Pela união dos sem terra

Expulsar Salles e todos os provocadores dos assentamentos

É preciso dar um basta nessa situação e impedir que os integrantes da CPI do MST entrem nos assentamentos

No dia 13 de junho de 2023, os deputados Ricardo Salles(PL-SP), ex ministro do meio ambiente de Bolsonaro, e Zucco (Republicanos-RS) invadiram as casas dos assentados da FNL(Frente Nacional de Luta) no Pontal do Paranapanema, interior de São Paulo.

A FNL é dirigida por José Rainha, que recentemente foi libertado após pressão dos movimentos de esquerda, incluindo o PCO.

Sem mandato de busca e apreensão os deputados invadiram residências particulares existentes dentro do assentamento.

Um pau mandado de Salles chegou a fotografar objetos dentro de uma residência.

O deputado Nilto Tatto (PT-SP) estava no local e se opôs a ação tentando garantir os direitos dos trabalhadores.

O engraçado da situação é que os deputados Bolsonaristas defendem a propriedade privada quando é para defender a sua própria e a de comparsas tipo latifundiários, grileiros, etc., mas não tem a menor cerimônia para invadir a casas de trabalhadores sem terra.

A partir do momento que existe uma construção, seja ela de pau a pique, de lona ou de alvenaria, nenhuma pessoa e principalmente representantes do poder público  podem adentrar o local de moradia, o que poderia acontecer somente com ordem judicial ou flagrante delito, o que não se viu no caso.

O Bolsonarista Ricardo Salles ainda teve a coragem de dizer na cara dos assentados que aquilo onde ele estava “não era uma residência”.

A chamada CPI do MST, na realidade, é um ataque frontal do latifúndio a todos os sem terra e aos trabalhadores rurais do país.

Usam a CPI como fachada para justificar os ataques do latifúndio que vêm ocorrendo intensamente desde o golpe de estado de 2016.

Depois que Michel Temer tomou de assalto o poder da presidenta legitimamente eleita, o número de mortes no campo cresceu vertiginosamente, vários assentamentos foram retomados pelos seus “proprietários” e os capangas dos latifundiários passaram a amedrontar os sem terras e indígenas que estão em situação parecida em muitas partes do país.

É preciso dar um basta nessa situação e impedir que os integrantes da CPI do MST entrem nos assentamentos. Para isto, grupos de auto defesa devem ser criados de forma a impedir que esses deputados eleitos pelo latifúndio sequer ultrapassem os limites do assentamento.

Os grupos de auto defesa devem se organizar em turnos de forma a alertar todos os assentados da presença desses elementos fascistas, de maneira que todos estejam prontos a reagir conjuntamente para expulsar todos os elementos estranhos aos interesses dos sem terra, com o uso proporcional da força se necessário.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.