Leia na íntegra

Díaz-Canel discursa na Assembleia Nacional do Poder Popular

Discurso proferido por Miguel Mario Díaz-Canel Bermúdez, após ser reeleito presidente da República

(Versões estenográficas – Presidência da República)

Prezado general-de-exército Raúl Castro Ruz, líder da Revolução Cubana;

Prezados camaradas da Geração Histórica que estão conosco;

Novos membros do Conselho de Estado;

Membros do Conselho de Ministros;

Convidadas, convidados;

Membros do Parlamento:

Nossas primeiras palavras são para estender nossas felicitações aos camaradas eleitos ou nomeados hoje, respectivamente, à liderança da Assembleia Nacional do Poder Popular, do Conselho de Estado e do Conselho de Ministros.

Parabéns a todos no Dia da Vitória! Em 19 de abril de 1961, nas areias de Playa Girón, Cuba ganhou o direito de celebrar este dia ao infligir sua primeira grande derrota ao imperialismo na América (Aplausos e exclamações de «Viva Fidel!»).

É o triunfo do justo sobre o injusto, do pequeno David contra o gigante Golias, de uma Revolução socialista contra o nariz de um império, como Fidel a definiu na interseção das ruas 23 e 12, no luto de despedida pelas vítimas dos bombardeios dos aeroportos de Ciudad Libertad, Santiago de Cuba e San Antonio de los Baños, no prelúdio da invasão.

Essa vitória é tão épica que 62 anos depois os derrotados não foram capazes de nos perdoar. E é graças a essa vitória que hoje estamos instalando, pela décima vez, a Assembleia do Povo (Aplausos).

Os 470 de nós que acabamos de ser empossados como deputados não ganhamos nossas cadeiras porque temos mais dinheiro ou o apoio dos partidos eleitorais, cujo único objetivo é colocar um defensor dos interesses de certos grupos de poder no lugar onde as leis do país são decididas.

Cada um de nós está aqui sentado para defender os interesses da maioria e não seremos pagos mais ou receberemos regalias por ser deputado, como acontece em tantos países que se vangloriam de modelos democráticos multipartidários.

Cuba defende o partido único, uma garantia de unidade desde que José Martí fundou o Partido Revolucionário Cubano, porque ele está na raiz de nossa história e porque as forças de uma pequena nação que há 200 anos foi declarada oficialmente um apêndice para anexar o poderoso vizinho, quando um império voraz já estava em construção, não se desintegram ou se confrontam.

Dentro de poucos dias, em 28 de abril, passarão dois séculos desde que o então secretário de Estado e mais tarde presidente da União, John Quincy Adams, definiu para Cuba sua teoria do «fruto maduro»: «… há leis de gravitação política, bem como leis de gravidade política, e assim como um fruto separado de sua árvore pela força do vento não pode, mesmo que queira, deixar de cair no chão, assim Cuba, uma vez separada da Espanha e a ligação artificial que a vincula à Espanha quebrada, é incapaz de se sustentar, deve necessariamente gravitar para a União Norte-americana, e para ela exclusivamente, enquanto que a própria União, em virtude da própria lei, achará impossível recusar-se a admiti-la em seu seioۚ».

Desde aquele anúncio de abril até a promulgação da Doutrina Monroe, em dezembro de 1823, passaram meses. Mas desde então até os dias de hoje, durante 200 anos, a política do poderoso vizinho tem sido a mesma, mesmo que duas partes se alternem no poder. Para Cuba, pelo menos, é muito difícil distinguir entre eles, enquanto, por exemplo, praticamente todas as medidas implementadas pelo republicano Donald Trump para reforçar o bloqueio são mantidas por seu adversário político, o democrata Joe Biden.

«Lembre-se da Baía dos Porcos», nossos pais costumavam nos advertir a cada nova ameaça de invasão depois de 1961. O slogan permanece vivo no imaginário popular, porque a atitude mercenária também o é. Sem a Nicarágua e sem Somoza, os invasores agora treinam nos Everglades e ameaçam de suas cavernas nas redes sociais.

O poderoso vizinho continua generoso com aqueles «emprestados» para destruir a Revolução e a cada ano aloca dezenas de milhões de dólares para aqueles que se oferecem para subverter a ordem interna em Cuba, seja pessoalmente ou via Internet.

Nem um único dia nestes anos deixamos de sentir os golpes desta guerra não declarada contra a economia e a sociedade; contra a vida diária e os sonhos de progresso de toda uma nação.

