Carteira de Identidade

Governo Lula permitiu documento colonial

Novo Registro Geral será emitido não apenas em português, mas também na língua inglesa

Nas últimas semanas, muito tem se discutido o novo documento de identidade, apresentado pelo governo Lula. Enquanto a imprensa capitalista tem dado bastante destaque aos chiliques da esquerda pequeno-burguesa, para quem o novo RG seria “transfóbico”, pois exibiria o “sexo”, e não o “gênero” do portador do documento, pouco tem se comentado sobre um problema de extrema gravidade: o uso da língua inglesa no Registro Geral.

Conforme pode ser visto na imagem que ilustra este artigo, os títulos “Nome”, “Nome social”, “Registro geral”, “Sexo”, “Data de nascimento”, “Nacionalidade”, “Naturalidade” e “Data de validade” aparecem ao lado de suas respectivas traduções para a língua inglesa.

O novo RG é um insulto – e, inclusive, ilegal. É previsto pela Lei brasileira que todos os seus documentos devem ser redigidos em língua portuguesa. Nada diferente poderia ser esperado. Por acaso o documento de identidade dos norte-americanos e dos britânicos são redigidos também em português?

Recentemente, o governo nacionalista do Mali, que vem tendo enfrentamentos cada vez mais radicais com a França, determinou a proibição do idioma francês nas escolas. A medida foi vista como parte do esforço do país africano de se tornar enfim independente do imperialismo europeu.

Acontece que, por mais justificável que seja o caso do Mali, o francês é a língua oficial do país há muito tempo. Ainda que haja uma relação muito hostil hoje entre a população do Mali e o governo francês, seria compreensível, até mesmo por questões práticas, manter a língua francesa nos estabelecimentos africanos. No entanto, esse sequer é o caso do Brasil: nosso País nunca foi colônia dos Estados Unidos, nem da Grã-Bretanha.

Ao permitir que tal documento fosse emitido, o governo Lula está, portanto, permitindo uma agressão contra o País. Uma agressão, inclusive, que não é um raio em céu azul, mas parte de uma série de iniciativas dos Estados Unidos de assumir um controle ainda maior sobre o País. Obrigar os brasileiros a usar documentos com a língua inglesa é uma iniciativa semelhante, por exemplo, à atuação de Organizações Não Governamentais (ONGs) que estão ensinando a língua inglesa para os índios e desestimulando que estes usem o português. Ao mesmo tempo em que as ONGs fazem isso, o exército norte-americano vai se infiltrando com suas tropas na Amazônia. Por este exemplo, fica óbvio que o problema do uso da língua inglesa pelo Estado brasileiro não está somente na própria língua inglesa, mas sim no fato de que isso abre o caminho para uma verdadeira intervenção estrangeira no País.

Outro caso muito importante que mostra como o uso da língua inglesa vai muito além de um problema puramente “cultural” é o Projeto de Lei 2630, conhecido como “PL das Fake News“, que está, neste momento, sob sério risco de ser aprovado na Câmara dos Deputados.

Por anos, o termo “fake news” foi utilizado amplamente pela imprensa capitalista. Depois, foi incorporado em projetos de lei e em decisões judiciais. No final das contas, um tipo penal que não existe no País, nem nunca foi objeto de uma discussão séria das instituições nacionais, está prestes a ser integrado à Lei brasileira por uma imposição do imperialismo norte-americano.

O governo Lula pode ao menos alegar, em sua defesa, que não é autor da inovação, mas que estaria apenas executando um projeto do governo anterior. E é fato: o “novo RG” foi criado pelo governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). No entanto, isso apenas comprova o quanto a iniciativa é reacionária, uma vez que foi produto de um presidente que, literalmente, bateu continência para o presidente dos Estados Unidos. Mostra, também, que o governo Lula está sendo muito pressionado pela burguesia, fazendo com que ele aceite esse tipo de coisa.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.