Entrevista ao Diário

“Não importa que ca* pensam os americanos”, diz Carlos Navarro

"Nossos inimigos não compartilham da mesma vocação do nosso comandante Ortega e de Rosario, de fazer as coisas pelo povo e para o povo", diz o representante da Nicarágua no Foro

Durante a realização do Foro de São Paulo, entre os dias 29 de junho a 2 de julho em Brasília, a equipe do Diário Causa Operária presente entrevistou Carlos Wilfredo Navarro, parlamentar da Nicarágua e membro da junta diretiva da Assembleia Nacional do país governado pela Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN).

Diário Causa Operária (DCO): Como vocês estão vendo o Foro de São Paulo?

Carlos Wilfredo Navarro: Veja, o Foro de São Paulo vai fazer trinta e três anos agora em julho, sendo uma trincheira de defesa dos governos e partidos revolucionários, progressistas e de esquerda. É a trincheira que marca a diferença para enfrentar o imperialismo e já é uma força internacional, que define critérios, que define posições e que garante a solidariedade internacional de todos os povos revolucionários. É um farol, um caminho que tem de ser fortalecido.

DCO: Como vocês vêm essa campanha, as medidas unilaterais que os EUA têm tomado para derrubar governos democraticamente eleitos como os da Nicarágua, da Venezuela e de Cuba, e países que não concordam com os EUA?

Carlos Wilfredo Navarro: O que acontece com as sanções econômicas, com as agressões politicas e as sanções unilaterais, é que no mundo, têm o rechaço total das democracias e das nações, e, portanto, os EUA se colocam no papel hegemônico e totalitário de dono do mundo, que querem impor seus critérios a povos livres, e as sanções são um reflexo dessa luta imperialista agressiva e inimiga dos povos da América, então as sanções são um mecanismo para debilitar a democracia na América e destruir a solidariedade entre os povos da América.

DCO: Muito do que a gente vê sobre a Nicarágua na imprensa brasileira é propaganda norte-americana e negativa, mas pouco se fala sobre os grandes sucessos em termos de políticas sociais levados adiante pelo governo Daniel Ortega. Você poderia falar um pouco sobre esses avanços sociais, do combate à pobreza, à fome, etc.?

Carlos Wilfredo Navarro: Existe um bloqueio nas redes e nos meios de comunicação do império (EUA) que bloqueia todo o conhecimento positivo que pode surgir da revolução, a menos que seja através de notícias falsas e desinformação. Eles não informam sobre nosso país, mas na Nicarágua, há uma revolução social total, e quero lhe dar dados econômicos. Nicarágua, apesar do golpe fracassado, estava crescendo a uma taxa de dez por cento do PIB antes do golpe. O esforço do nosso governo após a pandemia e três furacões está nos permitindo alcançar um crescimento próximo de cinco por cento. No entanto, as cifras econômicas do PIB não refletem o que realmente está acontecendo.

Temos uma cobertura elétrica de noventa e nove ponto vinte e oito por cento no país. Temos uma cobertura de água potável acima de oitenta por cento e uma cobertura de saúde de cem por cento da população. Além dos hospitais que estamos construindo e que representam o melhor sistema de saúde em comparação com a América Central, também estamos transformando caminhões e veículos confiscados do narcotráfico em clínicas com equipamentos de raios-x, exames de Papanicolau e atendimento odontológico. Mais de noventa desses caminhões foram enviados para áreas rurais onde não há cobertura de saúde.

Quando ocorreu o golpe fracassado, os golpistas queimaram mais de vinte clínicas móveis na tentativa de destruir o trabalho que estávamos realizando. Além disso, estamos planejando construir cinquenta mil moradias, não para a classe média ou rica, mas sim para a classe pobre e humilde.

Quanto à educação, a cobertura é total, com centros escolares em todo o país. Nosso sistema de saúde é o melhor da América Central, com as melhores estradas da região e algumas das melhores taxas de gênero e família. Em comparação com a América Latina, ocupamos o primeiro lugar em questões de gênero e família e o sétimo lugar no mundo.

A participação das mulheres é significativa em nosso parlamento, com cinquenta e cinco por cento de mulheres na legislatura, incluindo quatro das sete posições na junta diretiva do parlamento e cinquenta e cinco por cento do gabinete do comandante Ortega é composto por mulheres. A Corte Suprema de Justiça é presidida por uma mulher, assim como o Conselho Supremo Eleitoral. Além disso, muitas outras mulheres desempenham papéis importantes em nossa sociedade.

Na Nicarágua, a universidade é totalmente gratuita e a cobertura universitária também é gratuita. Além disso, nosso sistema de transporte público é altamente subsidiado, permitindo que os passageiros percorram a cidade de Manágua por apenas cinco centavos de dólar. Subsidiados também estão a água, energia elétrica e telefone para deficientes e idosos.

Poderia continuar mencionando tantas coisas que estamos fazendo, tantas transformações que estamos implementando e que nos permitem afirmar com força e determinação que não seremos detidos. Temos o apoio de uma população que, na última eleição, contou apenas com os militantes do FSLN (Frente Sandinista de Libertação Nacional), que somam mais de dois milhões de membros. No entanto, com a cobertura social que fornecemos, estamos alcançando setenta por cento da população, conforme demonstrado pelo último resultado eleitoral. Isso não é compreendido pelo imperialismo, nem por nossos inimigos, porque eles não compartilham da mesma vocação do nosso comandante Ortega e de Rosario de fazer as coisas pelo povo e para o povo. É por isso que Daniel diz: “o povo é o presidente.”

DCO: Última pergunta, você considera os ataques contra a Nicarágua são porque os EUA querem esconder o grande sucesso que vocês (FSNL) e outros partidos socialistas da América Latina com o trabalho social e a defesa dos interesses dos mais pobres?

Carlos Wilfredo Navarro:O crescimento está sendo reconhecido pela CEPAL e há outro dado interessante enfrentado pela agressão norte-americana. Os norte-americanos estão tentando bloquear o financiamento internacional para a Nicarágua, a fim de prejudicar a saúde, a educação e todas as conquistas, no entanto, a CEPAL, o Fundo Monetário Internacional e mesmo o Banco Centro-Americano estão afirmando que a Nicarágua é o melhor pagador dos empréstimos internacionais na América Latina. Isso significa que não podem nos atacar de forma alguma.

A razão pela qual os Estados Unidos ocultam todas essas conquistas e benefícios é porque eles estão contra nós. O que eles querem é impor um sistema semelhante à época de Somoza, onde governo fazia o que os norte-americanos diziam. Em nosso país, neste momento, o governo obedece apenas ao povo e não nos importa que caralhos pensam os norte-americanos, pois eles não vivem na Nicarágua, não são nicaraguenses e não votam na Nicarágua. Quem vota na Nicarágua são os nicaraguenses, e os Estados Unidos nunca dirão algo favorável a nós. Como um colega meu disse esta manhã, se os Estados Unidos começarem a falar bem da Nicarágua, fico assustado, fico preocupado porque algo estranho está acontecendo.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.