OTAN

EUA: censura contra as revelações sobre o massacre do Maidan

Imperialismo descaradamente censura artigo que indicava que massacre fundamental para a derrubada de Viktor Yanukovych no Euro Maidan foi orquestrado pelos Estados Unidos

Um artigo revisado por pares inicialmente aprovado e elogiado por uma revista acadêmica de prestígio foi repentinamente rescindido sem explicação. Seu autor, um dos maiores estudiosos do mundo sobre questões relacionadas à Ucrânia, reuniu evidências contundentes para concluir que os manifestantes de Maidan foram mortos por atiradores a favor do golpe contra Viktor Yanukovych, caso se trata da intervenção imperialista na academia que força um pacto de silêncio com relação os crimes da OTAN e dos demais países imperialistas.

O massacre por atiradores de ativistas antigovernamentais e policiais na Praça Maidan de Kiev no final de fevereiro de 2014 foi um momento decisivo na derrubada orquestrada pelos EUA do governo eleito da Ucrânia. A morte de 70 manifestantes desencadeou uma avalanche de indignação internacional que transformou a queda do presidente Viktor Yanukovych em um fato consumado. No entanto, hoje, esses assassinatos permanecem sem solução

Entra Ivan Katchanovski, um cientista político ucraniano-canadense da Universidade de Ottawa. Durante anos, ele reuniu evidências contundentes demonstrando que os atiradores não eram afiliados ao governo de Yanukovych, mas sim agentes pró-Maidan atirando de prédios ocupados por manifestantes.

Embora o trabalho inovador de Katchanovski tenha sido cuidadosamente ignorado pela grande mídia, um estudo escrupuloso que ele apresentou sobre o massacre em setembro de 2015 e agosto de 2021 e publicado em 2016 e em 2020 foi citado em mais de 100 ocasiões por estudiosos e especialistas. Como resultado deste artigo e de outras pesquisas, ele estava entre os cientistas políticos mais referenciados do mundo, especializados em assuntos ucranianos.

Nos últimos meses de 2022, Katchanovski submeteu uma nova investigação sobre o massacre de Maidan a uma importante revista de ciências sociais. Inicialmente aceita com pequenas revisões após extensa revisão por pares, o editor da publicação elogiou efusivamente o trabalho em uma longa nota privada. Eles disseram que o artigo era “excepcional em muitos aspectos” e oferecia evidências “sólidas” para apoiar suas conclusões. Os revisores concordaram com este julgamento.

Entre os que apoiaram fervorosamente o apelo de Katchanovski estava o renomado acadêmico americano Jeffrey Sachs. “Você escreveu um artigo muito importante, rigoroso e substancial. Está completamente documentado. Trata-se de um tema de grande importância”, escreveu Sachs ao estudioso. “Seu artigo deve ser publicado por razões de excelência… A revista só se beneficiará com a publicação de um trabalho de importância e excelência, que promoverá o entendimento e o debate acadêmico sobre um momento muito importante da história moderna.”

Katchanovski se recusou a nomear o periódico em questão, mas o descreveu como “de primeira linha” no campo das ciências sociais. Ele acredita que a recusa em publicar seu estudo é “extraordinária”, mas ainda assim emblemática de um “problema muito maior na publicação acadêmica e na academia”.

“O editor que aceitou meu artigo só soube que ele não seria publicado por meus tuítes sobre o assunto. Essa reversão foi altamente irregular e política. Há uma crescente censura política em relação à Ucrânia na academia e também autocensura”, disse Katchanovski. “Muitos estudiosos têm medo de conduzir pesquisas baseadas em evidências que vão contra as narrativas ocidentais estabelecidas sobre Maidan, a guerra Rússia-Ucrânia e outras questões relacionadas aos conflitos na Ucrânia e Kiev após o golpe de 2014.”

O caso evidentemente se trata da política do imperialismo, de impedir a divulgação de quaisquer crimes vindos da OTAN contra a soberania nacional. O fato evidência que o imperialismo está de fato infiltrado nos meios acadêmicos, e que faz uso da imprensa e da academia para dar vazão social a sua política de manutenção da dominação de classe.

Em contraste, disse o estudioso, aqueles dispostos a “papagaiar descaradamente e acriticamente as narrativas ocidentais”, mesmo quando suas fábulas “contrárias às evidências”, são recompensados ​​e não encontram resistência em publicar seu trabalho. Katchanovski está bem posicionado para comentar a censura acadêmica relacionada à Ucrânia: três outros periódicos que aceitaram seus artigos após processos bem-sucedidos de revisão por pares de “especialistas” também se recusaram a publicar.

Em janeiro de 2023, por exemplo, outra publicação acadêmica rejeitou um artigo de autoria de Katchanovski “por razões políticas semelhantes”. O trabalho examinou o envolvimento da extrema-direita na guerra civil de Donbass e o massacre de maio de 2014 em Odessa, no qual ultranacionalistas forçaram ativistas pró-federalistas russófonos a entrar na Casa dos Sindicatos da cidade e incendiaram o prédio, matando dezenas e ferindo muitos outros. . Tal como acontece com os assassinatos de atiradores de Maidan, ninguém jamais foi levado à justiça por esses atos hediondos.

Katchanovski afirma que o editor da revista ofereceu uma variedade de desculpas para não avançar com a revisão por pares. Conforme a publicação se aproximava, ele disse que o editor alegou falsamente que o estudo era idêntico à sua obra anterior sobre o massacre de Maidan. No entanto, uma verificação de software Ouriginal confirma que o artigo enviado por Katchanovski não tinha nenhuma semelhança com seu estudo de Maidan. O editor também reclamou que classificou o conflito de oito anos em Donbass como uma “guerra civil” que foi inicialmente provocada pela extrema-direita da Ucrânia.

Esse mesmo artigo havia sido rejeitado por outro jornal meses antes, da mesma forma porque Katchanovski ousou descrever a guerra em Donbass como “civil, com intervenções militares russas”. Essa caracterização é comum na “maioria dos estudos acadêmicos” sobre o conflito, disse ele.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.