Editorial

Essequibo: mais uma crise do imperialismo

Com 96% da população venezuelana favorável à anexação, território pode ser ocupado a qualquer mmomento

No último domingo, 3 de dezembro, o povo venezuelano votou a favor da anexação do distrito de Essequibo, hoje formalmente pertencente à Guiana. O referendo, convocado pelo próprio presidente Nicolás Maduro, era composto de seis perguntas; entre elas, a que perguntava se deveria ser criado um 24º estado no País, o de Essequibo. Quase 96% dos eleitores afirmaram que “Sim”.

Ainda não há indícios de que Maduro vá ocupar o território imediatamente. Recentemente, a Corte de Haia reconheceu Essequibo como parte do território guianês e advertiu a Venezuela. Nenhum país na América do Sul, até o momento, demonstrou apoio ao presidente caribenho.

Apesar disso, o referendo é um passo importante no sentido da anexação. Ao que parece, Maduro está, neste momento, em uma campanha política, de mobilização de sua própria população, como forma de preparar uma campanha militar.

Essequibo sempre pertenceu à Venezuela. Os tratados favoráveis ao Império Britânico sempre foram contestados pela população do país caribenho. Por que, então, Maduro decidiu apenas agora, já no seu décimo primeiro ano de mandato, preparar a ocupação de Essequibo? Por um motivo óbvio: porque somente agora o presidente venezuelano percebeu que as condições são favoráveis para comprar esse tipo de briga.

A campanha de Maduro em torno de Essequibo nada tem a ver, como acusa a imprensa capitalista, com uma tentativa de esconder uma suposta “crise de popularidade”. Ela é o resultado, na verdade, de outra crise: a crise do imperialismo, que vem demonstrando cada vez menos capacidade de se impor militarmente. O que levou Maduro a ver a anexação de Essequibo como possível foi a derrota da ocupação norte-americana no Afeganistão, a iminente derrota do imperialismo na Ucrânia, a expulsão das tropas francesas da África e, agora, o levante palestino contra o Estado de Israel.

O fato de que Maduro esteja propondo anexar mais de 70% do território da Guiana, comprando uma briga não apenas com o país vizinho, mas também com o exército norte-americano, que já está no país, e com grandes petroleiras como a Exxon Mobil, revela que o imperialismo está sendo visto como fraco pelos setores que oprime.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.