Invasão imperialista, 20 anos

EUA mataram 500 mil crianças antes de invadir o Iraque

Imperialismo já vinha destruindo o país árabe durante mais de uma década como preparação para tomá-lo pela força e roubar suas riquezas

A Guerra do Iraque começou em 20 de março de 2003, quando os Estados Unidos lideraram uma coalizão imperialista para invadir o país e remover o regime de Saddam Hussein do poder. O conflito durou mais de oito anos, levando a inúmeras mortes e deslocamentos de civis.

Vinte anos depois, o Iraque ainda está lidando com as consequências da guerra, incluindo instabilidade política e conflitos de poder regionalizados, pois a destruição do país levou à descentralização do poder da nação, que está dividida entre diversas facções.

No entanto, os ataques dos EUA contra o Iraque começaram mais de uma década antes de 2003, na Guerra do Golfo de 1991.

Até a Guerra do Golfo, em 1991, o Iraque tinha uma das qualidades de vida mais altas do Oriente Médio e do mundo árabe. No começo daquele ano, os Estados Unidos começaram a impor sanções contra o país, com objetivo de afetar o líder nacionalista Saddam Hussein.

Hussein havia sido aliado dos norte-americanos contra o Irã em anos anteriores. No entanto, esta aliança era ocasional, para enfraquecer o governo iraniano — que até hoje continua sendo o principal fator de desestabilização da dominação imperialista na região.

Diante da política relativamente independente desenvolvida pelo governo de Hussein, o Iraque passou a ser alvo dos EUA. Após as sanções, no mesmo ano, 1 milhão de crianças já estavam afetadas pela subnutrição.

Estas sanções levaram a um empobrecimento geral do país e, em 1996, 500 mil crianças já haviam morrido de fome diante da política criminosa dos norte-americanos.

Na época, a subsecretária de Estado dos EUA, Madeleine Albright, justificou as sanções. Perguntada sobre a morte de meio milhão de crianças iraquiana, ela respondeu: “penso que essa é uma escolha difícil, mas, quanto ao preço, pensamos que valeu a pena pagá-lo”.

Essas sanções foram impostas pelo Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), causando fome e doenças, e deixando o país basicamente sem eletricidade e água durante toda a década de 1990. Faltavam bens básicos, como papel higiênico, escovas de dente, dentre outros — como ocorre hoje em dia na Venezuela, também sancionada pelo imperialismo.

O bloqueio ao Iraque impediu o acesso a vacinas, ocasionando a morte massiva da população. Na economia, no ano 2000, 60% dos iraquianos estavam desempregados pela destruição causada pelas sanções. Não havia infraestrutura, nem capacidade de investimento para desenvolver a nação.

Ainda, além das sanções, os EUA, junto aos aliados do Reino Unido, bombardearam o país durante toda a década de 1990, sob a justificativa de que o Iraque tinha armas de destruição em massa.

Essa alegação, no entanto, nunca foi comprovada, e se mostrou fajuta.

Primeiro, segundo uma investigação da própria da ONU, o país abandonou seu programa de armas nucleares antes de 1995. Segundo, Luis Rueda, chefe do Grupo de Operações no Iraque da CIA confessou que o objetivo da guerra no Iraque era derrubar o governo de Hussein e roubar as riquezas do país. “Teríamos invadido o Iraque mesmo se Saddam Hussein tivesse um elástico e um clipe de papel”.

A guerra foi formalmente iniciada em 2003, há vinte anos, após os atentados às Torres Gêmeas de Nova Iorque (11 de setembro), mesmo sem haver nenhum vínculo do governo iraquiano a Osama Bin Laden.

Nos bombardeios ao Iraque, os EUA utilizaram urânio empobrecido em mísseis perfurantes, e seus efeitos biológicos são devastadores, como a incidência de câncer e mutação genética na população. Isto para citar apenas alguns dos crimes de guerra cometidos pelos norte-americanos — que mataram mais de um milhão de pessoas.

Vinte anos depois do início da guerra, o Iraque sofre com as consequências da guerra iniciada pelo criminoso de guerra George W. Bush e mantida pelo criminoso de guerra que o sucedeu, Barack Obama. Além da divisão do país em facções, a infraestrutura do país foi totalmente dizimada. O país, que já foi um dos mais desenvolvidos da região, tornou-se uma verdadeira terra arrasada.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.