Devastação na Faixa de Gaza

Mais de 14 mil mortos e 300 escolas destruídas: Gaza em ruínas

Até o presente momento, somam-se 14.854 mortos, dentre os quais 6.510 crianças, tornando o massacre perpetrado por “Israel” o mais mortal para crianças nos últimos tempos

Os números mais recentes da destruição provocada pelo Estado de Israel contra a Palestina mostram uma destruição colossal da Faixa de Gaza. Somam-se 14.854 mortos, dentre os quais 6.510 crianças, tornando o massacre perpetrado pelos sionistas o mais mortal para crianças nos últimos tempos, mais que as guerras dos Estados Unidos contra a Síria, o Afeganistão, o Iêmem, a Ucrânia (utilizando-a como bucha de canhão contra a Rússia) e o Iraque. Ademais disto, já foram assassinadas 4 mil mulheres. Um verdadeiro genocídio. Esse número é, provavelmente, deveras maior. Afinal, há também mais de 7 mil desparecidos, dos quais mais de 4,7 mil crianças.

Em relação aos feridos, tem-se aproximadamente 36.000. Com esse gigantes número de feridos, e com os hospitais quase todos destruídos e/ou fora de operação, o número de mortos tende a seguir aumentando em ritmo galopante.

Hospitais destruídos

Nesse sentido, o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) informou que “dos 24 hospitais que operavam no norte antes da guerra, 22 estão fora de serviço ou incapazes de admitir novos pacientes” e que “dos das 11 instalações médicas no sul, oito estão atualmente funcionais”. Foi igualmente informado pela entidade que “a capacidade de leitos em Gaza diminuiu de 3.500 antes da guerra para 1.400 atualmente, em meio a um aumento no número de pessoas que procuram tratamento”.

Confirmando que Israel vem tolhendo dos palestinos inclusive seu direito de cuidar de seus feridos, a OCHA também constatou que “apenas um dos hospitais atualmente em funcionamento tem capacidade para tratar casos de trauma crítico ou realizar cirurgias complexas”. Para piorar, e confirmando a natureza nazista e genocida do Estado sionista, mesmo a OMS (uma organização do imperialismo, diga-se de passagem) teve de reconhecer que “pelo menos 553 pessoas foram mortas em 178 ataques a instalações médicas em Gaza entre 7 de outubro e 21 de novembro, e que a maioria dos hospitais em Gaza já não funciona”.

Ataques a mesquitas, escolas, professores e jornalistas

Mas o escopo da destruição desatada por Israel é mais amplo. Tentaram, embora sem sucesso, varrer toda a Palestina do mapa. Atacaram até mesmo locais de culto. Foram 88 mesquitas destruídas, 174 danificadas, 3 igrejas alvos de ataque. Também não se pouparam escolas, das quais 300 destruídas. Quanto aos professores, 183 foram mortos.

“Israel” foi fundada sobre mentiras, e sempre precisou de mentiras para manter uma existência relativamente estável, como ponta de lança do imperialismo na região. Para isto, valeu-se de uma máquina de propaganda especializada em falsificar da realidade. Assim, nada mais natural ao sionismo do que assassinar jornalistas e destruir veículos de imprensa, que foi exatamente mais um de seus feitos desde o dia 7 de outubro. Foram 140 jornais ou agências de imprensa destruídas ou danificadas. Quanto aos jornalistas, um total de 62 já assassinados, segundo a organização Euro-Med Monitor, com sede em Genebra.

Gaza: 45% das moradias destruídas e 70% da população deslocada

Para além disto, e mostrando que o Estado de Israel e os sionistas tinham como plano expulsar todos os palestinos de Gaza, o bombardeio incessante do enclave resultou na destruição ou danificação de mais de 45% das moradias locais. Foram 59.240 destruídas, enquanto que 165.300 tiveram sua estrutura profundamente danificada. Tais fatos resultaram na deslocação forçada de 1,7 milhões de palestino (mais de 70% da população de Gaza).

O Estado nazista, em sua tentativa de subjugar os palestinos, também recorreu a armas químicas, realizando mais de mil ataques de fósforo branco, conforme contabilizado até o último dia 16 pelo Euro-Med Monitor.

No total, desde o início do genocídio perpetrado pelo sionismo contra Gaza, Israel despejou mais de 25 mil toneladas de explosivo contra o enclave. Isto foi maior que o peso relativo das duas bombas nucleares que os Estados Unidos lançaram sobre Hiroshima e Nagasaki, na Segunda Guerra Mundial, bombardeio este estimado em 15 mil toneladas de explosivos. Igualmente, o bombardeio de Gaza já superou o de Dresden, no que diz respeito à quantidade bombas detonadas, quando os EUA e o Reino Unido despejaram sobre civis alemães 3,9 mil toneladas de bombas.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.