Assim como nos lembramos da Baía dos Porcos, sempre lembraremos da crueldade do bloqueio reforçado em condições pandêmicas; a infame inclusão de Cuba em uma lista de supostos patrocinadores do terrorismo para sitiar todos os canais financeiros; o oxigênio que eles se recusaram a nos dar, enquanto estimulavam as rebeliões de rua, de uma forma que já nos negavam, fechando todas as possibilidades de comércio ou financiamento.

O povo está saindo vitorioso de todas essas batalhas e não tenho dúvidas de que, como na Baía dos Porcos, continuaremos vencendo! Cuba mantém sua linha de princípios e sua disposição para o diálogo, mas sem pressões ou condições.

Mas, muita coisa vai para a fonte até que ela se rompa. Um dia, mais cedo do que tarde, a política de hegemonia terá que cessar; o multilateralismo tomará seu lugar e Cuba poderá provar até onde uma nação de pessoas nobres, criativas e talentosas unidas em torno de objetivos claros pode ir, se for libertada de pressões e bloqueios.

Agora, vamos nos concentrar no que temos que fazer e no que podemos fazer, mesmo quando nossas mãos e pés estão amarrados. É pensando e trabalhando juntos, indo além daquelas condições que não podemos mudar, que esta 10ª Legislatura é fundada.

Todos nós teremos agora menos tempo para nossas famílias e profissões, menos horas de descanso. Somente responsabilidades maiores e um dever maior nos esperam: servir o povo de Cuba, sempre ligado às suas exigências e necessidades.

Faço aqui uma pausa para apontar o que acredito que deve distinguir a nova legislatura: o contato permanente com os bairros, com as comunidades, com aqueles que nos elegeram, conscientes de que não podemos fazer milagres, mas podemos transformar a realidade desafiadora de Cuba hoje se conseguirmos criar a indispensável sinergia entre os esforços individuais e coletivos; entre os bairros e os municípios; entre os municípios e a província, entre as províncias e a nação.

Compatriotas:

Desde os primeiros tempos do Poder Popular, a palavra de ordem era escolher o melhor. Mas escolher o bem entre os bons será sempre um exercício difícil e incompleto.

É por isso que convidamos uma representação de pessoas de valores extraordinários, como vocês, mas que não estavam nas nomeações por uma razão óbvia: há muito mais bons cubanos do que cadeiras no Parlamento (Aplausos).

Aqui são convidados resgatadores do Hotel Saratoga e da Base dos tanques de petróleo de Matanzas (Aplausos); criadores de vacinas e medicamentos que nos salvaram da COVID-19 (Aplausos); inovadores e pesquisadores que participaram da criação de ventiladores pulmonares, na criação de próteses de quadril, peças para usinas elétricas (Aplausos); estudantes e professores que passaram suas férias trabalhando na Zona Vermelha e na reconstrução de escolas e casas devastadas pelo furacão Ian (Aplausos). Há Alexis Leiva Machado, Kcho, com sua mítica Brigada Martha Machado, que construiu uma nova escola e várias casas no lugar mais devastado, onde o ciclone entrou e que continua trabalhando naquela comunidade em vários projetos (Aplausos); juristas que nos aproximaram da compreensão do Código de Família (Aplausos); líderes de projetos comunitários, delegados de base que desempenham um bom papel, como o «Paquito de Cuba» (Aplausos), entre muitos outros que poderiam estar aqui e que não cabem nesta sala (Aplausos). É por isso que o povo de Cuba está aqui nesta Assembleia (Aplausos prolongados).

Dificilmente esqueceremos aqueles dias incertos em que mal dormimos e quando acordamos o primeiro olhar foi direto para os números da COVID-19.

Tenho quase certeza que nenhuma simulação de Inteligência Artificial poderia resumir a proeza do povo cubano nos últimos anos. A resistência criativa do povo deste país, sua resiliência, ultrapassa os limites de qualquer simulação ou previsão. Não existe um algoritmo capaz de refletir tudo o que vivemos. Isso só pode ser sentido (Aplausos).

Cuba é um sentimento, e é uma força capaz de enfrentar e superar as piores tempestades!

A economia global, incerta e instável em todas as latitudes, representa o primeiro e maior desafio para o novo Conselho de Ministros, que deve contar com o apoio fundamental de todos para enfrentar os obstáculos e resolver as ineficiências.

No futuro imediato, a direção principal deve se concentrar na produção de alimentos, no uso de capacidades produtivas ociosas, no aumento dos ganhos em divisas, nas transformações exigidas pela empresa estatal socialista, na eficiência do processo de investimento, na complementaridade dos atores econômicos e na participação do investimento estrangeiro. Tudo isso visa aumentar a oferta de bens e serviços e controlar a inflação, que é a principal prioridade na batalha econômica. Este gigantesco desafio deve ser enfrentado sem desânimo.

