Isaias Filho

Membro da Direção Nacional do Partido da Causa Operária (PCO) e da Aliança da Juventude Revolucionária (AJR).

Coluna

Contra a Guiana ou contra o imperialismo?

MRT e suas organizações irmãs criticaram recentemente o Hamas. Agora, criticam a Venezuela na questão de Essequibo. A falência encontra-se em estágio avançado.

O jornal Esquerda Diário, órgão do Movimento Revolucionário de Trabalhadores (MRT), um agrupamento da esquerda pequeno-burguesa oriundo do morenismo, que por anos lutou, sem sucesso, para entrar no PSOL, publicou recentemente a declaração da Liga dos Trabalhadores pelo Socialismo (LTS), organização irmã do MRT, sobre o caso Essequibo. 

Não abordaremos aqui o artigo na sua totalidade, mas apenas uma das ideias contida nele. Trata-se, é bem verdade, de uma ideia essencial para o conjunto da posição adotada pela organização. 

Questionando o caráter anti-imperialista da medida adotada por Maduro, a nota afirma que a reivindicação venezuelana não é “dirigida contra uma potência capitalista predatória, saqueando os povos, mas contra um pequeno país saqueado e empobrecido”. “O império britânico saqueou a Venezuela… mas a Guiana não é o Império Britânico,” nos explica a LTS.

Ou seja: Maduro, seguindo os desígnios da burguesia local, estaria espoliando um país atrasado. Não há qualquer traço de luta anti-imperialista no episódio. E, portanto, não há qualquer elemento que justifique um apoio à pretensão venezuelana. Eis, em resumo, a posição da organização morenista sobre a questão.

A posição é absurda. Na essência, consiste numa posição pró-imperialista. 

As atuais fronteiras do Estado venezuelano resultam da ação do colonialismo britânico no século XIX, quando a Grã-Bretanha incentivou colonos a invadirem as terras a oeste do rio Essequibo. Nesse período, após um acordo com os Países Baixos, o Império Britânico colonizou a região guianense, especificamente Essequibo. A ocupação britânica teve como objetivo consolidar o território que hoje compreende a Guiana. Assim, a Grã-Bretanha anexou o território venezuelano sem consentimento da população local, que, na época, não pôde reagir devido à disparidade militar gritante entre os britânicos, maior exército do mundo à época, contra a Venezuela, um relativamente pequeno e novo país da América do Sul. Os britânicos finalmente conseguiram formalizar Essequibo como parte de seus domínios em 1899, quando o famigerado Laudo Arbitral de Paris, um documento diplomático que favoreceu a Grã-Bretanha, foi estabelecido. Tal documento revelou-se uma fraude completa, uma vez que a Venezuela foi representada nas negociações do acordo… por dois norte-americanos. 

Rica em recursos minerais, em gás e petróleo, Essequibo é hoje um parque de diversões de monopólios imperialistas, como a Exxon Mobil. Essequibo, ao fim e ao cabo, é um território roubado da Venezuela pelo colonialismo britânico. Mais ainda, trata-se ainda hoje de um território explorado econômica e politicamente pelas grandes empresas do imperialismo mundial. 

A Guiana é um exemplo típico daqueles países artificiais, criados quase que arbitrariamente pelas manobras do imperialismo. Seu governo é um governo-fantoche do imperialismo, uma espécie de departamento das grandes petroleiras norte-americanas e inglesas. 

Diante disso tudo, como é possível que uma organização que se reivindica “revolucionária” e “marxista” não veja na ação do governo nacionalista de Nicolás Maduro um ataque frontal aos interesses do imperialismo na região? De marxista e revolucionária, a LST e o MRT não tem nada.

Mais recentemente, tais organizações já haviam adotado uma posição vergonhosa na questão palestina. Criticaram “os métodos e a estratégia do Hamas”, num claro alinhamento com as diretrizes do imperialismo. Agora, novamente, alinham-se ao imperialismo na questão da Guiana Essequibo. A guinada à direita parece ser a tendência de movimento desses grupos pequeno-burgueses que, diante da pressão dos acontecimentos da luta de classes, se dobram aos interesses das forças que dizem combater. A falência desses partidos encontra-se em estágio avançado.

 

* A opinião dos colunistas não reflete, necessariamente, a opinião deste Diário

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.