Em dívida

Marisa entra na esteira de empresas falidas

A política monetária adotada pelo presidente do Banco Central Campos Neto caminha na direção do aumento das falências, até mesmo de grandes empresas no Brasil

Recentemente a famosa Lojas Marisa está na mira das empresas com muita dificuldade econômica nos últimos anos. Os jornalões da burguesia em algumas matérias ressaltam esse aspecto, afirmando que a varejista Marisa entrou na Justiça pedindo a falência da empresa devido a dívidas de R$882.797,84. A MGM Comércio de Acessórios de Moda diz que a Marisa lhe deve R$ 363.562,44. Já a Plasútil Indústria e Comércios de Plásticos afirma que a varejista deve a ela R$ 173.501,42. A Oneflip Indústria e Calçados fala em uma dívida de R$ 345.733,98.

A Marisa será intimada para dar resposta em dez dias e poderá depositar integralmente os valores devidos para evitar a falência. Outra opção seria pedir recuperação judicial nesse período.

A negociação de uma dívida de mais de meio bilhão de reais com os bancos é o indicativo de que os empréstimos com esse setor de fato é o maior dos problemas das Lojas Marisa. Com juros nas alturas, até mesmo as grandes empresas se tornam inviáveis e muitas insolventes ao longo do tempo. Esse roteiro está sendo seguido à risca pelas Lojas Marisa.

Desde o golpe, com maior intensidade e ainda acelerado com a gestão econômica centralizada nas mãos de Campos Neto e sua taxa básica de juros nas alturas, a economia brasileira apresenta um quadro de degradação que já atinge empresas maiores e tradicionais, no comércio e especialmente indústria. O chamado “rentismo”, que dá prioridade a especulação financeira de bancos e outros agiotas nacionais e estrangeiros obriga o país a permanecer numa “eterna” recessão econômica.

As extraordinárias taxas de juros no Brasil têm um ponto de referência denominado de SELIC (sistema de liquidação e de custódia), também conhecido como taxa básica de juros da economia. Essa taxa básica orienta o percentual a serem negociados os títulos da dívida pública federal e que geralmente pagam acima da taxa básica, que já é a maior do mundo hoje. Quanto maior é a taxa de juros maior será a dívida pública federal porque o montante que remunera esses títulos vem do Tesouro Nacional (guardião do orçamento público federal) que passou a ser obrigado ao longo do tempo a repassar os recursos orçamentários do Estado brasileiro ao Banco Central que remunera os títulos negociados por ele. O Banco Central lança um título com uma determinada taxa de juros e os bancos e outros especuladores compram com o objetivo de lucrarem com os absurdos juros oferecidos nesses contratos com os títulos. Com isso, a dívida pública aumenta e cada vez mais consome uma fatia ainda maior do orçamento público, que ao invés de reverter em políticas públicas sociais e de infraestrutura caminha para pagar os donos dos títulos da dívida pública (geralmente bancos e aplicadores em fundos de pensão e investimento).

Mas, o impacto dessa política neoliberal desastrosa não permanece apenas no setor público e na cadeia de investimentos das empresas estratégicas brasileiras como também contamina o setor privado nacional. Até mesmo grandes empresas estão sentindo o impacto fulminante da política econômica reacionária administrada por Campos Neto no Banco Central.

Com a taxa básica de juros nas alturas a política creditícia se torna restritiva, os financiamentos às empresas e os investimentos inviabilizados devido a estratosférica taxa de juros. Quanto maiores os juros melhores condições os aplicadores terão para comprarem títulos públicos e lucrarem sem receio de riscos e perdas no “investimento”. Um custo de oportunidade que não existe em lugar nenhum do mundo, isto é, rentabilidade mais alta, custos e riscos baixíssimos ou inexistentes. Quem irá arriscar investir num projeto produtivo que exige uma alocação de capital muito elevada, num mercado incerto em termos de demanda e custos e riscos dos mais variados?

Empresas do ramo da indústria e comércio percebem nitidamente que a renda do brasileiro despencou nos últimos anos e os financiamentos tornaram-se inviáveis devido às enormes exigências e restrições. A taxa de juros penaliza duramente também os maiores grupos econômicos de alguns ramos de atividade devido a sua incapacidade de ampliar investimentos e arcar com os custos de produção.

O governo Lula impulsionado pela mobilização popular poderá reverter esse quadro, ao contrário de muitos que consideram a saída de Campos Neto do Banco Central negociável com o Congresso golpista e entreguista. O exemplo de uma grande cadeia de lojas nessa situação mostra o tamanho do problema a ser enfrentado em termos de mudança na política econômica, que hoje está centralizada no Banco Central do bolsonarista Campos Neto, herdeiro do mais famoso golpista da ditadura.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.