando a situação de 1992 e a situação anterior ao ano, ano no qual foi publicado o decreto pelo Presidente na época. É narrada uma verdadeira situação de caos e tragédia, troca de tiro entre policiais federais e policiais militares, explosões de pistas de pouso clandestino, e o jornal afirma que “a situação drástica dos yanomamis já corria o mundo, especialmente após os contatos com brancos por causa da empreitada militar da Calha Norte nos anos 1970 e da invasão de garimpeiros na década seguinte.” 

Em seguida, é apresentado como algo progressista e pró-indígena as movimentações do governo no sentido da demarcação das terras indígenas e criação das reservas por parte de Collor, mas na verdade se trata do contrário. A matéria diz que “o trabalho inicial consistia em avaliar as denúncias e entender o que se passava com os Yanomami, devastados por doenças, drogas, estupros e prostituição, além dos efeitos deletérios do garimpo para a saúde das pessoas e do meio ambiente. As investigações culminariam numa ação declaratória, anos depois, para a demarcação do território.”

Foi então que, depois de algumas movimentações, entraram em contato com Davi Kopenawa. “Foi quando decidimos convidar o Davi [Kopenawa] a aceitar, em nome da Survival, um prêmio. Isso daria plataforma ao Davi na Suécia. E organizamos no parlamento britânico, em Londres, para o Davi falar aos governos europeus da situação, junto à Claudia Andujar. Esse foi o momento chave”, declarou Fiona Watson, uma diretora de pesquisas da Survival International.

Por fim, após denunciar o que qualquer um minimamente consciente da situação dos índios no Brasil com relação à corrupção, conflito com latifundiários, grileiros e garimpeiros vivem, e ainda fingir surpresa, um trecho da matéria se apresenta de forma a induzir o leitor a acreditar que “Collor, durante uma viagem no exterior, ficou preocupado com a imagem do Brasil, em meio aos protestos da Survival e de outras organizações contra as violações de direito dos povos indígenas. Por ter ficado chocado com a imagem do Brasil lá fora, creio que tenha tomado essa ação mais direta, afirma, sobre a criação da terra indígena que permanece a maior do Brasil.”

Após tudo isso e declarar como Collor criou a reserva de 9,6 milhões de hectares para que vivessem os ianomami, o leitor desavisado poderia acreditar no potencial progressista de Fernando Collor de Mello, o que se trata de uma farsa.

Collor é um dos maiores criminosos da história do país, além de ser um dos piores presidentes, que entregou riquezas e propagandeou o neoliberalismo como uma verdadeira máquina a serviço do império norte-americano. Um verdadeiro lesa-pátria. O governo Collor foi um dos primeiros a promover um amplo programa de privatizações, com um plano de privatizar 68 grandes estatais. Além disso, induziu verdadeiro pânico na população com o confisco da poupança, e aterrorizou a classe trabalhadora com o Plano Collor, sob o pretexto de controle da inflação.

Essa análise corrobora com a anterior conclusão do Diário Causa Operária e a política do Partido da Causa Operária, que tem afirmado firmemente o fato de que as reservas não favorecem os índios. Apenas os condena a uma miséria permanente a troco de impedir a exploração de minérios pelo próprio Brasil.

É do interesse do imperialismo e seus serviçais que as terras brasileiras permaneçam intocadas, com suas riquezas aguardando as grandes mineradoras estrangeiras para que elas possam tomar para si nossas riquezas. Por esse motivo, Kopenawa e diversas outras ONG’s, explicitamente financiadas por organizações como a Fundação Ford e outras, que advogam pela “preservação da terra dos ianomami como reservas” lutam tão ferozmente contra qualquer proposta de desenvolvimento de autonomia e modernização por parte dos povos indígenas, criando inúmeros contos da carochinha sobre uma suposta “autodeterminação” que só tem levado a fome e a miséria dos índios e que não existe de fato, tendo em vista que eles, por lei, são impedidos de explorar suas terras como bem entenderem. 

Os vínculos entre o imperialismo, as ONGs e a demarcação de reservas para fazer com que indígenas vivam como animais em um zoológico está sendo amplamente abordada pelo Diário Causa Operária, como na coluna da edição do dia 29/01, “Terra indígena não é área de preservação, índios devem explorá-la”, escrita pelo colunista do DCO, Renato Farac.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.