Com a intensificação do bloqueio, a crise mundial e nossas incapacidades, a situação econômica e social do país se tornou muito mais complexa, e os sonhos, planos e projetos dos quais nunca desistiremos estão diminuindo. Às vezes, parece que eles nunca serão possíveis. Mas se analisarmos a dinâmica dos últimos cinco anos, veremos que, sob as piores circunstâncias e as pressões mais criminosas, nos tornamos um dos poucos países que se salvou da pandemia com seus próprios esforços e talento.

Quando me perguntam onde encontro o otimismo para enfrentar tantos problemas, penso nestas proezas. Isso e centenas de soluções e propostas que encontro cada vez que vejo pessoas que investem sua inteligência e energia na busca de soluções para os problemas ao seu redor, em vez de estarem cheias de lamentações e acusações.

Respeitar profundamente o direito de todos de expressar suas queixas, mas não posso deixar de contrastar atitudes: aqueles que criticam da maneira mais eficaz, lutando, fazendo, mostrando ou criando soluções, e aqueles que só veem os erros e as culpas dos outros.

Os membros do Parlamento:

Nos últimos seis meses, três processos de votação popular ocorreram no país, todos em um contexto de crise aguda e sob ataque de uma campanha de mídia destinada a impor as matrizes de um Estado fracassado devido a um governo incapaz e a espalhar o ódio.

O verdadeiro inimigo da nação cubana está apostando em uma explosão para tomar o país e devolvê-lo à era neocolonial que já sofremos e conhecemos. Este inimigo viu em cada uma das recentes votações: o referendo sobre o Código de Família, as eleições para delegados e depois para deputados, um momento chave para o ataque à legitimidade do governo e depositou suas esperanças na possibilidade de uma alta taxa de abstenção.

A prova mais reveladora de que esta era a ideia foi a manchete no dia seguinte. Todos, praticamente sem exceção, falaram de abstenção histórica, embora o nível de participação, o voto válido e o voto unido estivessem acima da média de outros modelos de democracia no mundo.

Aqueles que previam uma alta taxa de abstenção, conscientes de que o antigo projeto de Lester Mallory de usar a guerra econômica para gerar dificuldades para induzir a apatia política, ficaram mais uma vez desapontados.

Que 75,8% de comparecimento não teria sido possível sem a confiança do povo na Revolução. E essa confiança é expressa na participação. Foi uma demonstração de civismo, mas também de patriotismo e, acima de tudo, de consciência política. Agora, não podemos deixar essa confiança baixar! Ela deve nos tornar a todos mais comprometidos. Ela nos obriga a trabalhar por todo o país, em nome de toda a Cuba.

Se trabalharmos sistematicamente em cada um dos municípios ou distritos, se acompanharmos as autoridades locais sem suplantar suas funções, se continuarmos a ouvir as pessoas e a levar problemas que vão além das possibilidades dos territórios a níveis mais altos, estou certo de que faremos progressos diários na resolução destas questões.

Eles também têm tentado negar a transparência de nosso processo eleitoral, mas não têm uma única evidência que possa lançar dúvidas sobre sua limpeza.

A partir das propostas dos pré-candidatos nas sessões plenárias das organizações sociais e estudantis, a transparência começa a ser expressa, o que continua com a análise e aprovação das candidaturas nas assembleias municipais.

Foi demonstrado que quando interagimos constantemente com a base, da qual todos fazemos parte e à qual estamos todos endividados, podemos ajudar a resolver problemas antes que eles se tornem mais sérios e irritantes.

Quantas dificuldades e deficiências acumuladas não foram resolvidas nos dias de intercâmbio com o eleitorado? É por isso que insisto que devemos manter e melhorar este sistema de trabalho e torná-lo uma prioridade para a nova Legislatura.

O progresso do país em meio às profundas dificuldades causadas por obstáculos externos à nossa economia, mas também pela burocracia, indiferença e corrupção — inaceitáveis por princípio — depende em grande parte de cada membro do Parlamento assumir com compromisso e dedicação o desafio histórico que nos colocamos: superar o bloqueio sem esperar que ele seja levantado! (Aplausos).

Compatriotas:

Estou muito contente de ver o quanto nosso Parlamento foi rejuvenescido, quando uma das maiores preocupações dos últimos meses e anos é o envelhecimento da população e a alta emigração que envolve os segmentos mais jovens de nossa sociedade.

