Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Exército australiano

Alto escalão segue impune por crimes no Afeganistão

No início desta semana, um soldado australiano, Oliver Schulz, 41, foi acusado de assassinato pela Polícia Federal Australiana

No início desta semana, um soldado australiano, Oliver Schulz, 41, foi acusado de assassinato pela Polícia Federal Australiana em relação ao assassinato de um civil no Afeganistão em 2012.

Schulz foi mantido sob custódia e deve comparecer ao tribunal novamente em 16 de maio. Seu julgamento provavelmente começará ainda este ano e, se for considerado culpado de assassinato, enfrentará uma sentença máxima de prisão perpétua.

Schulz era membro do regimento de elite do Serviço Aéreo Especial (SAS) – as tropas de choque da Austrália que realizaram a maior parte dos combates no Afeganistão. Ele cumpriu várias missões e foi premiado com a Comenda por Bravura.

Este é o primeiro processo criminal instaurado como resultado de investigações conduzidas pelo Office of the Special Investigator (OSI) – um órgão criado em 2021 pelo governo australiano para determinar se acusações criminais devem ser feitas em relação a possíveis crimes de guerra que foram cometidos. identificados no Relatório Brereton de 2020.

O inquérito de Brereton encontrou “evidências confiáveis” de que soldados australianos podem ter assassinado cerca de 39 civis e prisioneiros afegãos entre 2005 e 2016. O chefe da investigação, Paul Brereton, recomendou que quaisquer processos por esses crimes fossem levados a tribunais civis, e não a tribunais militares, levando à acusação de Schulz esta semana.

O inquérito Brereton foi estabelecido em resposta a relatórios da ABC e do Channel Nine alegando que soldados australianos haviam cometido vários crimes de guerra durante a guerra do Afeganistão.

Relatos da imprensa acusaram o vencedor do Victoria Cross e herói de guerra do SAS, Ben Roberts-Smith, de ter cometido atrocidades durante o serviço, o que o levou a iniciar um processo de difamação contra os editores. A longa audiência de Roberts-Smith foi adiada pela Covid-19 e só foi concluída no ano passado, com o juiz devendo proferir sua sentença ainda este ano.

No julgamento, os réus, que são editores levantando uma defesa da verdade, pediram depoimentos de vários civis afegãos e soldados do SAS. Se acreditado, provaria que Roberts-Smith havia, de fato, cometido várias atrocidades – incluindo assassinato. Não se sabe se a OSI está atualmente investigando Roberts-Smith, mas se a defesa da verdade dos editores for bem-sucedida, Roberts-Smith quase certamente será processado.

Acredita-se que Schulz tenha participado de um documentário da ABC Four Corners – embora não tenha sido identificado – que mostrava imagens de um civil afegão, deitado em um campo com as mãos levantadas, sendo baleado por um soldado australiano do SAS. Esse soldado agora é acusado de ser Schulz.

A acusação de Schulz é apenas o começo do que será um processo longo e embaraçoso para a Força de Defesa Australiana (ADF). O OSI está atualmente investigando entre 40 e 50 crimes de guerra adicionais supostamente cometidos por soldados australianos no Afeganistão.

Fiona Nelson, diretora do Centro Australiano de Justiça Internacional, disse esta semana que “as vítimas de violações de direitos humanos durante o conflito no Afeganistão têm sido negadas há décadas para qualquer responsabilização. Os procedimentos criminais na Austrália têm um papel importante a desempenhar para finalmente permitir que a impunidade seja contestada. A Austrália tem muito trabalho pela frente para responder ao legado de seu engajamento militar no Afeganistão”.

O envolvimento da Austrália na guerra no Afeganistão – em apoio à tentativa dos EUA de impor uma forma de democracia e mudança de regime no país asiático – já provou ser um grande embaraço para Camberra. O julgamento de Schulz, e os outros que certamente se seguirão, sem dúvida aumentarão a desgraça e a vergonha da Austrália.

Cerca de 26.000 funcionários australianos foram implantados no Afeganistão. 41 soldados morreram e 261 ficaram feridos. A guerra no Afeganistão resultou em um desastre militar abrangente para os invasores com os EUA e a Austrália forçados a fazer uma retirada humilhante diante do retorno do ressurgente Talibã ao poder.

A perda militar no Afeganistão e as descobertas contidas no Relatório Brereton destruíram completamente a reputação e o moral do ADF, e a acusação de Schulz, seja qual for o resultado, só pode aumentar os problemas do ADF. Isso foi confirmado pelo presidente da Associação SAS, Martin Hamilton-Smith, que disse esta semana que Schulz “tem o direito de apresentar sua versão dos eventos e explicar a natureza e as complexidades dos combates no Afeganistão”.

Quando as descobertas de Brereton foram proferidas em novembro de 2020, o alto escalão do ADF recusou-se a assumir qualquer responsabilidade pela conduta das tropas australianas no Afeganistão.

Com informações da RT.

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.