Governo brasileiro

Lula declara que governar está difícil: é preciso mobilizar!

Na defensiva, Lula abriu mão de suas bases em nome de acordos no Congresso que a burguesia não está em posição de aceitar

Na última sexta-feira, 8 de dezembro, em meio à Conferência do PT, que encerra ao término do fim de semana, em Brasília, o presidente Lula deu uma série de declarações importantes, mas que apontam a continuidade de um grande erro político:

“Nós dedicamos este ano a recuperar o Brasil. Nós tivemos que reconstruir coisas com uma base parlamentar menor do que já tivemos. Ficou mais difícil [governar], é preciso ter paciência. Muitas vezes, a gente cede quando não poderia ceder. E muitas vezes a gente conquista coisas quando a gente pensava que não ia ganhar”.

No entanto, a base do PT ou da esquerda nunca foi majoritária no Congresso. Não é esse o ponto fundamental. A dificuldade do momento se dá em função da crise do imperialismo que se aprofunda a cada dia. Frente a essa crise, a burguesia e o imperialismo não estão em condições de ceder nem um milímetro com a exploração, e em todos os países do mundo.

A negociação no Congresso, a partir daí, é um erro, posto que simplesmente não será possível “recuperar o Brasil”, dado que a economia imperialista não aguentaria tal recuperação. A crise, afinal, é de superprodução. Lula, portanto, ao manter esta política, só pode ficar na defensiva. Para conquistar qualquer medida mais significativa pela via institucional é necessária uma mobilização grande da classe trabalhadora, que de fato imponha na marra as suas pautas, e a situação seria colocada não sob o controle do próprio Lula, mas das massas operárias.

“A base originária que motivou nossa criação está muito modificada, a classe operária não é mais a mesma, o povo não é mais o mesmo. Precisamos aprender a construir o discurso para falar com essa gente. O metalúrgico de São Bernardo, que ganha 8 mil reais, já não quer mais votar na gente. Essa pessoa ficou ruim? Não, ela elevou o padrão de vida dela e nós não aprendemos a conversar com ela. Essas eleições municipais vão servir para a gente aprender a discutir na cidade.”

O fechamento de fábricas e de setores inteiros da indústria, o desemprego e o arrocho salarial assolam os trabalhadores. O problema também não é aumento algum de padrão de vida. O povo está na miséria, na rua da amargura. A melhora econômica foi muito superficial frente à destruição do golpe de 2016 até hoje.

A última colocação é uma demonstração do erro. Sair da situação atual através de uma “mobilização eleitoral” já não deu certo. A eleição do próprio Lula foi o último momento de grande mobilização popular no Brasil, e deu na situação que temos agora. Não é possível uma mobilização que ocorre só em período eleitoral, essa é a mesma tática utilizada todos os anos.

“Não podemos ter candidato querendo comprar apoio de líder de bairro. Apoio a gente conquista.”

“Este partido precisa voltar a ser como era no começo para reconquistar a credibilidade. Hoje, a gente sabe que é muito difícil a disputa eleitoral como ela está colocada.”

“Eu prometo ser um bom cabo eleitoral fazendo as coisas corretas para vocês sentirem orgulho daquilo que está acontecendo no Brasil. A gente não vai falhar, a gente não vai errar.”

O direcionamento para as ruas está correto, mas é também uma repetição. Continuar cedendo não mobiliza as pessoas. Meias medidas não despertam ânimo militante em ninguém. O “retorno às ruas” já é quase um lema do PT, repetido a todo momento. A ida às ruas precisa ser efetivada, organizada, com campanhas concretas. Que campanha o PT tem no momento? A Palestina? O salário mínimo? Não se vê nada.

Caso o PT e o governo continuem com a mesma política, a situação de difícil passará a ser completamente insustentável. É preciso interromper os passos atrás, e dar um à frente, mobilizar já! Quanto mais difícil a correlação de forças, mais urgente a mobilização.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.