Culpa do imperialismo

Líder sérvio-bósnio diz fazer tudo contra sanções antirrussas

O presidente da República Srpska (autonomia sérvia na Bósnia e Herzegovina), Milorad Dodik, chegou a Moscou em 23 de maio para se encontrar com o presidente russo

O presidente da República Srpska (autonomia sérvia na Bósnia e Herzegovina), Milorad Dodik, chegou a Moscou em 23 de maio para se encontrar com o presidente russo, Vladimir Putin. Dodik e Putin mantiveram conversações bilaterais em Moscou na terça-feira (23).

Era esperado que os líderes discutissem uma ampla gama de tópicos, incluindo questões regionais e globais. Dodik assumiu o cargo de presidente da República Srpska em novembro do ano passado. Seu último encontro com Putin ocorreu no Kremlin em setembro de 2022.

O presidente da República Srpska, Milorad Dodik, em entrevista à Sputnik Sérvia, falou sobre suas impressões após o encontro com Vladimir Putin em Moscou e quais tópicos os dois líderes conseguiram discutir.

Presidente da Republika Srpska Milorad Dodik e jornalista do Sputnik Sérvia Nikolina Tesla - Sputnik Brasil, 1920, 24.05.2023

Presidente da Republika Srpska Milorad Dodik e jornalista do Sputnik Sérvia Nikolina Tesla

© Sputnik / Anastasia Galanina

O líder sérvio-bósnio disse que teve as melhores impressões do encontro com o presidente russo, tendo tratado com ele das relações bilaterais entre a Rússia e a República Srpska e do desenvolvimento da cooperação entre os dois países.

“Nossa cooperação está em nível estratégico, sendo muito importante. Abrange as esferas da economia, cultura, educação e esportes. Nosso volume de negócios aumentou de 5 a 6%. Como chefe da República Srpska [RS], estou muito satisfeito que a Rússia seja uma força global, um dos líderes mundiais, mostrando interesse na cooperação com a RS”, afirmou ele.

Falando sobre os acordos alcançados, o líder sérvio-bósnio disse que a Federação da Rússia e a República Srpska continuam a desenvolver a cooperação produtiva no setor de petróleo.

“Nós concordamos em passos importantes, ou seja, no desbloqueio do processo de construção de gasoduto [instalação de gasoduto para conectar Banja Luka com o sistema de transporte de gás da Sérvia e obter gás da Rússia. A realização deste projeto resiste teimosamente a Sarajevo]”, observou.

Ele também enfatizou que o preço de compra do gás russo para a República Srpska permaneceria sendo o mesmo.

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), o seu papel destrutivo e a relutância da RS em aderir à aliança também foram abordados.

O líder sérvio-bósnio lembrou que a aliança bombardeou os sérvios (24 de março de 1999). Para os sérvios, o bombardeio não só causou perdas humanas e materiais, mas os efeitos do urânio empobrecido continuam a afetar até hoje.

“Essa é a nossa natureza enquanto povo: não podemos aceitar de braços abertos aqueles que nos bombardearam e mataram. A OTAN ‘treinou’ nos sérvios, destruindo o país [Iugoslávia] mesmo sem autorização do Conselho de Segurança da ONU. Eles se certificaram de que nunca poderíamos levantar a questão das reparações de guerra e exigir compensação pelos danos que haviam causado”, apontou Milorad Dodik.

E como podemos ingressar na OTAN depois disso? E para quê? Que tipo de pessoas seríamos depois disso?”, indagou.

Em relação à operação militar especial russa, o presidente da República Srpska observou que compartilha posição neutra e compreende a posição da Rússia, enfatizando que: “A Rússia foi forçada a entrar no conflito na Ucrânia.”

O Ocidente lançou bombas sobre os sérvios e decidiu que é possível com a Rússia. Mas não, com a Rússia é impossível. O presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, concordou em ser um guia para as forças antirrussas e levar a OTAN às fronteiras da Rússia. Esta é a sua escolha. Seu povo está sofrendo por causa disso. Não porque Vladimir Putin queria. Ninguém ouviu quando ele [o presidente russo] disse que a OTAN não deveria se aproximar das fronteiras russas.”

Ele também ressaltou que tal reação do Ocidente é compreensível, porque anseia por recursos naturais da Rússia, mas então o líder russo apareceu e disse que os interesses da Federação da Rússia viriam primeiro. E o Ocidente não gosta de um homem pensando em seu povo e Estado.

No final, os líderes também conseguiram condenar as sanções antirrussas. Milorad Dodik observou que graças à República Srpska, a Bósnia e Herzegovina não tomou uma única decisão de aderir às sanções antirrussas porque “não queremos fazer parte das decisões” dos que apoiam as restrições.

Acrescentando que há embaixadores individuais da Bósnia e Herzegovina que, por um desejo de agradar ao Ocidente, afirmam ter aderido às sanções.

“Não existe uma decisão a nível da Bósnia e Herzegovina sobre a aplicação de sanções antirrussas. Não apoiaremos as sanções contra a Rússia sob qualquer forma. Esta é a nossa decisão e não temos qualquer intenção de a alterar“, enfatizou Dodik.

Fonte: Sputnik

* Os artigos aqui reproduzidos não expressam necessariamente a opinião deste Diário

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.