Egito

Morsi, presidente que tentou ajudar Gaza e foi deposto por Israel

Durante 18 meses, após a derrubada do presidente, a violência nas ruas do Egito levou à morte de 2600 pessoas, 550 civis e 700 policiais

Sendo o modus operandi do imperialismo destituir governos que vão contra seus interesses, Mohammed Morsi, primeiro presidente eleito democraticamente no Egito em 2012, com ideais progressistas e defensor dos oprimidos, foi derrubado por um golpe militar no ano seguinte (2013), condenado a 45 anos de prisão, vindo a morrer em 2019 diante do tribunal, aos 67 anos, quando falava na tribuna para um juiz.

Morsi era um dos principais membros do Partido da Liberdade e Justiça quando, exatamente a um ano da sua posse, começaram os “protestos” pedindo-lhe que se retirasse do poder. O chefe das forças armadas, general Abdel Fatah Al-Sisi, anunciou na televisão estatal que estava a suspender a constituição e nomeou Adli Mansour, chefe do tribunal constitucional, como presidente interino. Um ano após o golpe, em uma eleição totalmente duvidosa, Al-Sisi foi eleito presidente com mais de 96% dos votos.

O presidente deposto também era uma liderança da Irmandade Muçulmana, entidade que logo após o golpe foi extremamente perseguida pelos militares e atualmente é considerada um grupo terrorista pelo governo egípcio. É óbvio que um dos principais motivos da derrubada de Morsi era sua luta em defesa dos palestinos. Morsi foi membro-fundador do Conselho do Egito para a Resistência contra o projeto sionista, se tornando assim uma pessoa indesejada para os planos do imperialismo para a região.

De acordo com o jornal de notícias Monitor do Oriente Médio, já em seu discurso de posse Morsi reivindicava os direitos dos palestinos. Na Universidade do Cairo, em 30 de junho de 2012: ‘Anuncio aqui que o Egito, seu povo e sua instituição presidencial permanecem ao lado do povo palestino até que reconquistem seus direitos’.” – afirma o jornal. Morsi, também defendia que a Palestina deveria ser um Estado independente, soberano com Jerusalém como capital e com pleno direito de retorno aos refugiados.

Morsi foi a primeira liderança significativa do Egito a entrar na Faixa de Gaza desde o início da ocupação israelense em 1967, abrindo assim o caminho para várias outras lideranças regionais a fazer o mesmo. Vendo o sofrimento do povo em Gaza, o governo decide considerar a abertura permanente da Travessia de Rafah para o livre movimento de pessoas e bens. Sua administração não perdeu tempo em acelerar este processo. Uma pequena abertura foi concretizada antes do golpe de Estado. 

Por toda a imprensa ligada ao imperialismo, Morsi era considerado como um apoiador e colaborador de “terroristas” por contas de suas amizades e negociações com várias lideranças da resistência armada palestina, principalmente o Hamas e seus laços políticos com o governo do Irã. Uma frase sua que ficou marcada na história, dada logo após um bombardeio de Israel sobre a Faixa de Gaza que matou quase 2 dezenas de pessoas incluindo crianças e ferindo mais de uma centena e meia, foi a seguinte:

 “Digo a eles, em nome de todo o povo egípcio, que o Egito de hoje não é o Egito de ontem e que os árabes de hoje são diferentes dos árabes do passado.” 

Como não poderia ser surpresa para ninguém alguns anos depois do golpe contra Morsi, o Brigadeiro-General do exército israelense, Aryeh Eldad, num jornal local (jornal Maariv), afirmou que Israel trabalhou ativamente para derrubar Mohammed Morsi. “A eclosão da revolução de Janeiro coincidiu com a avaliação da segurança israelense de que o presidente eleito Mohamed Morsi, um homem da Irmandade Muçulmana, pretendia cancelar o acordo de paz com Israel e enviar mais forças militares egípcias para a Península do Sinai.” afirmou o militar israelense.

Eldad também aponta como os Estados Unidos e todo o imperialismo se envolveu diretamente na queda do presidente do Egito. De acordo com o General, “Israel foi rápido e disposto a ativar as suas ferramentas diplomáticas, e talvez meios ainda maiores, para levar Abdel Fattah Al-Sisi ao poder no Egito, e convencer a então administração dos EUA, sob o presidente Barack Obama, a não se opor a esta medida.”

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.