Gostaria de agradecer aos jovens cubanos por sua inspiração e incentivo, mas também por sua dedicação e exemplo, que foram decisivos para tornar possível tudo o que conseguimos, tudo o que avançamos em meio ao vendaval de muitas crises: aquela que eles induzem quando nos bloqueiam; aquela que vem a nós porque vivemos em um mundo em crise, e aquela que nós mesmos geramos com nossas inadequações.

Os jovens cubanos estão entre aqueles que fazem este país, aqueles que sustentam esta Revolução e o sonho do que fazemos e faremos no futuro. Como todo o povo cubano, eles sofrem as necessidades econômicas e suas terríveis consequências. Mas são também os jovens que saltam sobre o bloqueio, sobre as carências, aqueles que se dedicam a sua vida diária, com ideias de futuro, prontos para fazer de Cuba um país melhor, de dentro ou de fora.

A ideia de que sempre será possível construir um país melhor nunca poderá ser abandonada, especialmente em tempos difíceis ou sob a influência de mensagens desanimadoras. Nós cubanos aprendemos a não desistir, porque não vemos a dificuldade como um obstáculo, mas como um desafio. E nós a enfrentamos. Essa coragem é uma característica de nossa idiossincrasia.

Como eu disse há um ano, falando com os jovens, em meus anos como líder da Liga dos Jovens Comunistas, Fidel uma vez nos advertiu que em uma Revolução sitiada e bloqueada como a nossa, alguns camaradas se cansam, se burocratizam, perdem o entusiasmo dos primeiros dias, e que tínhamos que desempenhar o papel de trampolim, de estimuladores, revolucionando a Revolução.

Foi nos anos 90, anos muito difíceis, com os preços subindo ao infinito pelo pouco que se podia comprar; com apagões muito mais longos que os de hoje, embora com poucas filas de espera nos postos de gasolina porque quase nunca havia combustível para servir.

Por isso nos preparamos para a Opção Zero, mas nunca desistimos de construir um país melhor. Como o heroico povo vietnamita que, em meio a uma guerra terrível, se propôs a construir um Vietnã dez vezes mais belo.

«Ainda são os sonhos que unem as pessoas, / como um imã que as une todos os dias», Gerardo Alfonso cantou naqueles anos em um verso que define maravilhosamente o desejo coletivo de construir um país melhor. É por isso que posso afirmar que podemos fazer melhor hoje e que amanhã os jovens farão ainda melhor, porque aqueles que nasceram desses sonhos não permitirão que seja de outra forma! (Aplausos).

Os jovens são os melhores revolucionários porque reconhecem as dificuldades diárias e os enfrentam e tentam mudá-los, e eles conseguem muitas vezes. Porque apesar da adversidade eles continuam a sorrir, a amar e a acreditar na possibilidade de um país melhor, apesar do fato de que algumas pessoas os convidam a não participar, a destruir, a odiar.

Eles entendem que para que um mundo melhor seja possível, é necessário aceitar as diferenças dos outros, ser inclusivo, abolir qualquer tipo de discriminação e compreender que a equidade é um valor de realização que merece ser cultivado em qualquer sociedade.

Eles o demonstraram defendendo o Código de Família como próprio e apoiando todas as batalhas justas contra a exclusão e o assédio, pois são feministas, ambientalistas e antirracistas. E renovaram sua paixão pelo beisebol nacional quando reuniram a Team Asere, do Clássico, enquanto continuavam seguindo seus times de futebol, e continuavam a dançar e a desfrutar da melhor música cubana.

Cabe a cada um de nós, de nossa parte, encorajar este espírito jovem a se expressar e mostrar o que pode dar e o que pode contribuir, evitando as manifestações que muitas vezes afetam este potencial e estão relacionadas à falta de atenção, vaidade, ciúmes, preconceitos e, o que é pior, esquemas mentais superados pelo tempo.

Devemos convencer, mas sobretudo provar aos nossos jovens que será possível para eles se realizarem em sua pátria. Deixe-os propor ideias, projetos e provar na prática sua eficácia em termos de um país melhor.

As medidas que são aprovadas não podem morrer por causa de atrasos injustificados na sua implementação. A vida de cada pessoa não é eterna e o tempo e as necessidades de todos perfuram o espírito da nação. Sempre que aparece uma solução, devemos colocar a dinâmica da urgência diante dela.

