Ato nacional

Dia 21: fora Tebet, Campos Neto e os agentes dos banqueiros!

É preciso ir às ruas e impedir que a burguesia cerque o governo Lula

A área econômica do governo está finalizando uma proposta relativa ao controle dos gastos públicos, uma nova regra fiscal que substituiria o teto de gastos. Os detalhes relativos à medida, entretanto, não foram divulgados até o fechamento desta edição.

Durante a sua campanha, Lula deixou claro que, uma vez no poder, lutaria para acabar com o teto de gastos, uma herança do golpe de Estado que derrubou Dilma e colocou Temer, o pai da medida, no poder. Agora, o anúncio da nova proposta mostra que existe uma luta política entre as alas direitistas e as alas esquerdistas de dentro do Executivo, com as primeiras tentando pressionar Lula e Haddad a salvar a política de controle fiscal contra a revogação do teto.

O artigo Lula teme acusação de estelionato eleitoral em debate sobre nova regra fiscal, da Folha de S. Paulo, mostra de onde vem essa pressão. Segundo o jornal, “os princípios do projeto foram apresentados, em reuniões também restritas, ao Banco Central, à ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet (MDB), e ao vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB), que também é ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços”.

Em outras palavras, a política de manutenção do controle fiscal não é de Haddad, muito menos de Lula. É nitidamente uma política de Tebet, de Alckmin e de Campos Neto, ou seja, dos agentes da direita golpista que estão pressionando o governo. Finalmente, todos os citados estão a serviço dos banqueiros, os principais interessados em uma política direitista em relação ao teto de gastos.

Isso fica claro com o caso da ministra do Planejamento. Latifundiária e membro do MDB, Tebet quer que o presidente faça a política dela, a política da terceira via que foi derrotada nas eleições de 2022 com cerca de 4% dos votos no primeiro turno. Algo ínfimo quando comparado aos mais de 60 milhões de votos que Lula recebeu, um sinal de que o povo aprova a sua política e, consequentemente, o fim do teto de gastos.

A nova regra fiscal também é consequência de uma pressão dos bandidos e golpistas do Congresso. Vera Magalhães, em coluna ao Globo intitulada Marco fiscal já nasce refém, participa da campanha reacionária em prol do teto de gastos e mostra que Lula não é refém apenas da turma da Tebet, mas também, dos interesses próprios de Lira e do Centrão da Câmara dos Deputados.

A direita ligada à terceira via deixa claro que, para diminuir os juros criminosos do Banco Central, Lula precisa aprovar a regra fiscal que está sendo imposta por Tebet sobre Haddad. Entretanto, para fazer isso, também precisa atender os interesses de Lira, que pode barrar a regra no Congresso. Para tal, o presidente da Câmara exige a manutenção de seu controle sobre a tramitação das Medidas Provisórias (MPs) no Congresso, algo que começou a valer no começo da pandemia após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

Em linhas gerais, a situação é extremamente complicada para Lula. Refém dos bancos, torna-se também refém dos interesses do Centrão e, portanto, teria duas derrotas com a aprovação do marco fiscal: a primeira seria o projeto em si, já que se trata de uma reforma econômica direitista proveniente da terceira via que procura impedir o fim do teto de gastos; já a segunda, seria o controle cada vez maior de Lira sobre as medidas provisórias que o governo que aprovar no Congresso, como a volta do programa “Minha Casa, Minha Vida” e as alterações no Bolsa Família.

Ou seja, fica claro que há uma sabotagem sistemática contra Lula. A direita golpista, inclusive parte dela que estaria oficialmente apoiando o governo e a que está dentro do governo, está totalmente contra ele, defendendo com unhas e dentes os interesses da burguesia contra os interesses do povo. E são os banqueiros que estão por trás disso.

Nos últimos dias, foi publicada uma pesquisa por parte da Quaest que afirma que 98% dos maiores especuladores brasileiros estão contra a política de Lula. Logo, estão usando os seus agentes, como Tebet, para aplicar a sua própria política e mudar os rumos que Lula quer para o seu próprio governo. Em outras palavras, querem cometer um estelionato eleitoral, passando por cima da política que o presidente quer executar e, assim, emparedando o governo, transformando-o em refém.

Como visto anteriormente, Campos Neto tem um papel importante nisso, uma vez que ele não quer reduzir a taxa de juros justamente para atender à sede de lucro dos banqueiros parasitas. Apontado por Bolsonaro, o presidente do BC promove uma sabotagem total ao governo, mais uma justificativa para que a imprensa burguesa e a direita, no geral, possam pressioná-lo ainda mais.

Em suma, Lula está em uma verdadeira sinuca de bico. O que resta ao governo é o povo e, por isso, os maiores sindicatos do País e a Central Única dos Trabalhadores (CUT) estão convocando, em conjunto com o Partido da Causa Operária (PCO) e os Comitês de Luta, um dia nacional de mobilização em 21 de março pelo Fora Campos Neto, contra a “autonomia” do BC e pela redução dos juros.

Trata-se de uma etapa fundamental na luta pela defesa dos interesses dos trabalhadores, pois Lula só conseguirá governar à esquerda com o apoio da mobilização da classe operária contra a pressão da burguesia. Caso contrário, a crise em seu governo poder aprofundar-se ainda mais, algo que, caso não seja combatido, pode resultar em sua queda por meio de ainda mais um golpe.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.