Bruxelas

Manifestações na França se espalham para Bélgica

Ao menos 64 pessoas foram presas

Motins em todo o país desencadeados pelo tiroteio fatal pela polícia francesa de um menino de 17 anos se espalharam para a Bélgica na quinta-feira, desencadeando o caos que resultou em 64 prisões, revelou a polícia de Bruxelas na sexta-feira. 

Entre os detidos estão 47 menores e 16 adultos que foram detidos administrativamente, disse a polícia em um comunicado na sexta-feira. Outro menor, que teria sido visto espancando um policial, foi preso e interrogado, mas liberado na sexta-feira. 

Multidões de jovens se reuniram em Bruxelas na noite de quinta-feira, usando encontros nas redes sociais para fugir das autoridades e mudando de local quando a polícia se aproximava demais. Como os manifestantes se estabeleceram no bairro de Anneessens e nas proximidades da Estação Midi como alvos de sua raiva, a estação de metrô Anneessens foi fechada durante a noite e os ônibus que passavam pelo bairro foram parados ou redirecionados. 

Um vídeo postado nas redes sociais mostra manifestantes incendiando carros e até prédios e espalhando lixo pelas ruas como barricadas rudimentares. A polícia local disse ao Brussels Times que dez pessoas foram presas por jogar pedras de pavimentação em policiais. 

O tiroteio à queima-roupa de terça-feira contra o adolescente franco-argelino Nahel M. durante uma parada de trânsito suburbana em Nanterre provocou três noites de tumultos em toda a França. Cerca de 667 pessoas foram presas em todo o país na noite de quinta-feira, quando as forças policiais quadruplicaram seu número nas ruas, mobilizando 40.000 policiais que incluíam unidades antiterroristas e táticas. 

A agitação teria começado como protestos pacíficos antes de se tornarem violentos nas mãos de adolescentes armados com fogos de artifício, coquetéis molotov e outras armas improvisadas. Embora o policial que atirou no jovem de 17 anos tenha sido acusado de homicídio, esse anúncio não afetou a violência. 

Muitas partes da França já estão sob protestos há meses, enquanto os moradores denunciam as reformas previdenciárias de Macron. Os principais sindicatos da França prometeram não recuar até que Macron capitule.

Fonte: RT

*As opiniões contidas neste artigo não expressam, necessariamente, as deste Diário.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.