Editorial

Após Putin, Maduro mostra como enfrentar a pressão imperialista

Percebendo o momento favorável, Caracas se antecipa ao confronto inevitável para a retomada do território roubado, demonstrando como lidar com as forças imperialistas

Em novo desdobramento da iniciativa do governo venezuelano de retomar o território do Essequibo – roubado pelos ingleses no século XIX e desde então reivindicado pelos venezuelanos -, o major-general Rodríguez Cabello foi nomeado pelo presidente Nicolás Maduro, no último dia 5, como a autoridade provisória para o recém-criado estado da Guiana Essequiba. Trata-se de uma resposta à determinação popular manifestada no último dia 3, quando mais de 96% do povo venezuelano apoiou a retomada do Essequibo.

Em resposta, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, ligou no último dia 7 para o presidente da Guiana, Irfaan Ali, segundo a imprensa capitalista, para expressar apoio norte-americano à Guiana e discutir uma “cooperação robusta” na área de segurança. Além disso, exercícios militares na região foram anunciados pela Casa Branca também no dia 7, com aviões americanos sobrevoando os céus do Essequibo. Por fim, Washington anunciou um plano para construção de bases militares no enclave imperialista na região amazônica.

As ameaças do imperialismo são reflexo da gravidade do problema enfrentado pelos monopólios com a ousadia do povo venezuelano em enfrentá-los. Com crises explodindo por todos os cantos do planeta, o continente americano era a única região relativamente estável do globo, ainda que com muitas ressalvas, ante as turbulências que vivem os países do quintal norte-americano.

Agora, a exemplo das convulsões armadas na África, no Oriente Médio e no Leste Europeu, a América Latina ameaça entrar em uma atividade bélica de grandes proporções, tendo uma nação atrasada e rebelde contra um país que serve como base imperialista.

De uma certa forma, é uma tática parecida com a adotada por Moscou, que se antecipou ao conflito contra a OTAN na Ucrânia lançando sua operação militar especial. Percebendo o momento favorável, Caracas toma resolução similar em relação ao Essequibo, cuja devolução aos venezuelanos é reivindicada desde meados do século XIX.

A iniciativa de Maduro e dos venezuelanos é mais um belo exemplo ao presidente Lula sobre como lidar com as pressões imperialistas. A ferocidade da ditadura global nada mais é do que consequência da debilidade desse sistema de opressão, que em crise de características terminais, piora suas ameaças.

A lição dos que estão sendo bem sucedidos no enfrentamento a essas ameaças, no entanto, é que é a melhor defesa. O imperialismo está em um momento de muita fragilidade que precisa ser aproveitado. Essa é a lição que a vanguarda da classe trabalhadora brasileira precisa observar também, para sair da defensiva, apoiar a iniciativa de Maduro. Isso jogará mais pressão contra o imperialismo, enfraquecendo esse inimigo comum dos venezuelanos, brasileiros, árabes, africanos e de todos os povos da humanidade.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.