Livre comércio

Assim como o Mercosul, Austrália recua de acordo com a UE

Chefe do Comércio australiano diz que proposta do bloco "não é suficientemente boa"

Chefe do Comércio australiano diz que proposta do bloco “não é suficientemente boa”, uma vez que não permite grande entrada de produtos agrícolas australianos na Europa, sendo o protecionismo uma das questões que também impede o Mercosul de assinar com os europeus.

De acordo com o ministro do Comércio australiano, Don Farrell, o bloco europeu “falhou em oferecer à Austrália termos satisfatórios para selar um acordo de livre comércio“, uma vez que “pequenos, mas importantes pontos de atrito ameaçam inviabilizar os planos de assinatura até o final de agosto”, disse Farrell segundo a Bloomberg.

De acordo com a mídia, a Austrália continua insatisfeita com o nível de acesso ao mercado europeu oferecido para seus produtos agrícolas – incluindo carne bovina, açúcar e carneiro – e Camberra não está preparada para assinar um acordo sem “acesso comercial significativo“.

“Nesta fase, não recebemos uma oferta suficientemente boa dos europeus”, afirmou Farrell.

Também há discordâncias sobre a insistência do bloco europeu na proteção da indicação geográfica para centenas de produtos que podem afetar a marca das exportações da Austrália, como prosecco e feta.

Os negociadores da UE consideram que isso não é negociável, segundo a mídia, enquanto Farrell disse anteriormente que era uma “questão emocional” para os agricultores australianos.

Para as autoridades europeias, nomeadamente o comissário de Comércio da UE, Valdis Dombrovskis, é possível que o acordo com a Austrália seja assinado em uma cúpula da OTAN na Lituânia em meados de julho, o comissário considerou a data ontem (28), segundo a Bloomberg.

A expectativa de Dombrovskis para o acordo com o Mercosul é a mesma, entretanto, a questão sobre produtos agrícolas é justamente um dos maiores impasses no pacto entre os europeus e os sul-americanos, assim como para os australianos.

Na semana passada o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, chegou a classificar como “ameaça” as novas exigências da UE para o acordo. Sobre a parte de produtos agrícolas, o Brasil, assim como a Austrália, também busca um novo texto, principalmente no que diz respeito à compensação para agricultura familiarconforme noticiado.

Fonte: Sputnik

* Os artigos aqui reproduzidos não expressam necessariamente a opinião deste Diário

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.