Imperialismo reacionário.

Em 1 ano, EUA impedem mais de 25 mil mulheres de abortar

Após 1 ano da lei anti aborto nos EUA, o clima é de retrocesso.

Os Estados Unidos são vistos pela imprensa imperialista e também pela esquerda pequeno burguesa como a última palavra em democracia, principalmente quando o assunto é o direito das mulheres.

 Basta que algum grupo se levante contra o imperialismo e lá estará um esquerdista financiado por ONG norte-americana e um especialista geopolítico da imprensa imperialista, para denunciar supostas atrocidades que aquele grupo pratica em relação aos direitos das mulheres, tendo como referência principal a própria política norte-americana.

 O Talibã é o melhor exemplo dessa situação: desde a expulsão dos exércitos imperialistas do Afeganistão em 2021, sob sua liderança, choveram acusações sobre o sofrimento da mulher afegã em comparação com a suposta maravilha que é a vida das mulheres no ocidente. 

 A mulher trabalhadora no ocidente, é aquela que nunca encontra espaço na demagógica política identitária e continua a ser oprimida mesmo nos mais ricos países imperialistas.

 O Afeganistão é um país que vive sob duríssimas condições materiais, sua cultura é consequência desse problema. Nos países imperialistas, a única explicação para a continuidade da opressão das mulheres é de que não há interesse algum dentro do regime capitalista em libertar as mulheres dessa condição.

 O aborto é uma questão fundamental para o direito das mulheres, sua legalização permite que a interrupção de uma gravidez seja decisão daquela que é a maior interessada na resolução do problema. 

 A ilegalidade do aborto faz com que muitas mulheres recorram a clínicas clandestinas, para aquelas que tem condição, ou procedimentos caseiros para abortarem, como é o caso das mulheres pobres.

 A suprema corte norte americana no ano passado, tomou uma decisão que fez retroceder a questão do aborto, a prática era legalizada em todo o país desde 1973 e com a nova medida, a legalização do aborto fica a critério de cada estado. Os estados mais conservadores optam pela ilegalidade.

 Após um ano desse retrocesso, os EUA registraram queda de 25.000 abortos no país de acordo com relatório publicado pela WeCount. 

 Chuck Donovan, presidente do Charlotte Lozier Institute, organização que lidera campanhas anti aborto, ou pró-vida como eles preferem, comemora: “Enquanto aguardamos o próximo ano, esses números também nos estimulam a garantir que todas as vidas sejam protegidas, independentemente do estado em que estejam”, declarou. “Eles (movimentos anti aborto) também enfatizam a necessidade de apoiar todas essas novas mães, pais e bebês e caminhar ao lado deles nos próximos anos – com a ajuda de quase 3.000 centros de gravidez em todo o país e dezenas de novas iniciativas políticas”.

 O discurso é bem demagógico, é de conhecimento geral que a questão da saúde nos Estados Unidos é dramática, devido a total privatização do setor.

 Esses centros de cuidados com as mulheres grávidas, que ainda nem existem, se construídos, servirão apenas para a camada mais privilegiada de mulheres. 

 A mulher trabalhadora seguirá sendo oprimida e restrita de direitos mesmo no mais rico país imperialista.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.