Rio Grande do Sul

Metroviários de Porto Alegre preparam paralisação no dia 23

Trabalhadores reivindicam a troca da direção e que o governo Lula retire a empresa da lista de privatizações

Trabalhadores da Trensurb decidiram seguir em estado de greve, após assembleia da categoria organizada pelo Sindicato dos Metroviários do Rio Grande do Sul (Sindimetrô). 

Durante a segunda-feira (8), foi realizada uma paralisação, como forma de protesto: a direção da empresa ainda é a mesma do governo Bolsonaro.

Com a retomada normal da operação de trens na manhã desta terça-feira (8), a categoria anuncia que permanece em estado de greve e que pretende realizar uma nova paralisação no dia 23 de maio.

Os trabalhadores reivindicam a troca da direção e que o governo Lula retire a empresa da lista de privatizações. A Trensurb, empresa pública e federal, foi inserida, pelo governo Bolsonaro, no chamado Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), que elencava bens e empresas públicas que pretendiam ser privatizados e/ou concedidos à iniciativa privada. Cerca de um ano depois, a empresa foi inserida no Programa Nacional de Desestatização (PND), com o mesmo objetivo.

“Sabemos que a concessão significa o aumento da tarifa e a piora do serviço essencial à população gaúcha. Exigimos uma ação imediata do governo federal para a retirada da Trensurb da lista de privatizações”, afirmou comunicado do Sindimetrô.

Apesar dessa reivindicação ainda não ter sido atendida, a categoria comemorou decisão favorável emitida pelo Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT4). Após o anúncio da greve, a direção da empresa entrou na justiça contra a mobilização. Uma mesa de mediação aconteceu na manhã de ontem, onde o TRT4 decidiu pela legalidade do movimento grevista, além da prorrogação do acordo coletivo até que a nova direção da empresa seja nomeada.

Por fim, a categoria também decidiu formar uma comissão que irá até Brasília em data próxima para “pressionar parlamentares e aliados do governo federal. O foco é o contato com o ministro da Casa Civil, Rui Costa, que está responsável pelo processo de venda da Trensurb”.

Posição da direção de empresa

A Trensurb protocolou ação judicial declaratória de abusividade de greve junto ao Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região na sexta-feira (5), considerando o anúncio de paralisação por 24h nesta segunda-feira (8), feito pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Metroviários e Conexas do RS (Sindimetrô-RS). Empresa também entrou com ação de interdito proibitório a fim de preservar o patrimônio e o livre funcionamento da companhia.

*As opiniões contidas neste artigo não expressam, necessariamente, as deste Diário.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.