Por outro lado, não podemos fazer parte da politização da emigração cubana, com a qual o inimigo trafica. Devemos defender uma relação com os emigrantes cubanos que deixe claro para eles que admiramos seus triunfos e que sua pátria os respeita, os olha com orgulho e espera seu retorno, simplesmente aspirando que respeitem e defendam o solo que os viu nascer e os formou com amor (Aplausos).

Não estou, é claro, falando daqueles que venderam suas almas ao diabo, lucrando com a dor do povo cubano em patéticos shows macartistas. Estou falando daqueles que, vivendo em qualquer parte do mundo, mantêm seu amor por seu país de origem e seu desejo de que ele progrida, apesar das montanhas de obstáculos que enfrentam em suas relações com Cuba por uma variedade de razões e razões para não fazê-lo.

Aqueles de nós que estão resistindo e construindo aqui contam com aqueles cubanos que não têm vergonha de suas origens para ajudar a sustentar a nação.

O socialismo é o que há de mais próximo da juventude, porque não é um trabalho acabado, está sendo feito todos os dias e a energia e a ambição natural dos jovens são fundamentais para este trabalho.

Mas por que a revolução? Por que o socialismo? Às vezes vemos isso como o fim, o objetivo. A revolução é o meio, o caminho para alcançar o mais alto grau possível de justiça social e felicidade para todos.

Isto não pode ser alcançado em outros sistemas, onde o bem-estar está associado à opulência, onde alguns têm muito pouco ou praticamente nada porque outros se apropriam da maior parte da riqueza criada por aqueles que têm menos.

O projeto nacional que propusemos visa encontrar uma melhor sinergia, diferente de outros modelos, o que leva a maiores níveis de equidade e realização, tanto individual quanto coletivamente, que tem o selo dos valores que compartilhamos como sociedade e que também incorpora sustentabilidade e prosperidade. Em um contexto tão adverso como aquele em que vivemos, tal ideia pode parecer muito ambiciosa.

Mas é sempre difícil empreender algo novo, especialmente quando se trata de construir um paradigma de sociedade diferente. Há uma escassez de referências para comparação, ou aquelas que são úteis estão em alguns aspectos em linha, mas em outros carecem de compatibilidade devido a questões culturais ou axiológicas. O fato de ser difícil não deve nos levar a pensar que é renunciável. Nossa história está cheia de impossibilidades. É uma tradição para superar desafios; quanto mais e maiores os desafios, maior o ímpeto e a ansiedade para vencê-los. Temos que saber que podemos e devemos alcançá-los! (Aplausos.)

Não foi um milagre que nos trouxe a este momento da história. Foi uma Revolução que começou em 1868, lutando quase desarmada contra o império mais poderoso de seu tempo, pela independência, soberania e o fim da escravidão.

Foi a luta de um homem pequeno, doente e pobre, mas iluminado por ideias humanistas universais, para unir todas as gerações que haviam falhado em realizar aqueles sonhos.

Foram outros homens e mulheres que sofreram a frustração daqueles anseios e deram continuidade à luta, depois contra a nova dependência e outro grande império.

E foi uma geração, herdeira de todos aqueles que a precederam, que resumiu o legado em um zelo libertário que finalmente conquistou a independência e a soberania com as armas. E na posse definitiva dessas conquistas, ela se propôs e conseguiu levantar uma nação livre, respeitada e admirada no resto do mundo por sua dignidade, sua própria voz, sua solidariedade com todas as causas justas e a educação e o talento de seus filhos.

É, em suma, um povo heroico que nunca se cansou de lutar e cujo heroísmo deu origem a líderes que, quase dois séculos depois, continuam a inspirá-los. Martí e Fidel emergem como símbolos desta extraordinária riqueza nacional.

A Raúl, líder da Revolução Cubana, continuador das tradições de luta e guia daqueles de nós que assumem as mais altas responsabilidades no país, obrigado por seu apoio e confiança, que jamais decepcionaremos! (Aplausos.)

A Cuba, ao povo cubano, nosso reconhecimento por sua coragem, por sua dignidade, por sua lealdade como principal protagonista de outro abril de vitórias! (Aplausos).

Caro povo a quem tenho orgulho de pertencer, receba o respeito, a admiração e o imenso carinho daqueles que sempre se sentem em dívida para com você. Hoje ratifico que os servirei com paixão, compromisso, sem reticências, às últimas consequências (Aplausos).

Camaradas, vocês o disseram: Unidade e vitória são esperança, unidade e vitória são o presente e o futuro da pátria e do socialismo!

Pátria ou Morte!

Venceremos!

(Aplausos.)

Fonte: Granma

* Os artigos aqui reproduzidos não expressam necessariamente a opinião deste Diário

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.