Hoje, 29/11

Contra o massacre sionista, sair às ruas em defesa da Palestina

Manifestações em defesa da Palestina ocorrerão em todo mundo nessa quarta-feira. O povo brasileiro deve sair aos milhares às ruas, para barrar o avanço do sionismo

Nesta quarta-feira (29), centenas de cidades em todo o mundo voltarão a testemunhar atos em solidariedade ao povo palestino. No Brasil, o principal deles acontecerá em São Paulo, às 17h, em frente ao Museu de Arte de São Paulo (MASP).

Em 7 de outubro, a resistência palestina, liderada pelo Hamas, assestou um profundo golpe em “Israel”, rompendo as cercas do maior campo de concentração da história (Gaza), capturando bases militares, aniquilando tropas sionistas, e tomando israelenses de reféns para uma futura troca por prisioneiros palestinos que já estavam presos havia anos nas masmorras sionistas.

Desesperado diante da profunda desmoralização, “Israel” intensificou ainda mais o massacre da população palestina, que se materializou em bombardeios incessantes à Faixa de Gaza, seguido de uma invasão terrestre, realizada pelas Forças de Defesa de Israel. Paralelamente, na Cisjordânia, milícias fascistas do sionismo (os tais “colonos”) aumentaram sua expropriação de terras e o assassinato de palestinos. Além disto, mas de três mil foram sequestrados pelas tropas sionistas.

Até o presente momento, o genocídio de “Israel” contra os palestinos já resultou em um total de 14.854 mortos em Gaza, dentro os quais 6.150 crianças e 4.000 mulheres. Isto sem contar os desaparecidos, que são pelo menos 6.800. Na Cisjordânia, o número de palestinos assassinados já chega a 239. O total de feridos, em todo o território palestino, ultrapassa 38 mil.

Contudo, apesar de todo o genocídio, “Israel” não conseguiu nenhum objetivo militar significativo contra a resistência palestina. Nem contra o Hamas e nem contra nenhum dos outros grupos da resistência.

Por outro lado, com sua política de assassinar civis deliberadamente, vem se desmoralizando perante a “opinião pública”. Seu bombardeio indiscriminado colocou as massas de todo o mundo em ebulição, as quais demonstraram gigantesco apoio ao povo palestino, e aprofundaram a crise no seio dos países imperialistas.

A soma destes fatores levou “Israel” a aceitar uma trégua temporária com o Hamas (e a resistência palestina de conjunto), que teve início no dia 24 de novembro (última sexta). Pela trégua, “Israel” teve de libertar prisioneiros palestinos que estavam presos havia anos, de forma injusta e arbitraria, dentre eles crianças (que agora já são adolescentes ou quase adultos).

Enquanto que a primeiro momento Benjamin Netanyahu e Yoav Gallant falaram que iriam “exterminar” o Hamas e que os palestinos eram animais, agora eles estão tendo que negociar, pois não conquistaram objetivos militares. Enquanto isso, a guerra se prolonga e aprofunda a crise econômica e política dentro de Israel, e desmoraliza sua imagem perante o mundo.

A trégua alcançada foi uma enorme vitória para o povo palestino e para os grupos armados que travam essa luta de libertação nacional contra o monstro sionista. Foi uma vitória do Hamas, sim.

Mas a guerra ainda não acabou, e é necessário que os povos oprimidos, os trabalhadores de todo o mundo ampliem e intensifiquem as mobilizações em defesa do povo palestino e de suas organizações armadas. Agora, mais do que nunca, os palestinos precisarão desse apoio. Mobilizações gigantescas já acontecem nos países árabes e muçulmanos. Igualmente ocorrem na Europa e nos Estados Unidos. É preciso que o mesmo ocorra no Brasil.

É necessário ao povo brasileiro seguir  o exemplo das massas dos outros países. É preciso sair às ruas aos milhares, e contribuir para a derrota ao sionismo.

No Brasil, os sionistas estão conseguindo, até certo ponto, impedir que o movimento se desenvolva, censurando aqueles que denunciam os crimes de “Israel”.

Uma situação grave que não pode ser esquecida é que os sionistas também possuem vínculo com as instituições de repressão em geral, como o judiciário e a Polícia, como ficou demonstrado com a repressão ao jornalista Breno Altman, a operação farsesca contra o suposto terrorista pagodeiro do Hesbolá e a perseguição contra o Partido da Causa Operária.

Assim, é premente à esquerda e ao povo brasileiro saírem aos milhares às ruas de todo o país em defesa da Palestina, contra o sionismo, contra “Israel”.

Afinal, a ação libertadora da resistência palestina do dia 7 conseguiu também a proeza de unir a direita tradicional e o bolsonarismo, que antes estava dividida, de forma que se abre uma janela de oportunidade para uma grande mobilização de massas contra toda a burguesia ultrarreacionária brasileira, tanto a tucana quanto a bolsonarista. E, consequentemente contra  o imperialismo seus planos golpistas para o Brasil.

Portanto, a luta pelo povo palestino é uma luta contra toda a direita de conjunto, capaz de unificar as massas trabalhadoras contra a burguesia brasileira e contra o imperialismo, de forma que todos devem sair às ruas do Brasil nesse dia 29 de novembro, quarta-feira, que será mais um dia mundial de luta em defesa do povo palestino.

Contra o massacre sionista, sair às ruas em defesa da Palestina!

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.